Fale conosco

O que vc está procurando?

Brasil

Operação Transoceânica cumpriu mandados no Rio, Niterói e São Paulo

operacao-transoceanica-cumpriu-mandados-no-rio,-niteroi-e-sao-paulo

A Polícia Federal informou que foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo durante a Operação Transoceânica, deflagrada hoje (16) com o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ). Dois desses mandados foram expedidos ao longo da operação.

A ação contou com a participação de cerca de 60 policiais federais, que foram a órgãos públicos, empresas e residências no Rio, Niterói e São Paulo. No total, foram apreendidos celulares, mídias, HDs, documentos e um veleiro avaliado em R$ 300 mil, de propriedade de um dos alvos da operação, que fica em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio.

De acordo com a PF, o foco é investigar possíveis irregularidades na contratação de obras de engenharia para a construção da via expressa BRT Transoceânica Charitas- Engenho do Mato e em contratos de publicidade feitos pela prefeitura de Niterói.

Segundo o MPF-RJ a operação é desdobramento da Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro, e mira dois esquemas criminosos mantidos desde 2013 na prefeitura de Niterói e no Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ). Além de licitações marcadas por suspeitas de fraude e corrupção na publicidade oficial e nas obras do BRT Transoceânica, podem haver pagamentos indevidos a conselheiros do TCE-RJ.

Segundo o MPF-RJ, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) determinou buscas e apreensões contra o prefeito de Niterói (RJ), Rodrigo Neves, e outros 11 alvos entre empresas e pessoas físicas. Além disso, quebrou os seus sigilos telemático, bancário e fiscal.

“As ordens partiram do relator, desembargador federal Marcello Granado, que concordou com o MPF que as medidas são necessárias para somar elementos à apuração, preservar provas materiais e identificar bens e outros proveitos dos crimes para garantir eventual reparação de prejuízos aos cofres públicos”, informou o MPF-RJ.

Processos

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) informou que todos os processos analisados pelo Ministério Público Federal (MPF) que deram origem à Operação Transoceânica, desencadeada nesta quarta-feira pela Polícia Federal tramitaram no órgão antes de março de 2017.

A partir daí, a presidência da Corte assumiu a administração, sendo naquele momento ainda de maneira interina. O TCE-RJ informou que o Conselho Deliberativo do órgão passou por mudanças e conta atualmente com apenas dois conselheiros titulares e outros três substitutos. “Cinco dos sete conselheiros que atuavam no órgão na formação anterior seguem afastados por decisão judicial. Um outro conselheiro se aposentou”, diz em nota.

Agência Brasil

Mais em Perfil

Últimas Notícias