Facebook e Instagram tiram do ar live de Bolsonaro com fake news envolvendo vacina da Covid e AIDS

“Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”, disse um porta-voz do Facebook

Bolsonaro desautoriza Mourão
(Crédito: Andressa Anholete/Getty Images)

O Facebook e o instagram que fazem parte do mesmo grupo, tiraram do ar uma live de Jair Bolsonaro (Sem Partido) em que ele compartilhava uma informação inverídica relacionando as vacinas contra Covid-19 com AIDS.

Publicidade

A live foi ao ar na quinta-feira (21). Nela, Bolsonaro mencionou uma fake news na qual diz que relatórios oficiais do Reino Unido teriam sugerido que as pessoas totalmente vacinadas estariam desenvolvendo a Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS) “muito mais rápido do que o previsto”.

A informação foi antecipada pelo jornal “Folha de São Paulo”:

“Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”, disse um porta-voz do Facebook.

Publicidade

“Só vou dar notícia, não vou comentar. Já falei sobre isso no passado, apanhei muito… Vamos lá: relatórios oficiais do governo do Reino Unido sugerem que os totalmente vacinados… Quem são os totalmente vacinados? Aqueles que depois da segunda dose né… 15 dias depois, 15 dias após a segunda dose, totalmente vacinados… Estão desenvolvendo Síndrome da Imunodeficiência Adquirida muito mais rápido do que o previsto. Portanto, leiam a matéria, não vou ler aqui porque posso ter problema com a minha live”, afirmou Bolsonaro durante a transmissão.

“Segundo o Reino Unido a notícia é falsa.”

O Departamento de Saúde e Assistência Social do Reino Unido afirma que a notícia faz parte de um site que propaga teorias da conspiração e diz que a história não é verdadeira.

Publicidade

Zahraa Vindhani, oficial de comunicações da Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido, também afirma que “as vacinas contra a Covid-19 não causam Aids”. “A Aids é causada pelo HIV”, disse ela ao portal G1.

A notícia falsa mencionada por Bolsonaro foi colocada no site conspiracionista beforeitnews.com, que publica textos dizendo que as vacinas rastreiam os vacinados e que milhões de pessoas morreram com as vacinas.

Publicidade