Líderes mundiais repudiam invasão da Rússia à Ucrânia

Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, convocou a população para defender o país e disse que “cidadãos podem utilizar armas para defender território”

Líderes mundiais repudiam invasão da Rússia à Ucrânia
Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, afirmou que “os Estados Unidos, seus aliados e parceiros vão responder de forma unida e decisiva” (Créditos: Christopher Furlong/Getty Images)

Líderes das principais potências do mundo estão comentando sobre a invasão da Rússia à Ucrânia. Após semanas de tensão, os russos atacaram os ucranianos nas primeiras horas da madrugada desta quinta-feira (24). Uma operação militar nas regiões separatistas do leste da Ucrânia, explosões e sirenes foram ouvidas em várias cidades do país.

Publicidade

As autoridades da Ucrânia já comentaram que existem dezenas de mortos e seis aviões russo abatidos. Longas filas se formaram nas principais avenidas de Kiev, na manhã desta quinta-feira com moradores tentando deixar o local. As estações de metrô se transformaram em bunkers. Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, convocou a população para defender o país e disse que “cidadãos podem utilizar armas para defender território”.

“Não temos oponentes políticos agora. Somos todos cidadãos de um país maravilhoso e defendemos nossa liberdade… Nós temos armas defensivas para defender nossa soberania… Qualquer pessoa, esteja pronta para defender seu Estado em praças ou cidades”

Antes do ataque em seu pronunciamento, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. Ele ainda disse que não vai aceitar interferência estrangeira.

União Europeia

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirmou que um próximo pacote de sanções da União Europeia atingirá severamente a economia da Rússia, aumentando a saída de capital, alavancando a inflação.

Publicidade

“Essas sanções vão suprimir o crescimento econômico da Rússia, aumentar os custos dos empréstimos, aumentar a inflação, intensificar a saída de capital e corroer gradualmente sua base industrial”, disse ela a repórteres em Bruxelas, acrescentando que a UE também pretende limitar o acesso da Rússia a tecnologia.

“Nossas medidas enfraquecerão a posição tecnológica da Rússia em áreas-chave das quais a elite ganha a maior parte de seu dinheiro – isso varia de componentes de alta tecnologia a software de ponta”, disse von der Leyen.

As forças russas invadiram a Ucrânia, um país livre e soberano. Condenamos este ataque bárbaro e os argumentos cínicos usados para justificá-lo. Mais tarde, apresentaremos um pacote de sanções maciças e direcionadas.

Publicidade

Otan vai aumentar tropas no leste da Ucrânia

A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) vai reforçar ainda mais tropas no flanco leste da aliança, disse Jens Stoltenberg secretário-geral na manhã desta quinta-feira. “Nos próximos dias e semanas, virão ainda mais (soldados). Estamos aumentando nossa presença na parte leste da aliança”, disse ele a repórteres em Bruxelas. A Otan também ativou seus planos de defesa para facilitar um movimento mais rápido de tropas, disse Stoltenberg.

“O Conselho do Atlântico Norte decidiu ativar nossos planos de defesa a pedido do nosso principal comandante militar, General Tod Wolters. Este é um passo prudente e defensivo para proteger e proteger as nações aliadas durante esta crise, e nos permitirá enviar capacidades e forças, incluindo a Força de Resposta da Otan, para onde forem necessárias”, declarou.

Publicidade

Biden promete resposta

Pouco tempo depois de Vladimir Putin anunciar uma “operação militar especial” na região de Donbas, no leste da Ucrânia, Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, afirmou que “os Estados Unidos, seus aliados e parceiros vão responder de forma unida e decisiva”.

Em uma declaração que foi divulgada pela Casa Branca na madrugada desta quinta-feira (24), Biden disse que a “Rússia sozinha é responsável pela morte e destruição que esse ataque trará”.

As orações do mundo inteiro estão com a Ucrânia nesta noite, que sofre um injustificável ataque por forças militares russas. O presidente Putin escolheu uma guerra premeditada que trará uma perda catastrófica de vidas e sofrimento humano”

Publicidade

“A Rússia sozinha é responsável pela morte e destruição que este ataque trará, e os Estados Unidos e seus aliados e parceiros responderão de forma unida e decisiva. O mundo responsabilizará a Rússia”

Boris Johnson planeja “pacote maciço” de nações

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, em seu pronunciamento afirmou que um “pacote maciço de sanções econômicas” deverá ser anunciado nesta quinta-feira pela Otan. “Nossos piores medos agora se tornaram realidade e todos os nossos alertas se mostraram tragicamente precisos”, disse Johnson. “Hoje, em consonância com nossos aliados, vamos acordar um pacote maciço de sanções econômicas projetado a tempo de esmagar a economia russa”.

Estou consternado com os terríveis acontecimentos na Ucrânia e falei com o Presidente Zelenskyy para discutir os próximos passos. O presidente Putin escolheu um caminho de derramamento de sangue e destruição ao lançar este ataque não provocado à Ucrânia. O Reino Unido e nossos aliados responderão de forma decisiva.

A França condena veementemente a decisão da Rússia de declarar guerra à Ucrânia. A Rússia deve encerrar suas operações militares imediatamente.

Jogadores brasileiros pedem ajuda para deixar Kiev

Jogadores brasileiros que atuam nos times Shakthtar Donetsk e Dinamo de Kiev, estão pedindo ajuda para conseguirem deixar a Ucrânia. Ao lado de esposas e filhos em um vídeo, um dos jogadores diz que eles deixaram suas casas e foram para um hotel, mas, com o espaço aéreo e as fronteira bloqueadas, não conseguem deixar o país. “A gente pede muito apoio ao governo do Brasil para que possa nos ajudar”, afirma.

Uma das esposas dos jogadores também faz apelo às autoridades brasileiras. “A gente está se sentindo um pouco abandonado, a gente não sabe o que fazer. As notícias não chegam até nós, a não ser as do Brasil”, diz a mulher.