Como o Ocidente cancelou a arte dos russos

*Por Omar Genovese

Como o Ocidente cancelou a arte dos russos
A soprano Anna Netrebko renunciou ao Met. Ela apoiou e apoia o presidente Putin (Crédito: Mike Coppola/Getty Images)

Como ferramenta de pressão política do Ocidente, várias organizações da arte, cinematográficas, artísticas e literárias e do mundo estão dando as costas aos russos, quer apoiem ou não Vladimir Putin.

Publicidade

É claro que a invasão russa da Ucrânia transcendeu o território da guerra. Além disso, há certos cancelamentos ou expulsões de artistas e instituições culturais russas em nível internacional. A Feira Internacional do Livro de Turim, a ser realizada de 19 a 23 de maio, informou que delegações oficiais, agências e instituições do governo russo não poderão participar do evento; também que “livros ou autores russos, debates ou aulas sobre cultura e literatura russas, dentro de um programa inspirado nos temas da paz, diálogo, amizade entre os povos” não são proibidos.

O Festival de Cinema de Glasgow removeu No Looking Back, de Kirill Sokolov, e The Execution, de Lado Kvataniya, por “financiamento estatal através do CF Cinema Fund, cujo conselho de curadores inclui os atuais ministros do governo russo e o Ministério da Cultura Russa.”

O Festival de Cinema de Cannes anunciou que negará a entrada de qualquer indivíduo ligado ao governo russo, a menos que a invasão cesse em condições que beneficiem o povo ucraniano. Eles não esclarecem se os filmes russos serão excluídos da seleção oficial, mas no comunicado destacam “a coragem de todos aqueles na Rússia que arriscaram protestar”, incluindo “artistas e profissionais do cinema”.

Peter Gelb, gerente do Metropolitan Opera de Nova York, anunciou que encerrou a associação com o Teatro Bolshoi de Moscou, junto com o qual estavam produzindo a ópera Lohengrin de Richard Wagner para 2023, que apresentarão de qualquer maneira. Ele também anunciou que o Met cortará laços com quaisquer artistas que apoiem Putin, levando à renúncia imediata da soprano russa Anna Netrebko, que deveria interpretar a personagem-título em Turandot em abril. Vai ser difícil para ele agir lá novamente, Netbrebko não só apoiou Putin em sua campanha política: também circularam rumores do palácio (o que é o Kremlin, afinal?) sobre um suposto caso com o diminuto líder, uma espécie à qual contribuiu com um beicinho da mídia esperando que tal relação se materializasse.

Publicidade

Mas agora a fúria do cantor deve ser terrível: a Ópera Estatal da Baviera e a Ópera de Zurique também cancelaram sua apresentação estelar. Para não ficar de fora, a Royal Opera House de Londres cancelou a turnê do Bolshoi Ballet. Enquanto maestro, amigo pessoal do atual mini “Koba” (apelido usado por Stalin), o maestro Valery Gergiev foi demitido da Filarmônica de Munique. O Carnegie Hall de Nova York cancelou apresentações marcadas para maio de Gergiev e da Orquestra Mariinsky, da qual ele é seu mentor.

No campo do consumo de massa, produtoras como Disney, Sony e Warner Brothers suspenderam o lançamento de seus filmes em toda a Rússia. A Live Nation, uma empresa global de eventos ao vivo e bilheteria, fecha todos os seus negócios lá, assim como o Spotify. Nessa linha, o grupo musical pop punk Green Day cancelou suas apresentações. A Bienal de Veneza eliminou o pavilhão russo, embora permita a presença de artistas independentes dessa origem. Esse boicote múltiplo e simultâneo também desencadeou uma crise no mercado de arte, questão que ultrapassa esse espaço e merece uma página à parte. Enquanto isso, a carta aberta de intelectuais e escritores argentinos contra a invasão russa da Ucrânia, condenando o uso de bombas de fragmentação em sua população civil, não aparece.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.