Forças russas têm acesso a usinas nucleares bloqueado por trabalhadores

Vídeos postados pela autoridade local mostraram uma grande multidão carregando bandeiras ucranianas bloqueando a estrada na manhã desta quarta

Forças russas têm acesso a usinas nucleares bloqueado por trabalhadores
Caminhões de lixo também estavam sendo usados para fazer o bloqueio da via (Créditos: Divulgação / Redes Sociais)

Uma estrada de acesso a uma usina nuclear ucraniana perto da Cidade de Enerhodar, foi bloqueada por centenas de trabalhadores e moradores, no sudeste da Ucrânia, enquanto as forças da russas avançavam na área.

Publicidade

Foram postados vídeos em um perfil do Facebook da autoridade local mostrando uma grande multidão carregando bandeiras da Ucrânia bloqueando a estrada na manhã desta quarta-feira (2). Caminhões de lixo também estavam sendo usados para fazer o bloqueio da via.

“Transmitimos a posição de nossa cidade e seus moradores de que a ZNPP [Central Nuclear de Zaporizhzhia] está sob proteção confiável, que seus trabalhadores e moradores estão sob bandeiras ucranianas”, disse Dmytro Orlov, prefeito de Enerhodar, no Facebook. “Todos os serviços municipais estão funcionando em modo emergencial. Ninguém vai entregar a cidade. As pessoas estão determinadas”, acrescentou Orlov.

De acordo com Rafael Mariano Grossi, diretor-geral na terça-feira (1), a Rússia informou à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que suas forças militares assumiram o controles do território em torno da usina de Zaporizhzhia.

Exigência russa

A Rússia, na terça-feira (1), exigiu que os Estados Unidos retirassem suas armas nucleares de países da Europa. Segundo a agência de notícias RIA, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, disse que “já é hora das armas americanas voltarem para casa”. “É inaceitável para a Rússia que alguns países europeus sediem as armas nucleares americanas”, acrescentou o representante russo.

Publicidade

Ele também disse que o país está pronto para trabalhar com os EUA em uma “estabilidade estratégica”. O chanceler da Rússia, em um discurso gravado, exibido na Conferência sobre Desarmamento em Genebra, na Suíça, declarou que o Ocidente não deve construir instalações militares em ex-repúblicas soviéticas.

Possíveis negociações

O Kremlin disse que as autoridades da Rússia estão prontas para realizar uma segunda rodada de negociações com a Ucrânia nesta quarta-feira (2), mas não se sabe se as autoridades ucranianas irão comaparecer.

Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, disse que tinha informações contraditórias sore as negociações. O presidente da Ucrânia, Vlodymyr Zelensky, disse nesta terça-feira(1) que a Rússia devia parar com o bombardeio de cidades ucranianas antes que as negociações pudessem ocorrer.

Publicidade

“Primeiro podemos tentar prever se os negociadores ucranianos aparecerão ou não. Vamos torcer para que isso aconteça. Nossos [negociadores] estarão lá e prontos”, disse Peskov a repórteres.

Peskov disse também que Moscou precisa formulara uma resposta dura, ponderada e clara contra as medidas impostas aos países para minar a economia russa. O porta-voz da Rússia disse que a economia da Rússia está passando por um sério golpe, mas que é sólida e que o país tem experiência em superar crises.

O encontro que aconteceu na segunda-feira (28), e acabou sem acordo sobre uma possível cessar-fogo para a guerra. Mykhailo Podolyak, assessor ucraniano, informou a repórteres que após a primeira reunião que os representantes retornariam às suas respectivas capitais antes de uma segunda rodada de negociações.

Publicidade

“As delegações ucranianas e russas realizaram a primeira rodada de negociações. Seu objetivo principal era discutir o cessar-fogo e o fim das ações de combate no território da Ucrânia”, disse Podolyak.

“As partes determinaram os tópicos onde certas decisões foram mapeadas. Para que essas decisões sejam implementadas como um roteiro, as partes estão retornando para consultas às suas capitais”, acrescentou. “As partes discutiram a realização de mais uma rodada de negociações onde essas decisões podem ser desenvolvidas”, concluiu o assessor.