Rússia multiplica ataques a várias cidades ucranianas

Em Mariupol, no sul, milhares de civis ficaram presos sem água ou eletricidade. As tropas russas gradualmente apertam o cerco à capital

Rússia multiplica ataques a várias cidades ucranianas
Kiev, Ucrânia (Crédito: Chris McGrath/Getty Images)

Rússia multiplica ataques a várias cidades ucranianas, Krivoy Rog, Kremenchuk, Nikopol, Dnipro e Kharkiv já foram bombardeadas. Em Mariupol, no sul, milhares de civis ficaram presos sem água ou eletricidade. As tropas russas gradualmente apertam o cerco à capital.

Publicidade

Bombardeios russos atingiram o aeroporto de Vasylkiv, cerca de 40 quilômetros ao sul de Kiev, onde um depósito de gasolina pegou fogo, segundo o prefeito da cidade. Os subúrbios do noroeste da capital, como Irpin e Busha, estão sob bombardeios russos há dias, enquanto os blindados de Moscou avançam ao longo do eixo nordeste.

O assessor da presidência ucraniana, Mikhailo Podolyak, afirmou que a capital “está sitiada”. O exército ucraniano indicou que as tropas russas concentram seus esforços na capital, em Mariupol e em várias cidades do centro, como Krivoi Rog, Kremenchuk, Nikopol e Zaporizhia. A mídia local também indicou a ativação de sirenes antiaéreas ontem em Kiev, Odessa, Dnipro e Kharkov.

Situação “quase desesperadora” em Mariupol. Após um cerco de 12 dias, grande parte das atenções está voltada para Mariupol, no Mar de Azov, cujos habitantes estão sem comunicação, sem água, gás ou eletricidade, e até brigam por comida. É uma situação “quase desesperadora”, alertou Médicos Sem Fronteiras (MSF).

“O inimigo ainda está bloqueando Mariupol”, disse o presidente ucraniano Volodimir Zelensky. “As tropas russas não deixaram nossa ajuda entrar na cidade”, criticou, prometendo tentar novamente levar suprimentos para a cidade.

Publicidade

“Atualmente, Mariupol sitiada é a pior catástrofe humanitária do planeta: 1.582 civis mortos em 12 dias, enterrados em valas comuns como esta”, disse o diplomata-chefe da Ucrânia, Dmytro Kuleba, em um post no Twitter acompanhado de uma foto de uma vala com cadáveres.

Por sua vez, o Ministério da Defesa russo afirmou que a situação humanitária está se deteriorando “rapidamente” na Ucrânia e que algumas cidades, confrontadas com a ofensiva militar de Moscou, estão passando por uma situação “catastrófica”.

“Infelizmente, a situação humanitária na Ucrânia continua a se deteriorar rapidamente e em algumas cidades atingiu proporções catastróficas”, disse o general Mikhail Mizintsev, do Centro de Controle de Defesa Nacional, segundo agências de notícias russas.

Publicidade

A autoridade russa acusou “nacionalistas” ucranianos de plantar minas em áreas residenciais e destruir infraestrutura, incluindo estradas e pontes, deixando a população sem eletricidade, água, comida e remédios.

Mesquita

O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia disse que as forças russas bombardearam a mesquita do sultão Solimán em Mariupol, onde havia oitenta civis refugiados, mas um dos envolvidos nas operações de evacuação naquela cidade negou logo depois.

Em declarações à cadeia turca HaberTürk, Ismail Hacioglu, presidente da associação daquela mesquita, explicou que o bairro onde se situa a mesquita estava sendo atacado mas que o templo não foi atingido pelo fogo.

Publicidade

“Os russos estão bombardeando a área a dois quilômetros da mesquita, e uma bomba caiu a cerca de 700 metros”, disse Hacioglu no Instagram. Além disso, o responsável especificou que dentro da mesquita havia trinta cidadãos turcos, “incluindo crianças”, que sua associação tentou evacuar em quatro ocasiões, sem sucesso. “Os russos não nos deixaram atravessar as barreiras”. O governo turco se recusou a reagir ontem aos relatos do bombardeio da mesquita.

Refugiados acolhidos “com ternura”. Enquanto isso, na cidade de Mikolaiv, no sul, um hospital foi incendiado e muitos moradores tiveram que fugir. “Eles estão atacando áreas civis, sem nenhum objetivo militar”, disse o chefe do hospital, Dmytro Lagochev. “Aqui há um hospital, um orfanato e uma clínica oftalmológica”, acrescentou.

A crise humanitária está piorando, com quase 2,6 milhões de pessoas exiladas da Ucrânia desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro, segundo dados da ONU. A eles devem ser adicionados cerca de 2 milhões de deslocados internos, disse o chefe da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Filippo Grandi.

Publicidade

O maior êxodo foi para a Polônia, que, segundo sua guarda de fronteira, recebeu 1,5 milhão de pessoas. Esses refugiados “não se sentem visitantes. Eles os acolheram em suas famílias com ternura, com bondade fraternal”, disse Zelensky em uma mensagem elogiando o país vizinho.

Por sua vez, o presidente russo, Vladimir Putin, acusou as forças ucranianas de “violações flagrantes” do direito humanitário e pediu a seu colega francês, Emmanuel Macron, e ao chanceler alemão Olaf Scholz que pressionem Kiev a terminar.

Ele fez isso durante um telefonema ontem com seus dois pares europeus, no qual mencionou “assassinatos extrajudiciais de oponentes”, “tomada de reféns por civis” e seu “uso como escudo humano”, segundo um comunicado do Kremlin.

Macron e Scholz também conversaram por telefone com Zelensky, informou ontem a presidência ucraniana, que indicou que o presidente pediu ajuda para libertar o prefeito da cidade de Militipol, no sul, que, segundo as autoridades ucranianas, teria sido sequestrado por soldados russos. o dia anterior.

Restrições comerciais

Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais continuam exercendo pressão econômica sobre Moscou, abrindo as portas para tarifas punitivas e reduzindo o comércio com o país.

A União Europeia e o G7 uniram-se aos Estados Unidos para revogar o status de “nação mais favorecida” da Rússia, o que facilita a troca de bens e serviços. Além disso, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou a proibição das importações de peixes, mariscos, vodka e diamantes russos.

Macron havia alertado para mais “sanções maciças” se Moscou intensificasse os bombardeios ou sitiasse Kiev, sem descartar até mesmo a proibição de importações de hidrocarbonetos da Rússia, da qual depende o mercado europeu de energia.

Esse material é enviado em comboios que a Rússia alertou ontem que poderia ser atacado. “Nós alertamos os Estados Unidos que a entrega de armas que eles estão orquestrando de uma série de países não é apenas um ato perigoso, mas também transforma esses comboios em alvos legítimos”, alertou o vice-chanceler russo Sergei Ryabkov.

E Zelenski, que não se cansou de pedir mais apoio militar, buscou a sorte com um apelo às mães na Rússia para evitar que seus filhos fossem enviados para a guerra. “Verifique onde seu filho está. E se você tem a menor suspeita de que seu filho pode ter sido enviado para a guerra contra a Ucrânia, aja imediatamente” para evitar que ele seja morto ou capturado, disse ele em um vídeo.

*Agencias

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.