Governo Brasileiro

Garimpeiros ilegais apropriaram-se de mais de 1,2 mil pistas irregulares na Amazônia

As pistas estão sendo utilizadas para que os aviões de pequeno porte consigam transportar materiais que auxiliam na atividade extrativista em áreas de difícil acesso.

Garimpeiros ilegais apropriaram-se de mais de 1,2 mil pistas irregulares na Amazônia
Floresta Amazônica (Crédito: Victor Moriyama / Freelancer)

De acordo com as informações divulgadas pelo jornal norte-americano The New York Times, os garimpeiros ilegais que operam na floresta amazônica estão utilizando aproximadamente 1.269 pistas de pouso irregulares, com a intenção de impulsionar a atividade na região. A reportagem publicada baseou-se em imagens de satélites desde 2016.  

Publicidade

As pistas estão sendo utilizadas para que os aviões de pequeno porte consigam transportar materiais que auxiliam na atividade extrativista em áreas de difícil acesso. Os garimpeiros estão se apropriando das estruturas construídas pelos mineiros e pistas que são propriedade do governo brasileiro. 

Publicidade

A matéria do The New York Times entrevistou agentes da saúde indígena que disseram que o governo do Brasil perdeu o controle de gerência de algumas dessas pistas. De acordo com os relatos apresentados na reportagem, para “expulsar” as aeronaves desconhecidas, os garimpeiros jogam combustíveis na pista. 

Além do mais, o jornal norte-americano afirma que o garimpo ilegal aumentou ao longo do atual governo do Brasil comandado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Pistas próximas a base do Exército 

A pesquisa feita pelo The New York Times identificou 35 pistas que ficam aproximadamente 80 quilômetros de três bases de monitoramento do Exército Brasileiro na terra dos Yanomami. Eles acreditam que essas pistas estão sendo usadas por mineradoras. 

Publicidade

O jornal também conta sobre a fragilidade na legislação, o que dificulta a Anac a aplicar algum tipo de penalidade nos responsáveis que construíram a pista de forma irregular. 










Publicidade