Esporte Clube Pinheiros

Arthur Nory celebra volta por cima e dedica à mãe o bronze no Mundial

Ginasta retoma lugar entre os melhores após ausência em finais de 2021.

arthur-nory-celebra-volta-por-cima-e-dedica-a-mae-o-bronze-no-mundial
(Créditos: Divulgação/ CBG)

Arthur Nory era só sorrisos durante a homenagem que recebeu no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo, pela medalha de bronze no Campeonato Mundial de ginástica artística, em Liverpool (Inglaterra), na barra fixa. A satisfação sincera de quem já teve o gostinho do ouro no evento há apenas três anos, mas teve de se reinventar após passar em branco nas duas principais competições do ano passado: o Mundial de Kitakyushu e a Olimpíada de Tóquio (ambos no Japão).

Publicidade

“Não importa a cor da medalha, porque a gente sabe o processo que é até chegar nela. É consequência de todo um trabalho. Vim de um 2021 em que não consegui ir às finais. Tive de entender o que fazer para voltar a elas. [O bronze] Veio para coroar realmente esse processo, o quão difícil é se manter entre os melhores. Entender que sair de um ouro não te faz ser ouro de novo. Agora é se adaptar para chegar lá de novo”, disse Nory, em entrevista à Agência Brasil.

Outra razão para a medalha em Liverpool ser especial para o brasileiro foi tê-la dedicado à mãe. Em setembro de 2021, depois da Olimpíada e antes da seletiva para o Mundial de Kitakyushu, Nadna Oyakawa sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico, que afetou o lado direito do corpo.

“Foi incrível, emocionante, ver que ela ainda estava trabalhando o lado acometido e se esforçando, como uma atleta, querendo melhorar. Foi um momento muito bom para a gente, mostrar que estou de volta e que ela, agora, só vai pegar nas medalhas com a mão direita”, celebrou Nory.

O ginasta de Campinas (SP) foi campeão mundial da barra fixa em 2019, na edição de Sttutgart (Alemanha). Retomar o posto entre os três melhores do mundo no aparelho deve colocá-lo, novamente, como referência não somente para os adversários, mas também para o grau de exigência dos juízes.

“Eles [árbitros] começam a te conhecer melhor, sabem o que você faz, o que não faz, onde perde mais pontos. Você tem de inovar, buscar elementos diferentes, ver pontos fortes e fracos, o que tem de melhorar. O que a arbitragem tem pedido hoje? Muita execução, que é um ponto forte meu. Na final [do Mundial], vi todo mundo fazer elementos com alguns décimos de desconto que eu não tinha. Então, era vantagem para mim. Os três medalhistas serão referência para entender o que está sendo feito e estudarmos o que fazer”, projetou o paulista, que também foi prata no solo na Olimpíada Rio 2016.

Publicidade

O terceiro lugar de Nory em Liverpool ajudou o Brasil a realizar a melhor campanha do país em um Mundial de ginástica artística, com três medalhas ao todo. A protagonista da equipe foi a campeã olímpica Rebeca Andrade, ouro no individual geral e bronze no solo.

“A gente só se deu conta depois, que tínhamos feito história. Sabemos o potencial [do Brasil], que dá para mais. Isso é muito importante, faz a gente acreditar”, destacou o ginasta, que rasgou elogios à parceira de seleção brasileira.

“Minha ídola foi a Daiane dos Santos, foi graças a ela que entrei no esporte, mas hoje admiro demais a Rebeca, por toda a história e o quão incrível ela é, como atleta e pessoa. Eu a vi crescer, continuamos amigos. Nada mudou, só mesmo a vontade de querer mais medalhas para o país”, concluiu Nory.

Em 2023, a ginástica artística brasileira terá pela frente o Mundial de Antuérpia (Bélgica), entre os dias 1º e 8 de outubro. O foco está na disputa por equipes. As nove primeiras colocadas do masculino e as nove do feminino vão à Olimpíada de Paris (França), em 2024. Também no ano que vem, o país brigará por medalhas nos Jogos Pan-Americanos de Santiago (Chile).

Publicidade