Michael Sandel “Na base do populismo muitos trabalhadores pensam que as elites os desprezam”

*Por Jorge Fontevecchia – Cofundador da Editorial Perfil – CEO da Perfil Network

Michael Sandel Na base do populismo muitos trabalhadores pensam que as elites os desprezam
Filósofo político Michael Sandel (Crédito: Ethan Miller/Getty Images)

Michael Sandel é o filósofo político mais relevante e ouvido hoje. Tanto que recebeu o Prêmio Príncipe das Astúrias de Ciências Sociais 2018. A repercussão de suas palavras é tal que os números de suas palestras e conferências se aproximam dos grandes shows de rock. Professor de Harvard, ele ministra o curso mais popular da universidade. Ele fala sobre doenças sociais, tão perigosas quanto a Covid.

Publicidade

O prólogo de seu livro “A Tirania do Mérito” começa dizendo: “Quando a pandemia de coronavírus eclodiu em 2020, os Estados Unidos, como muitos outros países, não estavam preparados”. Por que um livro sobre meritocracia começa aludindo à crise do coronavírus?

A conexão entre a pandemia de coronavírus e a tirania do mérito tem a ver com o que mantém nossas sociedades unidas. Não estávamos moralmente preparados para a pandemia. É que durante décadas a divisão entre vencedores e perdedores em nossa sociedade se ampliou, envenenando nossa política, nos separando. Isso se deve em parte à crescente desigualdade das últimas décadas. Não é só isso. Também tem a ver com a mudança de atitude em relação ao sucesso que acompanhou o aumento da desigualdade. Aqueles que chegaram ao topo acreditavam que seu sucesso era obra deles. O resultado de seu mérito, e aqueles que ficaram para trás os únicos culpados foram eles mesmos. Por que essa polarização da desigualdade nos deixou despreparados para a pandemia. Deveríamos cooperar dentro das sociedades e globalmente para derrotar a pandemia. Mas descobrimos que a pandemia expôs desigualdades pré-existentes. Não era verdade, como ouvimos no início, que estávamos todos juntos nisso. À medida que se desenvolvia, percebemos que a divisão de nossas sociedades se fazia sentir na economia; também na forma de enfrentar a pandemia e combater o vírus.

Dada a situação contrafactual de um Estados Unidos governado, por exemplo, por John Rawls, como a crise sanitária teria sido enfrentada e superada?

Suponho que se os Estados Unidos tivessem uma sociedade mais igualitária. onde a divisão entre ricos e pobres era menor e havia uma rede de proteção social mais adequada. Se tivéssemos tal sociedade, haveria menos polarização. Um maior senso de obrigação mútua teria sido percebido. O cenário seria de menos desconfiança e suspeita. O resultado seria menos tensão política e desacordo sobre se as pessoas deveriam usar máscaras e proteger outras pessoas. Talvez também nos víssemos vendo uma maior disposição para que todos se vacinassem quando surgisse a oportunidade. Mas passamos por um período de crescente desigualdade. Eu discuto em meu livro sobre os efeitos da versão liberal da globalização, que foi adotada por ambos os partidos políticos por cerca de quatro décadas. O resultado é que as divisões sociais se aprofundaram, nossa sociedade se polarizou. Quando a pandemia chegou, as pessoas politizaram tudo, inclusive o uso de máscaras e vacinas. Uma sociedade mais igualitária teria aliviado até certo ponto essas tensões e fontes de polarização.

Publicidade

“Todas as ideologias políticas são baseadas em uma combinação de razão e emoção.”

Modelos como a democracia ateniense, o espírito ético e humanista anti-religioso maquiavélico, o Iluminismo do século XVIII podem ser reproduzidos no século XXI?

Ideias antigas, como as que remontam aos gregos, ou ainda mais recentes do Iluminismo, que remontam ao século XVIII, ainda estão presentes como possibilidades. Eles moldam nossos debates públicos. Mas não podemos reproduzir as condições que deram origem ao nascimento da polis de Aristóteles: uma comunidade política estreitamente unida na qual os cidadãos deliberavam uns com os outros como iguais. Tampouco é possível reproduzir o cenário do Iluminismo no século XVIII, no sentido de uma universalidade humana. Isso não quer dizer que os ideais filosóficos do passado não possam moldar o presente. Se eu não acreditasse não estaria aqui, não teria passado uma carreira ensinando Filosofia Política, pedindo aos meus alunos que lessem Aristóteles, Immanuel Kant e John Stuart Mills. Essas tradições de pensamento, essas formas de pensar a justiça estão presentes em várias tensões e momentos de nossa vida pública. Estar mais consciente dos recursos morais e cívicos de nossas tradições pode nos ajudar a entender e imaginar a política e a vida pública hoje. Essa é a minha tarefa. No meu livro Justice: “Do We Do What We Should?” Tento mostrar como as ideias utilitárias, as ideias kantianas e as velhas ideias aristotélicas continuam a informar nosso debate político. Meu argumento é que os excessos do individualismo, que alguns remetem a certas versões do Iluminismo, e os excessos de fé no mercado nos levaram a perder contato com a tradição mais antiga de virtude cívica, a comunidade política, deliberando juntos. como cidadãos. Meu trabalho recente tenta redescobrir a política do bem comum como forma de curar a polarização.

Publicidade

Pode-se fazer alguma conexão entre as ideias do Iluminismo e as de Immanuel Kant com o pensamento conservador e liberal? Na América do Sul usamos “liberal” em um sentido diferente: como conservador ou liberal no sentido econômico.

É importante ser claro sobre o que queremos dizer com liberalismo. Na política dos EUA, como você sabe, o liberalismo se refere aos de centro-esquerda, enquanto na Argentina e na Europa o termo “liberal” se refere ao que normalmente chamaríamos de “neoliberal” em termos econômicos. Que a partir do livre mercado são decididas as questões básicas da política. Se a questão é se Immanuel Kant apoia a filosofia econômica liberal do laissez faire, a resposta é sim e não. Sim, porque ele rejeitou a ideia utilitarista de que devemos simplesmente maximizar a felicidade coletiva sem levar em conta os direitos individuais. Mas a política econômica liberal, ou neoliberalismo, é diferente. Diz que se valorizarmos a eficiência econômica e os mecanismos de mercado acima de tudo, alcançaremos o bem público, teremos uma economia mais bem-sucedida, um PIB mais alto e estaremos respeitando a liberdade individual. É uma ideia mais próxima à de Friedrich Hayek, que vinculou explicitamente a ideia de mecanismos de livre mercado com respeito à liberdade individual. Do ponto de vista de Kant, essa concepção de liberdade é falha: ser livre não é ser livre no sentido econômico, ser livre para exercer minhas preferências de consumo. Para Kant, liberdade significa autonomia, de acordo com uma lei que dou a mim mesmo. Se pensarmos em liberdade de consumo, diria Kant, não estamos realmente agindo livremente, no sentido de autonomia. Estamos simplesmente obedecendo aos ditames de nossas preferências, nossas fomes, apetites, desejos. A liberdade kantiana é algo superior a isso.

“Não estávamos moralmente preparados para passar por uma pandemia.”

Publicidade

Você escreveu: “Estes são tempos perigosos para a democracia. Essa ameaça pode ser vista no crescimento da xenofobia e do apoio popular a figuras autocráticas que testam os limites das normas democráticas.” Por que os partidos políticos não levam em conta as expectativas das pessoas?

A razão é que eles abraçaram uma versão da globalização neoliberal por quatro décadas na esperança e expectativa de que isso tornaria o mundo inteiro melhor. É o tema de A Tirania do Mérito. Mas não funcionou. Os que estão no topo tiveram enormes ganhos nas últimas quatro décadas, mas a maioria dos trabalhadores, os 60% mais pobres da população, não viu nenhum crescimento econômico. Eles enfrentaram salários estagnados, perderam seus empregos devido à terceirização de empregos para países de baixos salários e desigualdade. A resposta dos partidos tradicionais foi: “Não se preocupe tanto com o aumento das desigualdades e estagnação salarial. Tente melhorar, competir e vencer na economia global indo para a faculdade. Vá fazer uma faculdade. O que você ganha vai depender do que você aprende.” Foi-nos dito que você pode fazer isso se você tentar. É o que chamo de retórica dos subornos em A Tirania do Mérito. É uma resposta à desigualdade que diz: “O problema não está na estrutura da economia. O problema é com você. Se você está com problemas, você não tem o título e as credenciais que lhe permitirão prosperar.”

O problema é que essa promessa de ascensão individual por meio do ensino superior ajudou alguns a subir, mas não foi uma resposta adequada à desigualdade. E continha um insulto implícito: você é o culpado por seu próprio fracasso. Eu estava envolvido. O problema é que a mobilidade individual ascendente é muito difícil em nossa sociedade. Poucas pessoas são realmente promovidas, tendo ou não frequentado a faculdade. Você sabe quantas gerações são necessárias para que alguém de uma família pobre se levante, supere obstáculos e até alcance o status de classe média? Na Dinamarca são necessárias duas gerações, as possibilidades de mobilidade são bastante rápidas. Nos Estados Unidos e na Argentina, leva de cinco a seis gerações para que uma família que começou pobre chegue ao status de classe média. A mobilidade não é uma resposta adequada à desigualdade. Não só isso, esquecemos, aqueles de nós com credenciais, que a maioria não tem um diploma universitário de quatro anos nos Estados Unidos. Quase dois terços da população não têm esse grau de bacharel. Pensar que a solução estava na universidade era loucura. É por isso que sugiro uma mudança em nosso discurso público: vamos parar de focar em armar as pessoas para a competição meritocrática e focar mais em renovar a dignidade do trabalho e melhorar a vida de todos que contribuem para o bem comum.

Publicidade

Aristóteles disse: “Nós não temos o mérito de ter mérito.” Somos devedores de algo antes do mérito?

É uma pergunta essencial. Alimentar a ideia de que somos devedores dos talentos e das circunstâncias que nos permitem prosperar. A arrogância que a meritocracia fomenta entre os bem-sucedidos. Quando os bem-sucedidos acreditam que seu sucesso é obra sua, produto de seu próprio mérito, esquecem a incidência da boa fortuna. Esquecem também sua dívida com aqueles que tornam nossas conquistas possíveis: os pais, os professores, a comunidade, o país, o tempo. Uma fonte do que chamo no livro de arrogância meritocrática das elites é essa tendência de acreditar que fizemos isso por nós mesmos, pensando que somos autossuficientes como agentes morais e seres humanos. É a crença de que somos totalmente responsáveis ​​por nossa sorte na vida ou nosso destino. Os bem-sucedidos pensam que tudo é conquistado por eles mesmos e, portanto, merecem tudo o que o mercado lhes dá. Isso os faz desprezar os outros. É uma das bases da reação populista contra as elites: o sentimento de muitos trabalhadores de que as elites os desprezam, é algo que Donald Trump soube explorar. É algo que eu tento lutar.

Você disse: “A dura realidade é que Donald Trump foi eleito porque foi capaz de explorar uma rica fonte de ansiedades, frustrações e queixas legítimas às quais os partidos tradicionais não conseguiram fornecer uma resposta convincente”. Em um relatório desta mesma série, o cientista político espanhol Josep Colomer destacou o papel da raiva e das emoções na política. A emoção é um problema para o estabelecimento de uma sociedade justa e racional? Como Ronald Reagan e Donald Trump são parecidos e como eles são diferentes?

Todas as ideologias políticas são baseadas em uma combinação de razão e emoção. Seria um erro dividir os argumentos políticos em racionais e irracionais. Todas as teorias da justiça e do bem comum, e da obrigação política, são baseadas em alguma combinação de razão, reflexão e emoção. Vamos pensar em nacionalismo, patriotismo, pertencimento. Ou no lado negro, na raiva e no ressentimento, e no sentimento de humilhação que anima a reação que levou muitos trabalhadores da Grã-Bretanha a votar pelo Brexit, ou o exemplo de Trump. Desconfie de políticos que afirmam representar a racionalidade e que seus oponentes representam mera emoção. Também é verdade que raiva, ressentimento e transgressão são emoções morais e políticas, totalmente separadas de questões legítimas de justiça. Por isso digo que Donald Trump soube explorar esse sentimento de desprezo entre muitos trabalhadores. Mas é melhor tentar perguntar: como surgiram esses ressentimentos? São puros preconceitos baseados no racismo e na xenofobia, ou são os ressentimentos dos trabalhadores que levaram à eleição de Donald Trump, em parte, reflexo das injustiças e fontes de injustiça e falta de respeito e estima social que resultaram da forma como elites meritocráticas estavam governando? Acho que é o segundo. As elites dominantes das últimas décadas não conseguiram entender que promoviam fontes legítimas de ressentimento e queixa. Suas políticas produziram grandes desigualdades, reforçando entre os vencedores o sentimento de que seu sucesso refletia seu mérito. Assim, os trabalhadores sentiam-se abandonados, menosprezados, que sua tarefa não era respeitada adequadamente. Você pode dizer que é uma emoção. Mas é um ressentimento enraizado em condições reais.

“Redescobrir o bem comum é uma cura para a polarização que nos aflige.”

E quanto às semelhanças e diferenças entre Ronald Reagan e Donald Trump? Também gostaria de lhe perguntar sobre possíveis analogias entre Franklin Delano Roosevelt e Joe Biden.

Entre os dois republicanos, ambos apelaram aos eleitores operários que tradicionalmente votavam no Partido Democrata, nos dias de Franklin Roosevelt, quando esse partido defendia os trabalhadores contra os ricos, poderosos e privilegiados. Assim, tanto Reagan quanto Trump aproveitaram o fato de que o Partido Democrata, nas últimas décadas, abandonou os trabalhadores e se tornou mais o partido das elites profissionais e bem educadas. Foi assim que eles ganharam o voto dos trabalhadores. A diferença mais clara entre Franklin Delano Roosevelt e Joe Biden é que o primeiro foi eleito nas profundezas da Grande Depressão e tinha um mandato para promulgar reformas legislativas dramáticas: fortalecer a negociação coletiva, dar mais voz aos trabalhadores, promulgar leis de obras públicas, o que agora chamamos de infraestrutura, fornecemos apoio federal ao emprego e estabelecemos um sistema de seguridade social. Biden também foi eleito durante um período de crise. A pandemia e as consequências violentas do governo Trump. Nesse sentido, existem diferenças. Joe Biden não tem uma maioria forte no Congresso. Tem um Senado dividido, 50-50 entre democratas e republicanos, e uma maioria muito pequena na Câmara dos Deputados. E quase todos os republicanos se opõem a alguns de seus principais projetos de lei, que buscam reforçar a rede de segurança social e apoiar famílias pobres, creches e mudanças climáticas. As circunstâncias políticas são diferentes. Joe Biden tem menos recursos para decretar reformas dramáticas.

Um dos capítulos de seu livro se chama “Diagnóstico do descontentamento populista”. Por que você escolheu o conceito médico de “diagnóstico”? O populismo é uma doença?

É uma questão interessante. Sim e não. O populismo, em termos gerais, significa realmente um movimento do povo. Tipicamente um movimento popular contra os poderosos e os privilegiados. Entendido dessa forma, não é uma doença, é uma expressão da democracia e do ativismo democrático. Algo admirável, que deve ser incentivado. Na história dos Estados Unidos, o populismo no final do século 19 foi um movimento para capacitar trabalhadores e agricultores a resistir à exploração da indústria financeira e dos grandes negócios e poder corporativo. Não é uma doença, embora deva sempre ser interpretada. Não é tanto uma questão de diagnóstico, mas de interpretação. O atual populismo de reação contra as elites que elegeram Donald Trump e que levou a figuras como Viktor Orban na Hungria ou Recep Tayyip Erdogan na Turquia exige um diagnóstico. Reflete uma política de raiva, ressentimento e queixa pela humilhação dos trabalhadores. Não significa que seja uma doença. É mais uma mistura. Tem lados sombrios, incluindo uma tendência ao racismo e à xenofobia. Mas, como vimos, tem um lado legítimo. Então, quando falo em diagnosticar o descontentamento populista, o que quero dizer é analisar e interpretar as fontes do descontentamento, na esperança de desvendar a dimensão obscura, preconceituosa e xenófoba das questões econômicas que precisam ser abordadas. Daí a ideia de diagnóstico.

Você disse em uma entrevista: “O primeiro problema com a meritocracia é que as oportunidades não são realmente iguais para todos.” A desigualdade cria um problema de longo prazo?

Um problema ligado à meritocracia é que não fazemos jus aos ideais meritocráticos. A desigualdade de oportunidades é um exemplo. Para que haja uma verdadeira igualdade de oportunidades, não basta, por exemplo, que crianças de todas as origens, jovens, possam concorrer para serem admitidos nas melhores universidades. Também é necessário que os jovens tenham a mesma formação e educação para chegar lá. Se olharmos para as universidades da Ivy League nos Estados Unidos, todos podem fazer os exames de admissão. Mas apesar das generosas políticas de ajuda financeira nas universidades da Ivy League, há mais alunos de famílias no 1% superior da escala de renda, o 1% superior, do que estudantes de famílias no meio. Mas a seguinte questão poderia ser levantada. Suponha que pudéssemos consertar isso de alguma forma: que pudéssemos alcançar uma sociedade onde as oportunidades fossem realmente iguais, onde todos tivessem a oportunidade de ir para boas escolas crescendo. Todos têm a oportunidade de ler livros, de aprender, de ter atividades extracurriculares e de enriquecimento cultural. E então começamos a corrida. Então teríamos uma meritocracia perfeita. Mas seria uma sociedade justa? Seria uma boa parceria? Minha resposta é não.

E isso nos leva ao segundo problema com a meritocracia, o próprio ideal é falho: mesmo em uma meritocracia perfeita, atitudes corrosivas para o sucesso seriam cultivadas para o bem comum. Se todos realmente tivessem e acreditassem que tinham a mesma chance de sucesso, então os vencedores poderiam acreditar com alguma justificativa: “Eu mereci. Tenho direito a todos os benefícios que isso implica.” Essa atitude em relação ao sucesso é falha pelas razões que discutimos anteriormente, porque perde o papel da sorte e da boa sorte, mesmo que as chances sejam iguais, porque e a falta de boa sorte ou ter os talentos que nos permitem ter sucesso? Ter esses talentos é para fazer ou em grande parte boa sorte? Tomo o esporte como exemplo para ilustrar isso. Lionel Messi seria um exemplo. Ilustre este ponto sobre o talento como um dom. Ele é um grande, grande jogador de futebol. Ganhar muito dinheiro. Algo como 140 milhões de dólares por ano. Claro que Messi treina duro. Mas eu poderia trabalhar duro 24 horas por dia, sete dias por semana, e não ser um grande jogador de futebol como Messi. E isso porque ele foi abençoado com dons atléticos. Não é sua culpa, é boa sorte. E não só isso. E o fato de Messi viver em uma época e sociedade em que amamos o futebol e estamos dispostos a pagar muito para assistir a partidas de futebol e comprar as roupas do nosso time favorito? Você gosta de viver em uma época e em uma sociedade que recompensa e recompensa esse tipo de talento? Ou é boa sorte? Se Messi tivesse vivido na era do Renascimento, ele teria descoberto que eles não se importavam muito com futebol. Eles se preocupavam mais com os pintores de afrescos. Portanto, há muita contingência. E veja, mesmo que trabalhemos duro para cultivar e exercitar nosso talento, há muita sorte em alcançar o sucesso. Temos muita sorte de viver em uma época que casualmente recompensa e recompensa o talento que temos. Mesmo em uma meritocracia perfeita, mesmo se você pudesse começar a corrida com todos no mesmo ponto de partida, os vencedores serão os mais rápidos, mas ser o corredor mais rápido é muita sorte. O dom do talento, a elegância dos pés, sem falar em viver o momento em que se disputa a corrida e as corridas em que somos bons. Nesta corrida, uma questão a ser abordada é a desmoralização dos perdedores. É o que vemos hoje. Na polarização encontra-se o traço da tirania do mérito.

“Não era verdade que ‘estamos todos juntos nisso’ durante a pandemia.”

Na Argentina, a discussão sobre o mérito divide partidários do governo e da oposição, pois o último presidente e líder da oposição, Mauricio Macri, disse que é adepto da meritocracia e o atual presidente disse que a meritocracia é relativa porque somos devedores dos presentes que a sorte nos deu. Você tem experiência em outros países onde a meritocracia está no centro da divisão e polarização política?

Talvez não tão explicitamente, mas em muitas democracias há debate sobre meritocracia e sua conexão com a justiça. A questão é se o que acabamos de discutir é uma questão que surge no debate argentino sobre meritocracia. Meritocracia entendida como ter todas as carreiras abertas a qualquer pessoa que queira se candidatar, pois contratar a pessoa mais qualificada para determinada função é uma coisa boa. Não estou criticando a meritocracia nesse sentido. Se eu precisar de uma operação, quero que seja feita por um cirurgião bem qualificado. De certa forma, isso me faz acreditar no mérito ou na meritocracia. Em um avião eu quero um piloto muito bem qualificado para operar a aeronave. Mas a meritocracia que critico justifica ainda mais a pretensão dos bem-sucedidos. A crença de que o sucesso é obra nossa, que os bem-sucedidos podem reivindicar o crédito e, portanto, merecem todas as recompensas que o mercado lhes dá. A versão de meritocracia que critico é aquela que coloca o dinheiro como medida do sucesso. Ou a educação como meio de vida. Essas duas maneiras de medir o mérito são falhas, são muito estreitas, especialmente a primeira. Muitas vezes assumimos que o dinheiro que as pessoas ganham é a medida de sua contribuição para o bem comum. Mas isso é um erro. Mesmo o mais ferrenho defensor da economia de livre mercado teria dificuldade em afirmar que um gestor de fundos de hedge realmente agrega mil vezes mais valor à economia do que uma enfermeira ou um professor. Pense no melhor e mais inspirador professor de sua escola.

Pense no que aquele professor do ensino médio recebeu e depois pense no que, digamos, um gerente de fundos de hedge recebe. O gerente de fundos de hedge ganha 800 ou 900, talvez mil vezes mais do que o melhor professor do ensino médio. Ou pense em Messi. Alguém realmente acredita que essa diferença salarial corresponde à verdadeira diferença do valor social da contribuição? Essa seria uma afirmação muito difícil de fazer. E se essa afirmação não pode ser defendida, então não podemos supor que o veredicto do mercado sobre o que realmente conta como uma contribuição valiosa para a economia ou o bem comum seja uma verdadeira medida de mérito. Não critico que não contratemos pessoas para trabalhos baseados em compadrio ou nepotismo, ou em privilégios hereditários ou favores especiais. Critico a meritocracia entendida como uma conta de mérito baseada em quanto dinheiro você ganha ou quão bem você se sai em testes padronizados que levam à admissão nas melhores faculdades.

O mérito do talentoso é igual ao do que se esforça? Aqueles que se esforçam também devem algo porque algo criou esse esforço?

É admirável trabalhar duro para cultivar nossos talentos para que sirvam ao bem comum. É uma virtude. Especialmente se o trabalho duro envolve desenvolver nosso talento, seja ele qual for, para dar uma contribuição. Mas a meritocracia não significa recompensar o trabalho duro. Muitas pessoas trabalham duro e recebem muito pouco. Portanto, o esforço não é a única base. A contribuição é fundamental. Consiste em uma combinação de esforço e talento, que é em grande parte uma questão de sorte. Que o esforço é uma virtude é algo que está sob nosso controle até certo ponto. Mas não justifica a questão meritocrática ligada à remuneração. Pelas razões que acabamos de discutir, e que o exemplo de Lionel Messi deixa claro, a contribuição depende do esforço e do talento. E mesmo que o esforço seja inteiramente nosso, talento implica sorte, fortuna, endividamento e, portanto, é um equívoco atribuir merecimento a quem ganha muito dinheiro ou é bom em prestar vestibulares padronizados.

Quais são as diferenças entre sucesso e felicidade?

Aristóteles define a felicidade como o ato da alma de acordo com a virtude. A felicidade não é um estado de ser ou um estado de espírito. É uma forma de atividade que nos guia para uma vida boa. O sucesso pode ou não levar à felicidade. O sucesso é medido em relação à nossa sociedade e outras pessoas. Ser bem-sucedido em determinado projeto ou vocação pode, é claro, ser fonte de felicidade. Mas tudo depende de quão valiosa e importante é essa vocação ou esse projeto. O sucesso em geral e a realização de um objetivo específico não são uma fonte de felicidade, a menos que o objetivo em si seja digno, intrinsecamente digno e satisfatório. Portanto, eu diria que a felicidade é o objetivo mais alto e o sucesso, quando leva à felicidade, depende de buscarmos objetivos que sejam dignos de nós, que sejam intrinsecamente satisfatórios, ao invés de objetivos que podem ser superficiais como o sucesso. , ou sucesso em obter muitas visualizações nas mídias sociais, ou ter muitos amigos ou seguidores nas mídias sociais, ou até mesmo sucesso em ganhar dinheiro. Não há conexão necessária entre o sucesso nessas áreas e a felicidade.

“Os bem-sucedidos acreditam que merecem tudo o que o mercado lhes dá.”

Um dos capítulos de seu livro chama-se “A Retórica da Ascensão”. A centro-esquerda e a esquerda caíram no pensamento global sobre o sucesso e essa forma de meritocracia?

Retórica ascendente, ou retórica ascendente, é um certo bordão meritocrático que muitos políticos têm oferecido nas últimas décadas em resposta à desigualdade. A retórica da promoção dizia: “Se você quer competir e vencer na economia global, vá para a universidade, o que você ganha dependerá do que você aprender”. Dizia: “Todos devem ser livres para subir até onde seus esforços e talentos os levarem”. Agora, em um nível, quem poderia discordar disso? Ninguém deve ser retido pela pobreza, preconceito ou discriminação. Mas a retórica da promoção também dizia que a solução para a desigualdade é simplesmente que cada um de nós, como indivíduos, trabalhe até um grau avançado. Esta é uma solução individualista para o que é realmente um problema sistêmico. São coisas que tanto a centro-esquerda quanto a centro-direita enunciam. Há uma tradição de discutir a retórica da promoção. Ronald Reagan, nos Estados Unidos, falou muito sobre isso e depois Bill Clinton assumiu. George W. Bush, Barack Obama e Hillary Clinton frequentemente se referiam a essa ideia do direito do indivíduo à mobilidade ascendente por meio do ensino superior. Mas esse slogan, essa retórica, perdeu a inspiração em 2016, em parte porque a mobilidade estagnaria, não é fácil subir, em parte porque a maioria dos americanos não tem diploma universitário, o que está no cerne dessa ideia de mudança através do ensino superior, e em parte porque a retórica da ascensão, a garantia de que você pode fazê-lo se tentar, é inspiradora de uma maneira, mas insultante de outra. É um insulto, porque se você não ascendeu, se você não tem um diploma universitário, mas vive em uma sociedade meritocrática que diz que o sucesso é obra sua, então você só pode concluir que seu fracasso deve ser sua culpa.

Muitos trabalhadores americanos se viram não promovidos e não promovidos nas últimas décadas e lutando para encontrar trabalho e sobreviver, seu preconceito agravado pelo insulto da retórica de promoção que lhes dizia: “Seu futuro está em suas mãos, você pode alcançá-lo se tentar”. Isso deve significar que, se eu não consegui, não tentei o suficiente ou não sou talentoso o suficiente. Sou responsável pelos meus problemas, pelo meu suposto fracasso. E é aí que eu acho que a retórica da promoção se perdeu no insulto, no implícito nessa oferta de ascensão social, e é por isso que acho que precisamos lidar diretamente com essas desigualdades de renda, poder e riqueza, em vez de buscar o Eu trabalho em torno de dizer a cada indivíduo para tentar ascender por si mesmo. Outra maneira de colocar isso é que não é suficiente encorajar as pessoas a subir a escada do sucesso em um momento em que os degraus da escada estão se afastando cada vez mais. A qualquer momento, os líderes políticos precisam se preocupar com os degraus da escada, não apenas incentivando os indivíduos ou equipando-os para subir a escada e competir por um degrau mais alto e melhor.

“A democracia plena exige que cada cidadão seja de alguma forma um filósofo”

Pensando contrafactualmente novamente, um governo de filósofos seria desejável?

Depende de quais filósofos. A resposta de Platão à sua pergunta seria sim. Mas quando ele falou de filósofos governando, ele não estava se referindo aos professores de filosofia que escrevem em revistas acadêmicas e ensinam em universidades. Seu modelo foi Sócrates, o primeiro da tradição filosófica ocidental. O que Platão admirava em Sócrates e pensava que se prepararia para governar é que ele estava preocupado em identificar o que significa justiça na vida boa e o que significa uma vida de virtude. Platão está certo ao dizer que devemos ser governados por aqueles orientados para a justiça, o bem comum e a virtude cívica. Mas eu não diria que este ou aquele filósofo atual encarna todas essas virtudes.

A democracia plena exige que cada cidadão seja de alguma forma um filósofo. Que reflita sobre o significado da justiça e do bem comum, e que esteja preparado para raciocinar, deliberar e argumentar sobre o significado desses conceitos como iguais aos seus concidadãos. Assim, o ideal da filosofia pode moldar uma cidadania democrática. Não é que um filósofo só governe, mas que cada cidadão democrático esteja suficientemente atento à justiça e ao bem comum.

*Produção – Pablo Helman e Natalia Gelfman.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.