Fale conosco

O que vc está procurando?

Educação

Milton Ribeiro comparece à Comissão de Educação da Câmara e nega interferência ideológica no Enem

Na semana do Enem, ministro da Educação e presidente do Inep prestam esclarecimentos sobre a elaboração do exame

Milton Ribeiro comparece à Comissão de Educação da Câmara e nega interferência ideológica no Enem
Ministro da Educação, Milton Ribeiro. (Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, compareceu voluntariamente nesta quarta-feira (17) à Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, onde afirmou que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 terá a cara do governo, como dito pelo presidente Jair Bolsonaro.

Em seu discurso, Milton Ribeiro detalhou o que isso representaria: “no sentido de competência, honestidade e seriedade”.

 “Essa é a cara do governo. Não temos nenhum ministro preso, nenhum caso de corrupção. Isso é importante”, declarou Ribeiro, na Comissão de Educação.

O ministro negou interferência ideológica na formulação do exame, assim como o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Danilo Dupas.

Logo após essa declaração, houve tumulto entre os parlamentares, segundo o portal de notícias g1.

Instabilidade no Inep

A instabilidade no órgão responsável pelo Enem veio a público na após os pedidos de demissão em massa (08/11). Na ocasião, os servidores do Inep afirmaram ter sofrido pressão psicológica e haver um “clima de insegurança e medo” promovido pela atual gestão. 

Entre as denúncias, os funcionários do Inep ainda declararam haver vigilância velada na formulação do Enem, para que evitassem colocar na prova questões polêmicas que poderiam incomodar o governo Bolsonaro.

Na Câmara, Milton Ribeiro negou qualquer interferência ideológica na montagem da prova.

“Até por ordem de hierarquia, não posso achar que é anormal o ministro da Educação ter acesso à prova, mas abri mão disso. Em nenhum momento, houve interferência na qualidade ou na quantidade [de perguntas]. As questões fazem parte de um banco preparado [Banco Nacional de Itens] já em outras gestões”, afirmou o ministro.

O presidente do Inep, Danilo Dupas Ribeiro, também negou ter tido acesso à prova e que o governo tenha interferido na elaboração do Enem. Ele compareceu a uma audiência no Senado nesta quarta-feira, após ser convidado a prestar esclarecimentos sobre a exoneração dos servidores.

“Não houve interferência alguma do Palácio do Planalto, não houve. A cara do nosso governo – no caso da nossa gestão, no caso do senhor ministro Milton Ribeiro –, é seriedade e transparência. Não houve interferência alguma do Palácio do Planalto em decidir ou escolher qualquer item da prova ou tema da redação. Não houve qualquer tipo de interferência nisso”, afirmou Dupas no Senado.

O ministro da Educação ainda comentou sobre os episódios de assédio moral relatados pelos servidores e disse que existem canais adequados para as denúncias e que os casos serão apurados.

Data do Enem

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) acontecerá nesta semana, a primeira prova será realizada nos dias 21 e 28 de novembro. 

Mais em Perfil

Últimas Notícias