Expedição One Ocean inicia etapa brasileira no Rio

Navio-escola norueguês atracado no Rio fica no Brasil até o dia 26

Expedição One Ocean inicia etapa brasileira no Rio
(Agência Brasil)

Países oceânicos, que dependem de indústrias oceânicas sustentáveis para a prosperidade, saúde e futuro de suas comunidades costeiras, como Brasil e Noruega, esperam que o oceano possa gerar mais recursos e serviços “se for administrado com cuidado e de forma sustentável”, disse à Agência Brasil o embaixador da Noruega no país, Odd Magne Ruud.

Publicidade

O Consulado Geral da Noruega e a embaixada no Brasil promovem amanhã (24), no Rio de Janeiro, o seminário Green Technology for Sustainable Oceans (Tecnologia Verde para Oceanos Sustentáveis), a bordo do veleiro Statsraad Lehmkuhl, que atracou hoje (23) no Pier Mauá, região portuária da capital fluminense.

O navio-escola Statsraad Lehmkuhl dá início à etapa brasileira da expedição One Ocean, organizada pela Fundação Statsraad Lehmkuhl em parceria com o governo norueguês, universidades, cientistas e empresas. A expedição partiu da Noruega em agosto de 2021 e retornará àquele país em abril de 2023, depois de dar a volta ao mundo, visitando 36 portos em diferentes países. No Brasil, ficará até o dia 26 deste mês.

A próxima parada programada é a cidade de Ushuaia, na Argentina.

Ciência oceânica

A expedição One Ocean faz parte da Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (2020-2030), lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Seu principal objetivo é chamar a atenção e compartilhar conhecimento sobre o papel vital dos oceanos para um futuro sustentável para o mundo.

Publicidade

O embaixador ressaltou que o Oceano Atlântico enfrenta, no momento, graves ameaças provocadas pelo homem, como mudanças climáticas e poluição marinha. Essas são áreas consideradas prioritárias pela Noruega. “Os plásticos são uma ameaça global aos direitos humanos e ao meio ambiente, aos direitos à vida, à saúde, à alimentação. Vamos trabalhar juntos para uma economia azul, sustentável e justa.”

Segundo Ruud, a então primeira-ministra da Noruega, Erna Soolberg, iniciou o painel de alto nível para uma economia oceânica sustentável em 2018. A ideia é  “criar mecanismos que levem a uma economia oceânica sustentável, para criar melhor compreensão internacional da conexão entre a importância econômica do oceano e os estados”. Ele espera que a visita do veleiro contribua para a conscientização e engajamento do Brasil no combate à excessiva poluição marinha. 

Transição verde

O embaixador da Noruega destacou a parceria importante entre Noruega e Brasil em termos de práticas sustentáveis para uma transição verde, em especial no setor de energia. “O Brasil é um país muito importante para a Noruega. A relação bilateral histórica é baseada no oceano. O comércio de bacalhau e café (entre os dois países) remonta há mais de 180 anos”. O embaixador lembrou que a Noruega tem o segundo maior litoral do mundo, “incluindo os fiordes”. Fiordes são grandes entradas de mar entre altas montanhas rochosas originada da erosão provocada pelo gelo.

Publicidade

Apesar de constituir missão mundial, todos os membros da expedição One Ocean são noruegueses. Em alguns portos, dependendo da situação sanitária imposta pela pandemia da covid-19, o veleiro consegue receber, para intercâmbio e experiência, pessoas de outras nacionalidades que desembarcam na parada seguinte. A expedição recebeu também autorização de autoridades brasileiras para fazer pesquisas no litoral do país.

No período de 28 deste mês a 2 de março, será realizada a 5ª Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Unea-5.2) nos formato online e presencial em Nairóbi, Quênia, durante a qual será negociado um acordo global contra a poluição marinha. O tema geral da assembleia é o fortalecimento das ações para que a natureza alcance as metas de desenvolvimento sustentável.

Tecnologia

Com 98 metros de comprimento, o veleiro Statsraad Lehmkuhl tem 108 anos de idade. A embarcação foi toda reformada e equipada com tecnologia de última geração para coletar dados sobre física, química e biologia dos oceanos ao longo da viagem. Atua também como uma universidade flutuante, recebendo equipes de estudantes e jovens líderes nas diferentes etapas da viagem.

Publicidade

O veleiro realiza ainda conferências, seminários e outros eventos a bordo durante as paradas nos portos e disponibiliza acesso em tempo real a dados, vídeos e histórias da expedição para inspirar jovens, cientistas e cidadãos a engajar-se em prol de ações de desenvolvimento sustentável com base nos oceanos.

Os instrumentos modernos permitem medir, por exemplo, níveis de gás carbônico (CO2), microplástico, acidificação dos oceanos, biodiversidade e temperatura dos oceanos. Coleta também dados acústicos de alta qualidade em alto mar, tanto de escuta passiva quanto de ecossondas ativas. A amostragem de água em andamento permite técnicas modernas e poderosas, como análises de DNA.

A cônsul-geral da Noruega no Rio de Janeiro, Marianne Fosland, acredita que investir em pesquisa e inovação é vital para alcançar o objetivo do desenvolvimento sustentável (ODS) número 14 da ONU, no sentido de proteger e usar o oceano e os recursos marinhos de uma forma que promova o desenvolvimento sustentável.

Publicidade

Ecossonda

Um dos sensores científicos de última geração a bordo do Statsraad Lehmkuhl é a ecossonda científica de banda larga Kongsberg Maritime EK80, que coleta continuamente dados da quilha até mil metros abaixo do navio, revelando a densidade e o comportamento de peixes e zooplâncton no oceano e nas áreas costeiras por onde o navio passa.

A expedição busca respostas sobre a distribuição global das camadas mesopelágicas, situadas entre 200 a mil metros de profundidade. Trata-se de uma das partes menos compreendidas do oceano, mas que é também uma das mais importantes.

Organismos que habitam a camada mesopelágica são uma parte importante da cadeia alimentar oceânica e transferem grandes quantidades de carbono da zona da superfície para o oceano profundo, desempenhando papel de destaque no combate às mudanças climáticas. A pesca mesopelágica também é uma potencial nova pesca global e uma importante fonte de nutrientes no futuro.

Semana One Ocean

Quando o navio retornar para o seu porto de partida, a cidade de Bergen sediará a Semana One Ocean, encontro internacional que terá conferências, oficinas, entre outros eventos, para os quais serão convidados representantes de todos os 36 portos que o veleiro Statsraad Lehmkuhl visitará durante seus vinte meses no mar. 

(Agência Brasil)