Fale conosco

O que vc está procurando?

Carros

Você sabia que ainda restam três carros na Lua desde 1972?

Em 20 de julho de 1969, pela primeira vez na história, um homem pisou em solo lunar, embora as missões continuassem por mais três anos com o embarque de alguns carros

Você sabia que ainda restam três carros na Lua desde 1972
(Crédito: Divulgação)

O último dia 20 de julho marcou 52 anos desde a chegada da Apollo 11 à Lua, o que fez do astronauta americano Neil Armstrong o primeiro homem a pisar na superfície do satélite natural do planeta Terra. Deve ser lembrado que nessa viagem, a tripulação restante era composta por Edwin Aldrin e Michael Collins.

Apesar de os pousos tripulados continuarem por pouco mais de três anos pelo programa Apollo, criado pelos Estados Unidos, houve três missões que transportaram veículos lunares, para avançar pelo terreno rochoso. Estes corresponderam às expedições da Apollo 15, 16 e 17, ocorridas durante os anos de 1971 e 1972, a última vez que uma pessoa viajou ao satélite natural da Terra.

Embora seja lógico pensar que ao final das missões aqueles veículos utilizados voltaram à Terra, isso não aconteceu. Os diferentes modelos com formato de buggy estavam estacionados em território lunar até agora e, de acordo com fontes da NASA, a sonda espacial Lunar Reconnaissance Orbiter de 2009 coletou algumas imagens com os veículos de longa vida.

Como são?

Os três exemplares denominados Lunar Roving Vehicle (LRV) ou Rover Lunar, foram construídos em conjunto pelas empresas General Motors e Boeing. Em dimensões, os veículos têm 3,1 metros de comprimento, 1,8 metros de largura, 1,14 metros de altura, 2,3 metros de distância entre eixos e distância ao solo de 36 centímetros. O peso é de 210 kg e a capacidade de carga é de 490 kg.

Ele usa pneus de 81,8 cm de diâmetro e 23 cm de largura feitos de 0,083 cm de diâmetro, fios de aço revestidos de zinco presos ao aro e aos discos de alumínio.

Os “carro lunar” tem espaço para dois ocupantes com apoios de braços entre os bancos e apoio para os pés em cada banco, além de cinto de segurança. Por outro lado, na área frontal possui uma antena parabólica, como parte do sistema de comunicações.

A mecânica é elétrica com duas baterias de 36 volts. Ambos alimentam os motores das unidades (localizadas em cada roda), a direção. Possui ainda tomada vinculada aos comandos de comunicação e câmera de TV, entre outros dispositivos.

A partir de um controlador manual em forma de T, juntamente com uma alavanca localizada entre os dois bancos, eram controlados os quatro motores de acionamento, os dois acionamentos de direção e os freios. Deve-se lembrar que a velocidade máxima do veículo não ultrapassava 20 quilômetros por hora e, durante sua permanência na Lua, quase não ultrapassava 10.

Em relação às diferentes chegadas à superfície lunar, o primeiro Rover pousou com a tripulação da Apollo 15 em 30 de julho de 1971, e foi dirigido por pouco mais de três horas durante, alcançando uma distância percorrida de 27,8 quilômetros.

O segundo VLT chegou ao satélite natural em 21 de abril de 1972, junto com os três tripulantes da Apollo 16. Percorreu 26,7 quilômetros em três horas e 26 minutos para realizar diferentes expedições.

O terceiro pousou na Lua em 7 de dezembro do mesmo ano que a missão anterior a bordo da Apollo 17, e se tornou não apenas o último Rover a transitar pelo terreno rochoso lunar, mas também fez parte do resultado das viagens tripuladas. Para o satélite . O veículo móvel lunar viajou 35 quilômetros e durou quatro horas e 26 minutos.

Apesar do fato de que desde 1972 os objetivos das principais agências espaciais tendiam a migrar para a descoberta de Marte, veículos claramente lunares foram abandonados desde o início dos anos 1970. Embora haja planos de um dia viajar ao planeta vermelho, durante os últimos anos vários programas foram revelados pela NASA, a Agência Espacial Russa, CNSA (Administração Espacial Nacional da China), ESA (Agência Espacial Europeia), entre os mais proeminentes, para retornar à Lua na próxima vez. Desta forma, o retorno dos três LRVs à Terra continua a ser uma possibilidade.

*Texto publicado originalmente no site Parabrisas, da PERFIL Argentina.

Mais em Perfil

Últimas Notícias