Sargento mata vizinho no RJ e alega que o confundiu com assaltante

O autor do crime foi indiciado por homicídio culposo e permanece preso

rj-sargento-mata-vizinho-e-alega-que-o-confundiu-com-assaltante
Sargento Aurélio Alves Bezerra.(Crédito: Reprodução)

O sargento da Marinha Aurélio Alves Bezerra matou ontem (2) à noite, o vizinho Durval Teófilo Filho, 38 anos, no momento em que a vítima tirou a chave da mochila para abrir o portão da casa. O militar atirou de dentro do carro, atingindo Teófilo Filho na barriga. Os dois moravam num condomínio de casas no bairro Colubandê, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio.

Publicidade

Imagens do circuito do sistema de segurança mostram o momento em que Teófilo Filho chega próximo ao portão da casa e abre a mochila. Em seguida, de dentro do carro, Aurélio efetua disparos contra a vítima. Em seguida, o militar desce e vê que o homem estava caído no chão e o leva para o Hospital Estadual Alberto Torres, onde a vítima morreu pouco depois de ser socorrida.

Versão

Em nota, a Polícia Civil informou que agentes da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) prenderam em flagrante, nesta quinta-feira (3), o militar. De acordo com a polícia, o autor do crime foi indiciado por homicídio culposo e permanece preso.

Segundo declaração de Bezerra, ele atirou na vítima em reação a uma suposta tentativa de assalto, enquanto a mesma caminhava e mexia em sua mochila. “Ao constatar seu erro, o acusado prestou imediato socorro a Durval, levou para um hospital, mas ele não resistiu”. 

Racismo

Um tio da vítima, identificado como Jorge Luiz, pediu justiça pelo crime e classificou o caso de racismo ao chegar para liberar o corpo no Instituto Médico Legal de São Gonçalo.  “O Durval botou a mão na mochila para pegar a chave e abrir o portão da casa dele. Isso é racismo. Porque acham que o cara negro não pode morar em certo tipo de lugar. Que ele pague pelo que fez.”

Publicidade

A Agência Brasil entrou em contato com o Comando em Chefe da Esquadra, responsável pelo caso, e aguarda retorno.

(Agência Brasil)

Publicidade