Fale conosco

O que vc está procurando?

Economia

Dólar sobe para R$ 5,30 e fecha no maior nível desde novembro

dolar-sobe-para-r$-5,30-e-fecha-no-maior-nivel-desde-novembro

Em um dia marcado por preocupações no mercado financeiro, o dólar superou a marca de R$ 5,30 e fechou no nível mais alto desde o fim de novembro. A bolsa de valores operou em alta na maior parte do dia, mas recuou na hora final de negociações e encerrou com pequena queda.

O dólar comercial encerrou esta quarta-feira (6) vendido a R$ 5,302, com alta de R$ 0,042 (+0,8%). Depois de iniciar a manhã em leve queda, a divisa chegou a R$ 5,35 na máxima do dia, por volta das 11h40, mas desacelerou depois que o Banco Central (BC) vendeu US$ 500 milhões em contratos de swap cambial tradicional, o equivalente à venda de dólares no mercado futuro.

A cotação tinha chegado a operar com leve queda por volta das 16h. No entanto, voltou a subir na hora final de negociações, depois da invasão do Congresso norte-americano por apoiadores do presidente Donald Trump, que causou tensões no mercado global.
Dólar chegou a operar com leve queda por volta das 16h, mas subiu após apoiadores do presidente Trump invadirem o Congresso, o que causou tensões no mercado global.
O clima foi semelhante no mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 119.100, com leve recuo de 0,23%. O indicador chegou a atingir os 120,9 mil pontos por volta das 16h10, mas as tensões na capital dos Estados Unidos abriram um movimento de realização de lucros, quando os investidores vendem papéis para embolsar ganhos recentes.

As negociações não foram influenciadas apenas pelo mercado externo. Declarações sobre uma possível volta do auxílio emergencial feitas pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP), no meio da tarde, contribuíram para a turbulência no mercado financeiro. Rossi anunciou hoje que é candidato à presidência da Câmara dos Deputados.

Enquanto moedas de países emergentes, como Rússia, Turquia e México, se valorizaram diante do dólar, o real continuou a desvalorizar-se. Uma eventual extensão do auxílio emergencial aumentaria os gastos públicos. Eventuais elevações de despesas do governo contribuem para a desvalorização da moeda local.

* Com informações da Reuters

Agência Brasil

Veja também

Economia

O Estado do Rio de Janeiro vai pedir, em maio, adesão ao novo Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que foi regulamentado ontem (20) pelo...

Economia

As próximas etapas do Pix, sistema de pagamento instantâneo do Banco Central (BC), podem incluir a implementação do Pix internacional, que permitirá a transferência...

Brasil

A persistência da pandemia do novo coronavírus e a fragilidade do processo de recuperação econômica apontam a necessidade de se estender a continuidade das...

Economia

Para impedir a paralisação de órgãos públicos e fazer frente a gastos emergenciais, o presidente Jair Bolsonaro editou nesta terça-feira (20) decreto que altera o...