Rússia não vai parar com os ataques para negociações de paz

O ministro das Relações Exteriores russo disse que Moscou não irá parar com a operação militar na Ucrânia

russia-nao-parara-com-os-ataques-para-negociacoes-de-paz
Sergei Lavrov (Crédito: Getty Images)

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov afirmou nesta segunda-feira (11) que a Rússia não irá parar com a operação militar na Ucrânia para as negociações de paz. Segundo autoridades russas as negociações não estão fluindo da maneira que eles gostariam e acusam o Ocidente de atrapalhar o processo de paz ao apresentarem acusações de crime de guerra contra a Rússia.

Publicidade

De acordo com a CNN, Lavrov disse à televisão estatal russa que não vê motivo para não continuar as negociações com a Ucrânia, mas reforçou que Moscou não parará com a operação militar. “Depois que nos convencemos de que os ucranianos não estavam planejando retribuir, foi tomada a decisão de que, durante as próximas rodadas de negociações, não haverá pausa enquanto um acordo final não for alcançado”.

Além disso, o ministro das Relações Exteriores russo relatou que o presidente da Rússia, Vladimir Putin chegou a ordenar que a operação militar parasse no final de fevereiro, na primeira rodada de negociações, mas Moscou não acatou o pedido.

Conflito Rússia e Ucrânia

No dia 24 e fevereiro, o governo russo invadiu a Ucrânia e bombardeou regiões do país. Após várias ameaças, Vladimir Putin autorizou os ataques por terra, ar e mar. Um dos motivos desta invasão é a aproximação da Ucrânia com o Ocidente.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin não aceita que a Ucrânia entre para OTAN. Além disso, Putin quer aumentar o seu poder de influência na região. A Rússia e a Ucrânia já passaram por outros conflitos. Por mais que hoje, a Ucrânia seja independente, sua relação com a Rússia não é totalmente resolvida.

Publicidade

“Os aliados da OTAN têm fornecido apoio substancial para ajudar a Ucrânia a se defender e repelir as forças invasoras russas”.

*Este texto contém informações retiradas da CNN Brasil.

Publicidade