Fale conosco

O que vc está procurando?

Brasil

Vigilância sanitária fechou 19 estabelecimentos em SP durante carnaval

vigilancia-sanitaria-fechou-19-estabelecimentos-em-sp-durante-carnaval

No carnaval, entre os dias 12 e 16 de fevereiro, a Vigilância Sanitária de São Paulo fechou 19 estabelecimentos comerciais ou festas clandestinas por falta de uso de máscara, por promoverem aglomerações ou por não cumprirem o Plano São Paulo, modelo de retomada econômica que está vigorando durante a pandemia do novo coronavírus. Todos esses estabelecimentos são da cidade de São Paulo.

Entre esses 19 estabelecimentos fechados estava uma festa clandestina, que rolava na cidade de São Paulo e que contava com a participação de 380 pessoas.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (Vermelho) a etapas identificadas como controle (Laranja), flexibilização (Amarelo), abertura parcial (Verde) e normal controlado (Azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

Pela última classificação do Plano São Paulo, feita no dia 5 de fevereiro, três regiões do estado (Franca, Araraquara e Bauru) estão classificadas na Fase 1-Vermelha e só podem permitir a abertura de serviços considerados essenciais. As regiões de Araçatuba, Presidente Prudente, Campinas, Baixada Santista, Grande São Paulo e Registro estão na Fase 3-Amarela e, o restante do estado, na Fase 2-Laranja.

Ponto facultativo

O carnaval é um ponto facultativo no estado de São Paulo. Mas com a pandemia do novo coronavírus, o governo paulista decidiu não concede-lo este ano para evitar a formação de aglomerações. No entanto, a decisão sobre o ponto facultativo coube a cada um dos 645 prefeitos do estado. Na capital paulista, a festa de carnaval foi adiada e a prefeitura decidiu também não conceder o ponto facultativo, ou seja, na cidade de São Paulo, a data funcionou como um dia normal.

Segundo a vigilância sanitária, nesses dias que corresponderiam ao carnaval foram realizadas 6,9 mil inspeções em todo o estado. A fiscalização foi feita por mil agentes sanitários e mais 31 mil policiais militares. Além do fechamento de estabelecimentos, a vigilância sanitária autuou 200 estabelecimentos, entre bares, baladas e festas clandestinas por desrespeito às regras sanitárias vigentes.

Só na capital paulista ocorreram 229 inspeções, que resultaram em 48 autuações.

O estabelecimento que violar ou infringir as regras de funcionamento estabelecidas pelo governo de São Paulo pode ser multado em até R$ 290 mil. O proprietário do estabelecimento ainda poderá pagar multa de R$ 5.278 por consumidor flagrado sem máscara no local. Já as pessoas que forem flagradas sem máscaras em espaços coletivos poderão ser multadas em R$ 551.

Denúncias sobre festas clandestinas ou descumprimento das regras estabelecidas no Plano São Paulo podem ser feitas por meio do Disque Denúncia da vigilância sanitária, no telefone 0800-771-3541. A ligação é gratuita.

Agência Brasil

Veja também

Saúde

Nas últimas 24 horas, foram registrados 71.832 novos casos de covid-19 e 2.616 mortes pela doença. Desde o início da pandemia, o país registrou...

Saúde

Após um ano de pandemia de coronavírus, os trabalhadores da área da saúde sentem impactos na saúde mental, segundo pesquisa do Núcleo de Estudos...

Saúde

Os casos de covid-19 nas faixas etárias de 30 a 39 anos de idade, de 40 a 49 anos, e de 50 a 59...

Saúde

Os casos de covid-19 nas faixas etárias de 30 a 39 anos de idade, de 40 a 49 anos, e de 50 a 59...