Exército conjunto

Coreia do Sul e EUA disparam oito mísseis balísticos em resposta à Coreia do Norte

A ação durou dez minutos e aconteceu um dia após Pyongyang ter lançado oito mísseis balísticos de curto alcance, neste domingo (5).

coreia-do-sul-e-eua-disparam-oito-misseis-balisticos-em-resposta-a-coreia-do-norte
Analistas e funcionários do alto escalão da Coreia do Sul e dos Estados Unidos acreditam que o país liderado por Kim Jong Un se prepara para executar um teste nuclear (Créditos: KCNA/Divulgação)

Em um exército conjunto, a Coreia do Sul e os Estados Unidos (EUA) dispararam nesta segunda-feira (6) oito mísseis balísticos. O exercício é uma resposta ao teste de armas da Coreia do Norte, que ocorreu neste domingo (5).

Publicidade

O Estado-Maior Conjunto sul-coreano afirmou que os aliados lançaram mísseis terra-terra do sistema ATACMS contra alvos no Mar do Leste, também conhecido como Mar do Japão, segundo o portal g1.

A ação durou dez minutos e aconteceu um dia após Pyongyang ter lançado oito mísseis balísticos de curto alcance, após exércitos conjuntos dos Estados Unidos e Coreia do Sul mobilizarem um porta-aviões.

“Nosso exército condena veementemente a série de mísseis balísticos provocadores e exige o fim dos atos que aumentam as tensões militares na península”, acrescentou o Estado-Maior.

O comando Indo-Pacífico dos Estados Unidos afirmou que foram lançados um míssil americano e sete sul-coreanos, a partir do nordeste da Coreia do Sul, durante o exercício, com o objetivo de demonstrar sua capacidade de “responder rapidamente a momentos de crise”. Apesar das sanções econômicas impostas sobre Pyongyang, o regime comunista norte-coreano intensificou o programa de desenvolvimento de armas em 2022.

Publicidade

Analistas e funcionários do alto escalão da Coreia do Sul e dos Estados Unidos acreditam que o país liderado por Kim Jong Un se prepara para executar um teste nuclear. Os disparos desta segunda-feira demonstram pela segunda vez a força conjunta entre Seul e Washington, desde que posse do novo presidente sul-coreano, Yoon Suk-yeol, que defende uma postura mais firme contra Pyongyang.