Terreiro de candomblé é primeiro bem tombado pelo Inepac este ano

O local é considerado de grande relevância cultural e social para os municípios do leste da região metropolitana do estado

terreiro-de-candomble-e-primeiro-bem-tombado-pelo-inepac-este-ano
Durante os encontros ali realizados, o espaço ainda aborda temas atuais (Crédito: Agência Brasil)

O terreiro de candomblé Egbe Ile Iya Omidaye Asé Obalayo, situado no bairro de Sacramento, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, pertencente aos povos tradicionais de matrizes africanas, é o primeiro patrimônio tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) neste ano e o terceiro desde 2016. O anúncio foi feito nessa sexta-feira (11) pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro. O local é considerado de grande relevância cultural e social para os municípios do leste da região metropolitana do estado.

Publicidade

Liderado por Mãe Márcia de Oxum há cerca de 27 anos, o terreiro está em funcionamento há mais de 50 anos e acolhe centenas de pessoas por mês em termos psicológicos, religiosos e sociais. Durante os encontros ali realizados, o espaço ainda aborda temas atuais, entre os quais direitos humanos, direito da mulher e igualdade social e racial. O terreiro fica localizado na Rua Dalmir da Silva, lote 8.

Mãe Márcia avaliou que, como centro de referência para muitos terreiros de São Gonçalo e dos municípios vizinhos, o fato de o terreiro ser o primeiro patrimônio tombado pelo Inepac em 2022 constitui um marco e uma celebração para toda a comunidade candomblecista. “É a certeza que contamos com o governo para nos ajudar em qualquer eventualidade e dividir conosco essa responsabilidade de proteção do patrimônio”, destacou.

Comprometimento

De acordo com a diretora do Inepac, Ana Cristina Carvalho, a comunidade Egbe Ile Iya Omidaye Asé Obalayo se mostrou comprometida com a preservação das edificações, árvores e objetos que fazem parte do espaço tombado, que agora é patrimônio cultural fluminense.

Explicou que “quando o proprietário ou possuidor do bem tombado anseia pelo tombamento e se compromete com a sua preservação e conservação, como no caso do terreiro de candomblé Egbe Ile Iya Omidaye Asé Obalayo, a proteção legal conferida ao patrimônio pelo ato de tombamento fica, sem sombra de dúvida, muito mais fortalecida”.

Publicidade

O Egbe Ile Iya Omidaye Asé Obalayo é o terceiro terreiro tombado pelo Inepac, somando-se assim ao Ilê Axé Opô Afonjá, localizado em São João de Meriti e tombado em 2016, e ao Manso Bantuqueno Ngomessa Kat’espero Gomeia da Nação Kongo/Angola – o Terreiro da Gomeia, localizado em Duque de Caxias e tombado em 2021. Esses dois terreiros estão localizados na região da Baixada Fluminense.

(Agência Brasil)

Publicidade