Pier Paolo Pasolini, o centenário de um ‘guru’

*Por Anna Lanzani – Especialista italiana em agronegócio e história da culinária

Pier Paolo Pasolini, o centenário de um 'guru'
Pasolini colocou o poder sob os raios X e antecipou alguns dos problemas centrais da atualidade (Crédito: Gareth Cattermole/ Getty Images)

No dia 5 de março, Pier Paolo Pasolini (PPP) completaria cem anos. Poeta, escritor, cineasta, intelectual e político, com um papel fundamental na literatura italiana do século XX.

Publicidade

Mesmo um século depois de seu nascimento, Pier Paolo Pasolini (PPP para seus muitos admiradores) continua fazendo as pessoas falarem. “Ele foi central para nossa cultura, um poeta que marcou uma época, um diretor brilhante, um ensaísta inesgotável”, disse Alberto Moravia, um de seus amigos mais próximos e outro dos grandes escritores italianos da época. Amado e injuriado, profeta em sua terra, Pasolini colocou o poder sob os raios X e antecipou alguns dos problemas centrais da atualidade, do meio ambiente à sociedade de consumo.

Mistério e controvérsia

Gênio multifacetado, provocador sutil e experiente, furiosamente não convencional, é difícil traçar uma imagem coerente de Pasolini seguindo critérios tradicionais. Sem dúvida, ele contribuiu para moldar o pensamento de toda uma geração: ele foi uma figura polêmica, que observou e comentou as mudanças na sociedade, das quais ele mesmo foi o protagonista e uma das forças motrizes.

Seu assassinato, em 2 de novembro de 1975 em uma praia periférica de Ostia, perto de Roma, ainda é cercado de inconsistências e mistérios: as hipóteses vão desde um crime passional resultante de uma noite e tentativa de assalto, até uma trama de petróleo multinacional empresas e outros “poteri forti” da Itália. As investigações nunca foram completamente encerradas no ar. Há alguns anos, o caso foi reaberto após novas declarações de Pino “o Sapo” Pelosi, a quem Pasolini contatou naquela maldita noite na estação ferroviária Termini e o fez entrar em seu Alfa Romeo 2000 GTV e depois dirigir para Ostia. Pelosi, que era menor na época (ela tinha 17 anos), faleceu em 2017.

Nascido em Bolonha em 1922, e posteriormente transferido para a região de Friuli, PPP era um amante confesso de Roma. De físico atlético, de rosto quadrado e olhar atento, ele transmitia uma imagem dura em completa contradição com seu caráter gentil e modos calmos. Muitas de suas posições eram extremas. Durante anos ele desconcertou a sociedade italiana com declarações e análises muitas vezes inaceitáveis ​​para grande parte da opinião pública. Seus julgamentos radicais, no entanto, conseguiram romper com a censura, denúncias de difamação, acusações de atos obscenos ou desprezo pelas instituições.

Publicidade

“Suas posições contra o nascimento da “sociedade de consumo” são destacadas”

Teve uma vida que se tornou uma obra de arte e que dedicou em grande parte a desmantelar os aspectos mais hipócritas da burguesia italiana. Por outro lado, quando em 1968 eclodiram as revoltas do “movimento estudantil” romano, ele saiu em defesa da polícia “filhos dos pobres”. Eles vêm das periferias, não importa se são rurais ou urbanos”. Em vez disso, criticou os manifestantes, que “têm cara de filhinhos do papai. Vocês eram os ricos (apesar de estarem do lado certo), enquanto os policiais (que estavam do lado errado) eram os pobres.” É claro que Pasolini evitou ser classificado em qualquer um dos espaços políticos muito estreitos daqueles turbulentos anos europeus.

Leia o futuro

O que é muito interessante destacar sobre o universo pasoliniano são suas posições contra o nascimento da “sociedade de consumo”. A Itália dos anos 60 e 70 do século passado queria se tornar rapidamente um país moderno e industrializado, com uma classe média que tivesse acesso ao menos ao bem-estar material negado em décadas de privações. O desprezo de Pasolini pelo formidável avanço desse capitalismo era claro e inquestionável, como fica claro em Scritti corsari, obra que reúne artigos publicados entre 1973 e 1975 no Corriere della Sera e outros meios de comunicação.

Publicidade

Se lido hoje, suas posições podem parecer excessivas. Em várias ocasiões, ele foi simplesmente implacável. Comentando aquele que é um de seus filmes mais conhecidos e debatidos (Salò, le 120 giornate di Sodoma), afirmou, por exemplo, que “os produtores obrigam os consumidores a comer merda, crianças, todas as coisas horríveis que são besteiras.”

No entanto, são precisamente essas críticas implacáveis ​​que contêm o germe de uma visão altamente atual: nesta e em outras frentes, Pasolini dá a impressão de ter antecipado o futuro.

Despojados de alguns elementos ideológicos, seus posicionamentos evidenciam questões que o capitalismo moderno, impulsionado por consumidores cada vez mais atentos, passou não apenas a entender, mas também a incorporar: conceitos como equilíbrios éticos, certificações de triplo impacto ou empresas “beta”, derivam justamente desse tipo de abordagem e demandas.

Publicidade

Em sintonia com a abordagem pasoliniana, grandes setores de consumidores italianos vêm gerando poderosos anticorpos contra a massificação da produção. Anticorpos que ainda existem e que contribuíram, juntamente com outros fatores, para o desenvolvimento gradual do “estilo italiano”, uma forma muito particular de produzir em pequena escala e com a qualidade como eixo.

Seu olhar sobre o que hoje chamaríamos de “impacto social” também é inquestionavelmente moderno. Na estética de Pasolini, a comida volta ao seu papel ancestral de bem primário, linha divisória entre quem tem acesso à comida e quem não tem. Esse simbolismo fica evidente no média-metragem La Ricotta (1963), no qual, entre pinturas que lembram artistas como Pontorno e Rosso Fiorentino, se desenrola a história de um ator significativamente chamado Stracci (que significa “trapos”). No campo romano, uma empresa filma A Paixão de Cristo. Stracci interpreta o bom ladrão. Pobre e com fome, o ator abre mão de sua lancheira para dar à mãe, mas então, desesperado, com mil liras roubadas, consegue comprar uma grande porção de pão e ricota para si, que come sem parar : ele vai morrer de indigestão durante as filmagens, na cruz, sob o sol, como o bom ladrão que está interpretando. O diretor, sem sombra de emoção, comenta: “Morrendo, ele não tinha outra forma de nos lembrar que também estava vivo”.

Ecologista

Outra área em que PPP foi precursora é o que hoje chamamos de “meio ambiente”. Em um artigo intitulado “O vácuo do poder”, publicado no Corriere poucos meses antes de sua morte, ele denuncia, como um grito de dor, o desaparecimento dos vaga-lumes em Roma, fato que usa como metáfora política. Uma descrição magistral tanto pela profundidade da análise, focada no nascimento de um novo fascismo, quanto por sua beleza literária: “No início da década de 1960, os vaga-lumes começaram a desaparecer como resultado da poluição do ar, principalmente no campo devido à poluição da água (rios azuis e valas transparentes)”

Publicidade

A PPP também não hesitou em atacar um mundo industrial que naqueles anos parecia considerar o consumidor como um “objeto”. Apesar de seu distanciamento desses temas, não é exagero pensar que sua genialidade e intuição fazem dele, inclusive, uma espécie de “guru do marketing” involuntário. Hoje está amplamente demonstrado que, além de qualquer julgamento ético ou moral, a atitude de objetificação do consumidor também não funciona economicamente.

Por mais que fosse contra a industrialização desenfreada e desordenada, Pasolini não era um asceta: pelo contrário, gostava de ir a restaurantes. Poucos dias após o assassinato, Oriana Fallaci, uma jornalista famosa na época, escreveu-lhe uma longa carta aberta. “Nós nos tornamos amigos, amigos impossíveis. Ou seja, eu era uma mulher normal e você um homem anormal, pelo menos de acordo com os cânones hipócritas da chamada civilização, eu estava apaixonado pela vida e você pela morte”. Depois recorda os jantares romanos: “Comer contigo era sempre uma festa, porque nunca se aborrece”.

As sessões do PPP foram organizadas com extrema regularidade. Depois de escrever o dia todo, por volta das sete da noite ele se encontrou com seus amigos: Moravia não era o único escritor, havia também Elsa Morante ou Dacia Maraini, além de Sergio Citti, Laura Betti, Fabio Mauri. Saíam para jantar ou comiam na casa de alguém. Em vez disso, Pasolini os evitava em reuniões da alta sociedade.

“Foi demonstrado que objetivar o consumidor não funciona economicamente”

Sobre sua relação com a comida, Silvana Mauri Ottieri, que é muito próxima do PPP desde a juventude, faz observações interessantes: “Ele comia com o mesmo entusiasmo de um agricultor que volta do campo depois de um dia de muito trabalho. E comia com fome, como uma criança muito saudável, física e psicologicamente. E, de fato, ele não bebia, não fumava, muitas vezes jogava futebol. Ele era forte como um touro.”

O que é esse entusiasmo camponês pela comida senão algo muito parecido com o que hoje definimos como “zero quilômetro”, “agricultura sustentável” ou “produções artesanais”, todas frentes fundamentais para quem aspira a levar uma vida saudável? E quem sabe, se ele ainda estivesse vivo, poderíamos ver Pier Paolo frequentando os chamados “mercados orgânicos”. O certo é que, de uma forma ou de outra, nos surpreenderia com novos cenários de futuro tão precisos quanto inimagináveis.

O centenário

Na Itália, “surgiu uma espécie de supermercado Pasolini. Cada um tira de suas obras o que precisa: fragmentos de frases, fragmentos de poemas, dobrando os argumentos de Pasolini à sua própria exploração, distorcendo seu sentido”, alertou o jornalista Giovanni de Luna no jornal La Stampa.

É verdade que, de uma forma ou de outra, para o bem ou para o mal, as pessoas nunca deixaram de falar de Pasolini. Os próximos meses nos permitirão apreciar seu trabalho de várias perspectivas. Este será o ano dele e já existem vários livros prontos para serem publicados. Dacia Maraini lançará um volume de memórias (Caro Pier Paolo) em que o passado se cruzará com o presente e o futuro, enquanto outra obra promissora (Moravia e Pasolini, as duas faces do escândalo) traz a assinatura de Renzo Paris, que era amigo de ambos. Por outro lado, haverá uma nova edição de Pasolini, para morrer de ideias, do professor de literatura Roberto Carnero, e haverá uma antologia com poesias tanto do próprio PPP quanto de outros autores com poemas dedicados a ele.

A trattoria de Pasolini e aqueles anos 70

A.L.

“Estamos neste lugar ‘desde’ meu bisavô…’’. Conversar com Roberto Panzironi sobre sua popular trattoria (Al Biondo Tevere), onde Pier Paolo Pasolini passou as últimas horas de sua vida, é como falar sobre a história do bairro romano onde está localizado o local, de frente para a conhecida Via Ostiense e de frente para as margens arborizadas do Tibre. Uma área com muita magia, que durante muitos anos esteve quase na fronteira: a cidade acabava ali e depois só havia campos. Roberto é filho da ‘Signora Pina‘, falecida no ano passado, que estava com o marido, Vincenzo, à frente do restaurante.

Seu restaurante tem uma longa história.

Foi inaugurado em 1915 neste bairro, por isso digo que estamos aqui desde o tempo do meu bisavô, numa das zonas industriais de Roma: havia estabelecimentos de todo o tipo, pequenas fábricas, serrarias, o tradicional Mercado Geral da cidade, uma pista de corridas de galgos e o gigantesco Gasômetro, que pegou fogo há alguns meses. Naquela época tinha trabalho pra todo mundo, a gente começava às 10 da manhã.

Que lembrança sua mãe tinha daquela noite?

Posso falar da memória dele, mas também da minha: eu tinha 18 anos e não posso esquecer aquele 1º de dezembro de 1975, nem posso esquecer Pasolini. Naquela noite minha mãe estava encarregada da cozinha e meu pai estava encarregado de servir ele e Pino Pelosi na mesa, como visto no filme de Abel Ferrara chamado precisamente Pasolini, com Willem Defoe que interpreta Pier Paolo : No filme faço o papel do meu pai.

Voltemos àquela noite.

No dia seguinte, quando minha mãe ouviu a notícia do crime, ficou obviamente muito chocada. Imediatamente colocou uma pequena fita vermelha na cadeira onde Pasolini se sentara na noite anterior.

Então, quais são suas memórias daquele tempo e dele?

Tenha em mente que naqueles anos ele era realmente muito famoso. E ele era educado, muito simpático, falava devagar, me dava a sensação de que sempre observava tudo com muita atenção. Ele costumava dizer que gostava muito de Roma por causa do sol, do clima, das pessoas. Era o início dos anos 1970 e não só Pasolini, mas também outros intelectuais conhecidos, como Alberto Moravia, Elsa Morante, Dacia Maraini, Anna Magnani ou mesmo Rafael Alberti junto com Dolores Ibarruri, la Pasionaria. Há alguns anos, em 1951, o nosso restaurante tornou-se o cenário de Luchino Visconti para o seu filme Bellissima, precisamente com Anna Magnani. Minha mãe mantinha um diário e todas as noites ela anotava quem tinha sido, as refeições, ela anotava tudo.

E os pratos favoritos de Pasolini?

Você poderia dizer que ele nasceu no norte da Itália porque ele nunca pediu grandes porções de macarrão, os italianos do sul comem pratos gigantescos. Ele comia com muito pouco sal, estava muito atento à saúde. Gostava do spaghetti alho e óleo, o linguado à minhanière, muito comum aqui, cogumelos crus levemente temperados.

O que ele comeu algumas horas antes de ser morto?

Já era tarde, por volta da meia-noite, minha mãe já estava arrumando a cozinha. Ele pediu um alho e óleo, mas não para ele, mas para Pelosi. Pasolini pediu apenas uma fruta e uma cerveja.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.