Rússia quer restringir uso do Facebook em meio à guerra

Além do Facebook, as autoridades da Rússia também colocaram restrições ao funcionamento do Twitter.

Facebook (Crédito: Dan Kitwood/Getty Images)

A dona do Facebook, que agora é conhecida como Meta, denunciou hoje tentativas do governo da Rússia de restringir a rede social no país. De acordo com um comunicado da Meta, a Rússia aplicou sanções ao Facebook e a outras redes sociais da empresa depois que a plataforma se negou a parar de checar informações. 

Publicidade

De acordo com o funcionamento do Facebook, a rede social permite que uma equipe de checagem externa, devidamente autorizada, procure nas postagens por informações falsas ou dúvidas em vídeos ou notícias. A medida visa combater as “fakes news’’, especialmente sobre temas fundamentais como pandemia ou um conflito armado, como o que a Rússia está envolvida agora. 

De acordo com o comunicado publicado pela agência France Presse, o vice-presidente da Meta, Nick Clegg, diz que os russos estão usando as plataformas para organizar manifestações e dar opiniões sobre a guerra. Ainda segundo a nota, ‘’autoridades russas mandaram a plataforma para de verificar as informações e fazer alertas sobre o conteúdo publicado nos perfis de quatro meios de comunicação controlados pelo governo russo”. 

Um desses perfis é da emissora russa Zvezda, vinculada ao Ministério da Defesa. Com a recusa da empresa, o governo russo decidiu impor limites ao acesso dos usuários do país aos aplicativos da Meta, como o Facebook e o Instagram. 

Além do Facebook, as autoridades da Rússia também colocaram restrições ao funcionamento do Twitter. As medidas chegam em um momento de tensão e intensificação do conflito entre Rússia e Ucrânia. 

Publicidade