Biden culpa Putin por alta de combustíveis

Biden afirmou que mundo está pagando o preço da invasão à Ucrânia

biden-culpa-putin-por-alta-de-combustiveis
O presidente dos EUA, Joe Biden, fala na National League of Cities Congressional City Conference em 14 de março de 2022 em Washington, DC. A Liga Nacional das Cidades é um grupo de defesa que representa as quase 20.000 cidades, vilas e aldeias do país. (Crédito: Drew Angerer/Getty Images)

O presidente dos EUA, Joe Biden, fez duras crítica a Vladimir Putin em pronunciamento nesta segunda-feira (14). O líder norte-americano disse que a alta de combustíveis é responsabilidade russa: “não se enganem, a responsabilidade é de Putin e de sua invasão a outro país, o mundo todo está vendo.”

Publicidade

Os EUA e seus aliados comerciais têm imposto sanções econômicas à Rússia como forma de tentar frear as ofensivas na Ucrânia, mas Putin tem resistido e buscado burlar as restrições.

Biden reafirmou o plano de recuperação dos EUA, com novos investimentos em infraestrutura e construção civil: “esses investimentos foram responsáveis por apenas 0,3% da inflação, mas retornaram em mais de 6 milhões de empregos apenas no ano passado.”

Valores do petróleo

A decisão do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de suspender a importação de petróleo da Rússia vai acentuar o aumento de preços dos combustíveis. E ainda renova o clima de incerteza sobre os rumos da economia global.

A medida, anunciada nesta terça-feira, 08, é mais uma que se soma a outras sanções impostas contra o governo de Putin pela invasão da Ucrânia.

Publicidade

O conjunto de medidas traz efeitos prolongados para as economias globais, que caminham para lidar com mais inflação e, possivelmente, alta de juros e menos crescimento econômico, segundo o Portal G1.

A Rússia tem papel relevante no mercado internacional. É uma das principais exportadoras de petróleo, com cerca de 7 milhões de barris por dia.

A dinâmica da guerra já havia elevado os preços do barril de petróleo para perto dos US$ 140, mas a nova sanção imposta pelos EUA vai pressionar ainda mais a restrição de oferta.

Publicidade