Mariano Sigman, “A consciência é o terreno mais misterioso da neurociência”

O cérebro continua a apresentar desafios ao conhecimento científico. Doutor em Neurociência pela Rockefeller University explica quais processos mentais ocorrem na agressividade e polarização. A ciência e a arte como formas de responder à curiosidade e aos mistérios humanos

Mariano Sigman, A consciência é o terreno mais misterioso da neurociência
O cérebro articula uma enorme quantidade de coisas que fazemos, e nós não ouvimos sobre a maioria deles (Crédito: Canva Fotos)

Mariano Sigman, você disse: “Tenho trabalhado desde os anos 90 tentando entender o cérebro, e os resultados que tivemos são bem modestos. Ainda temos um grande mal-entendido sobre como a mente funciona”. Quais são as principais dúvidas do mundo científico sobre o cérebro?

Publicidade

Onde somos mais ignorantes é sobre a consciência. O cérebro articula uma enorme quantidade de coisas que fazemos. Nós não ouvimos sobre a maioria deles. Ele regula o funcionamento do corpo, gerencia a respiração, a pressão arterial, o funcionamento dos órgãos. Mas o cérebro também é algo mais surpreendente, filosoficamente complexo: a experiência subjetiva, a sensação de viver em um relato subjetivo de nossa própria existência. A consciência continua sendo o terreno mais misterioso da neurociência. Além disso, eu acho, de toda a ciência. Há outros exemplos de obstáculos que pareciam incompreensíveis para a ciência e foram resolvidos. Em algum momento, a localização da Terra no universo foi uma discussão de café. Hoje temos telescópios e outras tecnologias que nos permitem transformar essa questão que era filosófica em ciência. Outro exemplo, ainda mais emblemático, é a própria vida. Como a matéria eventualmente ganha vida e faz uma molécula suficientemente complexa capaz de se replicar, de se separar do universo, de ter uma espécie de objetivo.

Hoje entendemos bem esse problema, a ponto de que a vida poder ser sintetizada. É possível, a partir de moléculas que não compõem a vida, reuni-las, numa espécie de sopa que constitui uma entidade viva. Mas não somos capazes e estamos muito longe de entender como da matéria construir um substrato, talvez fora do nosso cérebro, capaz de emular a consciência. Continua sendo o grande mistério. Temos informações, mas ainda estamos em um estágio de grande incompreensão filosófica sobre o que é o substrato da consciência.

“A consciência é o terreno mais misterioso da neurociência.”

Publicidade

Você também escreveu: “A fisiologia do cérebro nos mostra que, para um cérebro aprender, ele precisa estar em um estado motivado e emocional. Um bebê aprende a andar com uma teimosia extraordinária. Você cai e se levanta por horas a fio todos os dias, porque caminhar é um processo muito complexo. Não são muitos os adultos que passam tanto tempo aprendendo algo com tanta insistência.” Por que os adultos são menos insistentes que os bebês?

Para começar, porque nos tornamos céticos em relação ao aprendizado. Temos a intuição de que os adultos perdem a capacidade de aprender. É falso. É uma espécie de profecia autorrealizável. Funciona muito no campo da psicologia. A mente tem um forte componente reflexivo que significa que quando você pensa que é incapaz de fazer algo, você não pode fazê-lo. A intuição da incapacidade de aprender como adultos nasce na amnésia da enorme motivação que tínhamos quando crianças para aprender coisas. A criança é uma espécie de profissional de aprendizagem.

Em geral, a trajetória é que alguém aprende até os 30 anos. Em seguida, ele faz uso do que foi adquirido para exercer sua profissão e relações de vida. Não se aprende apenas a ser carpinteiro, eletricista, físico ou economista. Também como são as pessoas, o que as deixa com raiva, o que lhe interessa no que se está dizendo. Você aprende a administrar suas próprias emoções, a não chorar, ou chorar quando quiser, a saber o que te faz rir e o que não faz, de quais livros você gosta. Essas coisas acontecem muito rapidamente na vida. Muitos materiais passam de plásticos a rígidos de acordo com um parâmetro. A lama é dura; mas se você molhá-lo, você pode moldá-lo. Ou no caso do vidro, o vidro, que é duro, rígido, não se pode mudar sua forma, mas se aquecê-lo e dar-lhe temperatura, torna-se maleável.

Publicidade

No cérebro, o equivalente ao calor do vidro ou da água na argila é uma molécula; dopamina. Ocorre quando estamos motivados. Quando há dopamina no cérebro, o cérebro é plástico. Você pode mudar e aprender. O que nos falta como adultos não é um cérebro de plástico; falta de motivação. E isso se deve a uma real e genuína falta de tempo. Ficamos convencidos de que não podemos aprender. Não há nada pior nesse sentido do que a autoconvicção. Experimentos mostram que se uma pessoa esquece essa crença e passa o mesmo tempo com ela como quando criança, ela aprende com a mesma facilidade. Não perdemos a capacidade, mas a crença na possibilidade.

“Nós nos tornamos mais céticos em relação ao aprendizado.”

Qual é a relação entre envelhecimento e perda de dopamina?

Publicidade

Não está perdido. A dopamina é uma molécula que é produzida no núcleo profundo do cérebro, a substância negra. Ocorre no cérebro quando estamos incertos, quando não sabemos o que vai acontecer. Essa vertigem gera muita dopamina. Normalmente, uma criança tem uma incerteza em todas as situações que enfrenta. Como um adulto, você sabe mais ou menos como as coisas são. Com a aprendizagem a incerteza é reduzida. Assim, menos dopamina é produzida. De tempos em tempos, isso varia. Foi o que aconteceu com a crise dos últimos dois anos. Estamos entrando em uma situação de enorme incerteza. Adultos acostumados às certezas, sem saber o que vai acontecer em questões tão fundamentais da vida, nos abrimos à incerteza.

Com isso todos nos tornamos um pouco crianças. Alguns começaram a cozinhar, a aprender uma língua, a se conectar com os seus, ou mudaram a forma de educar a si e aos filhos. Foi um momento de mudança. Os modelos do mundo mudaram e isso fez com que a gente tivesse que sair para aprender compulsivamente novamente.

A noção de bem e mal está incluída nesse “sistema operacional”? A moral é inerente ao cérebro?

Publicidade

Há outro experimento famoso feito por dois pesquisadores. É também com bebês de alguns meses que ainda não têm linguagem. Eles nunca falaram sobre certo e errado. Os bebês observam a seguinte situação. Uma bola é vista se movendo para cima. Ele oscila, e nessa oscilação ele se move para cima cada vez em uma espécie de plano inclinado. O que se interpreta automaticamente ao ver aquela imagem é que a bola “tenta” subir. Em algum momento da história um triângulo vem e acerta a bola empurrando-a para baixo. O que se interpreta é que ele está atrapalhando a bola. Depois, há um quadrado que, de cabeça para baixo, colide com a bola, empurrando-a para cima. A partir dessa história de colisão, qualquer adulto inevitavelmente interpreta que a bola “quer” subir, que o triângulo “tenta” evitar esse gol e que o quadrado “quer” ajudá-lo. Ou seja, o quadrado parece o mocinho do filme e o triângulo o bandido. Sentimos isso de forma muito vívida, embora seja claro que nenhuma dessas figuras tem intenções reais. O que um bebê percebe, muito antes de começar a usar a palavra? Quando ambos os objetos são apresentados na mesa, eles escolhem “o bom”, ao quadrado. A moral é muito complexa. Mas os bebês, muito antes de conhecerem as palavras “ruim”, “tentar”, “desejo” já mostram preferências implícitas. Não é que já tenham desenvolvido um sistema moral, assim como a diferença entre três e quatro não é o sistema matemático. São precursores, um repertório de funções básicas sobre as quais se constroem sistemas mais complexos que requerem linguagem: ligam emoções e reflexões muito profundas, sobre as quais construímos a moral.

“Os adultos precisam de motivação para continuar aprendendo.”

O que a neurociência da agressividade nos ensina? Há uma naturalidade catártica expressa há alguns anos na violência e hoje no crack?

Polarização e agressividade são coisas diferentes. Embora tenham algum substrato comum. A polarização pode ser tal sem se tornar agressão. A polarização não é nova. Há um livro do século 19 chamado Extraordinary Folk Delusions and the Madness of the Masses, de Charles Mackay, que já dá exemplos de rachaduras, polarizações e como as multidões tendem a convergir para delírios como caça às bruxas, guerras ou bolhas financeiras. São fenômenos de enorme confusão em que uma ideia é plantada, “pega fogo”, e é apropriada por muitos adeptos, que se convencem cada vez mais de uma ideia que pode não ter qualquer aderência à realidade. Vimos bolhas financeiras repetidas nos últimos 150 anos. São momentos em que um grupo de pessoas está convencido de algo que parece não ter aderência, e essa convicção faz com que essas pessoas ajam de acordo com o que pensam e continuem investindo e investindo em algo que realmente não tem mais valor do que essa crença, e isso é inflacionário, até que em algum momento colide abruptamente com a realidade e explode.

Hoje sabemos muito sobre como funcionam esses mecanismos de pensamento irracional. Invariavelmente, cada lado da fenda pensa que o outro não está raciocinando corretamente. Quando você estuda como essas crenças funcionam, você descobre que em ambos os lados da fenda as pessoas raciocinam, mas com evidências muito diferentes. Cada um busca argumentos que deem sustentação à realidade que se constrói. A polarização funciona porque cada um constrói a realidade em premissas diferentes. Às vezes alguns argumentos correspondem à realidade e outros são desconexos. Na balança nem sempre há uma situação de igualdade, correspondência ou preensão com a realidade. Isso explica a psicologia da polarização. Daniel Kahneman, psicólogo experimental em economia vencedor do Prêmio Nobel, formulou regras básicas sobre como funciona o comportamento humano. Uma das grandes heurísticas é que, quando formamos uma ideia, procuramos evidências consistentes com ela. Essa maneira de buscar evidências nos faz acreditar cada vez mais em uma ideia. Nos cercamos de pessoas que dizem o que queremos ouvir. Não importa onde estamos no crack. Você vive ouvindo argumentos que o convencem de premissas lógicas, não formuladas como pensamento maluco. É a raiz básica da psicologia da polarização.

“Invariavelmente, cada lado da fenda pensa que o outro não está raciocinando corretamente.”

Kahneman poderia ter um precedente em “In Praise of Madness” de Erasmus: a influência do pensamento positivo. Eu estava me referindo a um aspecto mais tanático. Permitam-me, em uma “acordatio termini”, chamar a patologia do dissenso de rachadura. Quero dizer que “eu odeio o outro”. Existe algo nesta época que produz mais ódio na política que poderia encontrar uma explicação neurocientífica?

Eu gostaria de pensar sobre isso mais em termos de psicologia experimental. Há também um assunto de jargões e modas. Compreender isso não corresponde ao funcionamento dos neurônios no córtex pré-frontal. É mais importante encontrar algumas premissas sobre como o pensamento humano funciona. É apropriado falar de psicologia ao invés de neurociências, embora este seja um conceito que tem um bom marketing. Uma característica idiossincrática e automática do nosso pensamento é a criação de modelos, ou teorias, sobre as coisas. Às vezes nem os percebemos como tal. Por exemplo, quando se diz “este é um bom governo” ou “este é um bom professor” está-se resumindo um conjunto de dados, observações, de premissas sobre o que é fazer algo bem e resumindo tudo isso em uma frase. É preciso algum esforço para chegar a essa conclusão. Pode parecer inócuo, mas o cérebro trabalhou para chegar a uma conclusão. Uma vez expresso, torna-se reflexivo. Estamos procurando evidências que o favoreçam. E também rejeitamos evidências contrárias ao que pensamos. É uma reflexão, mas é um automatismo que podemos e devemos superar. Percebemo-lo como algo que põe em causa algo que nos custou. É como se estivessem demolindo nosso hospício. Eles nos dizem que estávamos errados no que pensávamos. Pode-se reagir a isso com prazer e dizer: “Que interessante!” Uma perspectiva aberta, mas atípica. Não é o padrão psicológico. Da mesma forma que defendemos nossas coisas, também defendemos nossas ideias. É uma espécie de reflexo emocional. É algo que não foi muito pensado.

Uma mudança de perspectiva implica colocar-se em um modo no qual não estou tentando confrontar, mas entender. É o que os grandes conversadores, dos socráticos a Michelle de Montaigne, sempre colocaram como condição necessária para incubar ideias. Em experimentos que fizemos com Joaquín Navajas e Dan Ariely, mostramos que quando as pessoas discutem nessa situação, as conversas são tremendamente eficazes. Melhorar a compreensão das coisas. É a maneira de resolver as coisas. Fizemos experimentos com Joaquín Navajas, com Dan Ariely, psicólogo da Duke University, e com outro grupo de pessoas sobre isso. Quando as ideias são apresentadas de uma perspectiva aberta, muitas vezes encontramos falácias e buracos em nosso próprio pensamento. Não apenas por causa do que os outros dizem, mas por ouvirem a si mesmos. Isso acontece em todos os consórcios humanos, governos, reuniões de bairro, famílias, casais. Em estudos que têm sido feitos quando os casais falam sobre situações estressantes, percebe-se que aqueles que tendem mais facilmente a se colocar em uma perspectiva aberta, que muitas vezes tem a ver com poder rir, são mais duráveis ​​e tendem a ter um melhor convivência. Mostramos isso também em um experimento em que conseguimos que as pessoas falassem sobre questões muito espinhosas de ideologia e moral, coisas que são chocantes e onde as pessoas são muito polarizadas. Quando as pessoas falam abertamente, é muito mais provável que concordem, encontrem um meio-termo, em vez de exaltar ainda mais suas diferenças.

O prejuízo diria que é impossível avançar em um acordo. Mas os resultados dizem que 20% ou 25% das vezes eles conseguem chegar a um acordo. Eran Halperin fez esses mesmos estudos em uma fronteira muito tensa, como a de Israel e Palestina. O trabalho inicial consistiu em expressar a cada grupo que o outro estava mais predisposto a mudar do que eles imaginavam. Em seguida, foram gerados grupos de discussão, em meio aos dias mais tensos da fronteira israelo-palestina. E o resultado novamente foi que dessas reuniões, se elas pudessem ser geradas em uma estrutura aberta e razoável, surgiram padrões de cooperação, trabalhos comuns e, em geral, uma série de abordagens que vão contra toda a intuição anterior às conversas. Assim como nos tornamos infundadamente céticos em relação à aprendizagem de adultos, também nos tornamos céticos quanto à capacidade das conversas para resolver conflitos. E isso porque a conversa hoje acontece principalmente fora de seu habitat natural. Boas conversas não acontecem no Twitter, no Facebook ou nas redes sociais. São duzentos milhões de pessoas falando ao mesmo tempo e isso leva ao delírio das multidões. Boas conversas acontecem entre poucas pessoas nas quais todos têm a oportunidade de se expressar. Num simpósio, uma mesa pós-jantar, onde está presente a velha ideia grega de falar sobre um assunto sem pressa, respeitando a premissa mais de aprender do que de convencer. Assim, a palavra retoma sua força extraordinária para unir e suavizar as coisas, não para aprofundar as divergências.

“Da mesma forma que defendemos nossas coisas, também defendemos nossas ideias.”

Em seu livro “A Vida Secreta da Mente” você diz que “as leituras dos livros de Freud, sublinhadas e anotadas à mão por meu pai enquanto ele estudava, foram para mim um grande marco nesse projeto”. Rudolf Carnap argumentou que cada disciplina criava sua própria linguagem, intraduzível para as outras. Como você preenche a lacuna entre a psicologia, a neurociência, a física ou a psicologia experimental de seu pai?

Como na pergunta anterior, a chave é partir de uma predisposição. E para fazer um exercício de tradução. Estou interessado em entender aspectos da condição humana e, em última análise, estou interessado, como todo mundo, em entender coisas sobre mim que me afligem. Por que às vezes fico com raiva ou com ciúmes quando não gostaria? Por que é difícil para mim aprender algumas coisas ou lembrar de outras. Transformei esse impulso, que acredito ser típico de qualquer pessoa, em profissão. Por isso fiz coisas muito diferentes que me ligam às artes, à medicina, à educação. Não me sinto um cientista típico. Não estou tão interessado na profissão da ciência em si, mas em dar respostas a essas perguntas. Muitas pessoas tentaram entender essas perguntas. Por exemplo, a ficção, que é um laboratório fabuloso da condição humana: como reagiríamos a uma invasão alienígena, como pensar sobre o ciúme. Shakespeare é, de certa forma, um teórico da psicologia. Em vez de trazer assuntos para o laboratório, ele usa sua introspecção para emular cenários instrutivos para todos. Um gráfico sobre os pecados capitais também é uma forma de pensar a psicologia. Quem faz um filme, imagina as emoções do espectador. Sempre tive essa visão agnóstica e aberta do conhecimento, genuinamente humilde. Eu sou um cientista, eu amo a ciência. É um método extraordinário de conhecimento. Permitiu-nos viver mais, viajar para a Lua, ter telefones, comunicar de um continente a outro. Nada disso seria possível sem a ciência, mas é claro que não é a única forma de construir conhecimento. É por isso que tento encontrar respostas para essas perguntas também em outras disciplinas.

Há um neurocientista na Argentina, Facundo Manes, que teve enorme sucesso eleitoral. Ele apela aos seus dispositivos de conhecimento para aplicá-los à política. Mencionamos anteriormente o caso de Kahneman, um especialista que ganhou o Prêmio Nobel de Economia. O conhecimento de como a mente funciona pode ser útil para um político?

Acho que pode ser útil. Eu também acho que você tem que temperar. A neurociência é uma forma de entender o comportamento humano. E isso tem valor para a política. Mas cada problema pode ser visto em escalas diferentes e você tem que entender em cada caso qual é o correto. Na menor escala está a física. Alguém poderia dizer “para fazer política eu tento entender como funciona cada átomo”, e isso seria uma loucura. Da mesma forma, a neurociência não é a escala ideal para entender a política. A política é macroscópica. Está mais próximo da sociologia. É bom que se baseie em parte da psicologia experimental e da neurociência, mas entendendo os aspectos complementares. Eu não acho que alguém tenha que se basear na política fazendo neurociência. É preciso construir política fazendo política.

“Conversar permite que você encontre perspectivas mais abertas.”

O funcionalismo perdeu as eleições em todas as partes do mundo em que teve que realizar sua renovação de credenciais durante a pandemia. Que consequências o confinamento e o medo da pandemia deixam no humor? É uma pegada que vai durar?

Tem efeitos. É muito medido. A propensão para doenças de saúde mental foi gerada. Houve um enorme sofrimento, uma crise gigantesca e uma mudança nos padrões. Encerramento, mudança na forma de trabalhar e se relacionar. Houve até uma mudança no nosso ritmo circadiano. A rotina de muita gente era desorganizada. Além disso, há um nível de estresse desenfreado e sem precedentes. Todas essas coisas deixam cicatrizes. O estresse não desaparece do corpo assim que a sensação é aliviada. Deixa cicatrizes na forma de danos celulares e toxicidade, de doença mental. A pandemia, além de sua crise, terá um custo gigantesco. Será diferente para cada geração. Será muito diferente para pessoas mais velhas, adolescentes, jovens ou pessoas com crianças pequenas. Cada um terá suas idiossincrasias. Somente com o tempo entenderemos a magnitude e a inércia do custo dessa pandemia. Os governos e a política em geral, como todos os outros setores, também pagaram por isso. Confunde-se a mensagem com o mensageiro, como diz o ditado. Exceto em situações muito particulares, quando algo não funciona, busca-se explicações e relações causais nas falhas humanas. Há uma tendência de culpar os que estão ao redor, aqueles que administram. Eles são certamente responsáveis ​​por algumas coisas. Mas de outros não. É muito difícil para nós pensar que há coisas pelas quais não somos responsáveis. Os oficialismos, independentemente da cor que sejam em diferentes países do mundo, costumam ser vistos como aqueles que levaram o navio para o meio da tempestade.

Você fez um álbum chamado “Experimento”, e em sua lógica de significação Gilles Deleuze diz: “Esse jogo que está só no pensamento e que não tem outro resultado que a obra de arte, é também o que faz o pensamento e a arte serem reais e perturbar a realidade, a moralidade e a economia do mundo”. Por que a escolha pela arte?

Aventurei-me nas artes plásticas e na música. A música era um pouco particular. Como músico, ele foi, para simplificar, um desastre. Eu sou um daqueles que ninguém queria que eu cantasse e a música se tornou uma espécie de estigma para mim. A meu favor eu tinha o conhecimento científico que, como o resto das coisas, pode ser aprendido e melhorado, e decidi fazer isso.

O álbum se chama Experimento não por ser uma música experimental, o que não é, mas porque foi um experimento em primeira pessoa. Um exercício de transformação. A música tem uma ligação muito mais direta com as emoções do que as palavras. Para mim, a música tinha aquele lugar, aquele lugar de se conectar com pessoas muito queridas. Era como falar a língua deles. Achei que não queria deixar essa aventura que é a vida sem falar a linguagem da música. E eu propus isso com um esforço bestial. Eu cantava quatro horas por dia e fui de cantar mal para mal. Acabou sendo uma experiência de aprendizado como quase nenhuma outra na minha vida. Foi um experimento comigo mesmo. Achei que seriam seis meses e no final foram dois anos e meio.

Conectava-me com coisas que com o exercício da ciência ou com a palavra sozinha eu não poderia ter.

Maurice Merleau-Ponty escreveu: “Enquanto a ciência e a filosofia das ciências abriam assim as portas e uma exploração do mundo percebido, a pintura, a poesia e a filosofia entraram resolutamente no domínio que ela lhes dá e que lhes foi reconhecido, e dão coisas no espaço, animais e até o homem visto de fora, como aparece no campo da nossa percepção, uma visão nova e muito característica do nosso tempo”. A música e a arte lhe deram a possibilidade de ver o que é outra forma de conhecer?

Para mim, música, ciência e arte fazem parte do mesmo projeto e da mesma experiência. As fronteiras do conhecimento e da exploração são, de fato, muito indistintas. Quando comecei a fazer música, muitos dos meus amigos ficaram surpresos, como se eu tivesse me mudado para o lugar mais inesperado do mundo. Foi curioso para mim. Se um físico se muda para o mercado financeiro, um lugar onde muitos físicos costumam desembarcar, ninguém acha isso impressionante. Mas a música, por outro lado, parece um mundo mais distante. Para mim não é. O lugar onde a arte e a ciência estão inextricavelmente ligadas, em geral todo conhecimento, é na infância, na infância. Uma garota que está tentando descobrir o mundo para conseguir isso faz experimentos. Levantar e abaixar interruptores é um experimento para tentar descobrir relações causais. Ele também pinta uma parede e, quando o faz, está criando arte, mas também está fazendo experimentos em psicologia social. O que seus pais vão dizer quando virem isso pintado, o quanto eu os provoco, o quanto eu não provoco? E o mesmo sobre luz e sombras e cores. Na infância, arte e ciência se misturam nessa veia compulsiva de descobrir, de transcender limites e encontrar formas e regularidades.

Sinto que a conexão com a arte é uma forma de persistir ou insistir na profissão da infância, na profissão a ser descoberta agnosticamente sem essas barreiras categóricas. Não é isso se você gosta de matemática ou linguagem, ciências ou esportes. Parto de uma visão de que em algum lugar é mais antigo. Na realidade, o que une tudo isso é a busca e o amor pelo conhecimento.

“O cérebro de um bebê tem a capacidade de distinguir conceitos abstratos”

Em seu livro “A Vida Secreta da Mente”, você escreveu: “O cérebro já está preparado para a linguagem muito antes de começarmos a falar e formamos noções do que é bom, do que é justo, sobre cooperação e competição que mais tarde cobram seu preço. na nossa forma de nos relacionarmos. Essas intuições de pensamento deixam vestígios duradouros em nosso modo de raciocinar e decidir”. O imperativo categórico kantiano é, por definição, pré-linguístico. Você está em um relacionamento?

Sim. Esta foi talvez uma das maiores mudanças no pensamento humano. Por muito tempo, a ideia de como funciona o desenvolvimento das habilidades mentais veio de uma escola muito intuitiva: o empirismo inglês. John Locke e seus colegas acreditavam que o cérebro é uma lousa limpa. Você vem ao mundo sem nenhum aprendizado, e com a experiência você incorpora conhecimento. Começou com reflexões simples: se toco em algo quente, afasto a mão. Com o conhecimento aumenta a capacidade de criar, a partir dessas reflexões, conceitos e ideias abstratas: a matemática, a filosofia, a noção de tempo e de si mesmo, a teoria da mente. Nas últimas décadas foi demonstrado que essa intuição está completamente equivocada. O cérebro não é uma lousa limpa. Para usar uma metáfora, já nascemos com um “sistema operacional”. Ao nascer, o cérebro já tem algumas funções cognitivas bastante sofisticadas. Noam Chomsky se perguntou como uma criança de dois anos pode aprender algo tão sofisticado quanto a linguagem. Não apenas as palavras, mas as regras gramaticais, conjugações, sintaxe. Como você pode aprender algo tão complexo, tão sofisticado e ao mesmo tempo ser incapaz de aprender coisas muito mais elementares? A ideia de Chomsky é que realmente aprendemos isso porque o cérebro está quase pronto para aprender a linguagem. Claro que não sabemos que língua vamos aprender. O cérebro de um recém-nascido na Finlândia, Japão ou Itália não expressa nada específico para essas línguas. Não é que eles venham atribuídos ao seu idioma. Mas temos um cérebro capaz de identificar as regras gramaticais e sintáticas que compõem uma linguagem. Após essa ideia, muitas investigações científicas demonstraram um grande número de funções abstratas que já estão codificadas no cérebro de um recém-nascido. Eles formam esse “sistema operacional” do cérebro. Esses estudos são construídos seguindo o olhar dos bebês, que geralmente é direcionado para essas coisas diferentes. Assim, você pode interrogar um bebê dessa maneira, entre aspas: “Isso é novo para você?”, Com base no que eles veem e no que não veem. Eles mostraram um menino recém-nascido, horas de nascimento, imagens que repetiam três objetos. Tudo era diferente. Três patos, três laranjas, três maçãs, três chapéus. Eles estavam ficando cada vez maiores e de cores diferentes. A única coisa comum a todas aquelas imagens era um conceito abstrato: a noção de três, uma entidade matemática: números. E de repente, dessa lista de três, três, três, três, apareceu uma imagem que tinha quatro bananas ou quatro cenouras. Quando isso acontecia, o bebê olhava para ele e dizia algo muito diferente para nós. Ele entendeu que algo substancial havia mudado. Isso mostra que o cérebro de um bebê tem a capacidade de distinguir conceitos abstratos, como números.

*Produção – Pablo Helman e Natalia Gelfman.

*Por Jorge Fontevecchia – Cofundador da Editorial Perfil – CEO da Perfil Network.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.