Millennials no poder ou eles não têm aspirações?

*Por Joan Cwaik – Autor e promotor. Especialista em tecnologias emergentes

Millennials no poder ou eles não têm aspirações
Essa geração foi criada sob a falsa ideia de que eles eram especiais e que poderiam alcançar qualquer coisa que quisessem (Crédito: Canva Fotos)

Se pesquisarmos no Google “Millennials são”, o algoritmo do mecanismo de busca completará a frase com o clichê que eles não têm aspirações, ou expressões como “nativos digitais”, “socialistas”, “pobres”, “estúpidos” ou “egoístas”.

Publicidade

O clichê dos millennials tende a pintá-los (pintar-nos) como uma geração arrogante, pouco interessada no trabalho, impaciente e sem grandes aspirações de vida. Forte.

Se isso for verdade, o mundo estaria enfrentando um problema gravíssimo: segundo estudos da Organização Internacional da Juventude (OIJ), em 2025 os millennials representarão cerca de 75% da força de trabalho global. Se três em cada quatro trabalhadores têm as características que vimos acima, o que espera a humanidade?

Em primeiro lugar, é preciso dizer que nem todas as características atribuídas à geração digital são negativas. Eles também são reconhecidos como tendo uma maior capacidade de se relacionar com tecnologias emergentes – algo que é sempre necessário em qualquer organização– o desenvolvimento de uma certa capacidade multitarefa, que às vezes irrita outras gerações, e uma maior consciência social e ambiental, bem como como uma tendência mais desenvolvida para a inclusão de minorias, seja por sua orientação sexual, racial ou étnica. Nem tudo é ruim no mundo dos millennials.

O pensador Nicholas Carr, afirma que, devido à intermediação digital, o ser humano está desenvolvendo uma espécie de mentalidade de malabarista. Esse é um pensamento dividido entre muitos elementos que não podem mergulhar em nenhum deles, e acaba degenerando em raciocínios precipitados, distraídos e, sobretudo, superficiais. Além disso, nossa “vida online” gera um sistema apressado de respostas e recompensas que é inigualável por qualquer outra atividade em que nos envolvemos, especialmente no trabalho ou na educação.

Publicidade

Educação

O sistema educacional é uma coisa estranha. Eles nos depositam lá por volta dos três anos de idade, e devemos ficar – pelo menos – até atingirmos a maioridade. Mas alguns de nós nunca foram capazes de sair, e muitos outros caem no esquecimento antes do tempo.

Este lugar — quer estejamos falando de jardim de infância, ensino médio, ensino médio ou faculdade — deve ser adaptado aos desafios e desafios que nos preocupam e nos permitiria nos preparar para o complexo mundo da idade adulta. Ou pelo menos supomos.

Este sistema, tal como o conhecemos, foi concebido para as sociedades industriais do século XIX, contemplando os seus desafios, os seus desafios e também as suas características. Mas será este modelo adequado às necessidades do século XXI?

Publicidade

Para o sociólogo e educador espanhol Manuel Castells, a resposta é um sonoro “não”. Além disso, de sua perspectiva, o sistema educacional que é frequentemente usado em faculdades e universidades ao redor do mundo é altamente obsoleto. Por um simples motivo: não é mais adequado para lidar com as características e desafios do século XXI. A forma como as aulas costumam ser ministradas, com seu formato “mestre”, nos ensina a ouvir, memorizar e repetir. Mas nenhuma dessas habilidades será útil para nós no mundo do trabalho que enfrentaremos quando sairmos do sistema educacional. Por que precisamos memorizar grandes quantidades de conteúdo? Não seria mais útil se nos ajudassem a consolidar nosso pensamento crítico para que possamos discernir quando uma fonte é falsa ou não? Ou que nos ensinam a ser mais criativos e inovadores na resolução de problemas complexos?

Essas competências de que falávamos (pensamento crítico, inovação, criatividade e resolução de problemas complexos) são o que o Fórum Econômico Mundial descreveu como “as competências do futuro”, após a realização de um estudo sobre as competências mais procuradas pelos empregadores na altura para escolher trabalhadores. Mas dificilmente o sistema educacional tradicional nos ajuda a promover essas habilidades. Muito pelo contrário.

“O que será trabalhado nos próximos anos? Onde os humanos do futuro serão formados?”

Publicidade

Neste contexto, as gerações digitais têm pontos fortes e fracos completamente diferentes das gerações que as precederam (e que muitas vezes são as que as educam). Nossa mentalidade de malabarista torna muito difícil manter a atenção por muito tempo em uma palestra e reage muito melhor a estímulos visuais.

Isso não significa de forma alguma que não tenhamos que trabalhar em nossa capacidade de concentração, mas por que não aprender a tirar proveito de nossas habilidades de multitarefa? Por que não desenvolver estratégias educacionais que, em vez de punir a distração, nos permitam capturar nossa atenção de outra forma?

Trabalho

Em 7 de junho de 2019, o tenista suíço Roger Federer perdeu para o espanhol Rafael Nadal nas semifinais do Grand Slam Roland Garros. Os fãs de tênis sabem que, naquela semifinal, por ter sido disputada em um piso de saibro, a quadra estava inclinada para Nadal. De qualquer forma, para os mais pragmáticos, Federer obteve a quantia nada desprezível de 600 mil dólares como prêmio.

Publicidade

Alguns meses depois, um menino de 13 anos nascido em Tigre, a poucos quilômetros da cidade de Buenos Aires, ganhou cerca de 900 mil dólares por ficar em quinto lugar no Fortnite World Tournament. Tiago King Lapp, com a sua tenra idade, despertou todo o tipo de surpresas e interrogações: é trabalho jogar videojogos? Temos que começar a treinar nossos filhos em Fortnite?

Francamente, a surpresa dos meios de comunicação de massa com essa realidade chega um pouco tarde. Hoje temos trabalhos como relator de League of Legends, analista de métricas de mídia social ou gerador de conteúdo do TikTok. Imagine por um momento um “Anúncios classificados” das próximas décadas: “Estamos procurando um gerador de conteúdo no TikTok, de preferência jovem. Requisitos: mais de 100 mil seguidores, pelo menos um milhão de curtidas, dois anos de experiência na rede social. Disponibilidade imediata. Gênero indistinto.”

Isso pode parecer exagerado. E de fato é. Mas tem o objetivo de marcar um ponto pouco discutido no debate público: em que estaremos trabalhando daqui a alguns anos? Onde e como os humanos do futuro serão formados? Quais serão as habilidades necessárias?

De acordo com Simon Sinek, essa geração foi criada sob a falsa ideia de que eles eram especiais e que poderiam alcançar qualquer coisa que quisessem. Para uma geração de pais que buscavam constantemente tirar as pedras da estrada. Em alguns casos, a educação, mesmo em nível universitário, contribuiu para reproduzir e aprofundar essas ideias.

Mas o que acontece quando esta geração chega à força de trabalho e descobre que não apenas não é especial, mas também não pode realizar nada que deseja? Quando estão em um mundo dominado por outras gerações, com ideias de mundo completamente diferentes, e ainda por cima têm que respeitar o horário de expediente. Depressão.

Sem hierarquia?

Nos últimos vinte anos, para o bem ou para o mal, os espaços de trabalho foram se adaptando aos millennials, e não tanto o contrário. As razões pelas quais isso aconteceu são diversas: a necessidade de atrair e reter jovens talentos, jovens empresas que definem tendências ou o habitual efeito de imitação. Mas além disso, vemos como os espaços de trabalho passaram de um modelo de organização piramidal com escritórios confinados e escalas de privilégio, para um escritório aberto – pelo menos em sua estrutura arquitetônica – e para o home office. Até alguns anos atrás, o maior escritório com a melhor vista ia para a pessoa “mais importante”. Hoje, chefes e suas equipes estão no mesmo espaço, com a mesma visão. O símbolo da hierarquia está sendo apagado e a horizontalidade parece prevalecer.

Mas até que ponto essa hierarquia foi perdida? A diferença de salários ainda existe, assim como a experiência e a capacidade de lidar com situações de crise. O fato de estarmos no mesmo escritório que nosso chefe, com a mesma visão e a mesma possibilidade de buscar lanches na cozinha, não significa que somos o chefe. A diferença existe, e é normal que seja assim. Como dissemos, essa geração cresceu pensando que poderia ter tudo o que quisesse, exatamente quando quisesse. Amazon, Rappi, Tinder e Google cuidam disso. Mas há uma coisa que não podemos alcançar rapidamente e sem esforço: satisfação e reconhecimento no trabalho. Por enquanto, para crescer no mercado de trabalho, na maioria dos casos, esforço, dedicação, acordar cedo e dormir tarde, paciência e muitas vezes fazer coisas que não gostamos, não nos motivam ou nos excitam ainda são precisava.

Paciência e tempo parecem ser os bens mais preciosos para uma geração que cresceu sem nenhuma dessas duas coisas. E isso fica demonstrado nas variações que o mercado de trabalho está tendo. De acordo com um estudo da plataforma Freelancer, os nascidos após 1995 duram em média oito meses no emprego. Isso nos fala de um mercado de trabalho muito mais dinâmico, ao qual teremos que nos acostumar no futuro.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.