Fale conosco

O que vc está procurando?

Esporte

Remador Lucas Verthein abre contagem regressiva para Tóquio 2020

remador-lucas-verthein-abre-contagem-regressiva-para-toquio-2020

Aos 22 anos, o remador carioca Lucas Verthein, do Botafogo, não vê a hora de estrear na Olimpíada de Tóquio (Japão). A  60 dias da abertura de Tóquio 2020, a Agência Brasil começa a veicular a série Rumo aos Jogos, que reúne reportagens e entrevistas com os atletas classificados para os Jogos Olímpicos. Conheça agora a história de Verthein, em entrevista concedida por ele ao programa Stadium, veiculada no início de março, poucos dias após ele assegurar a vaga olímpica na disputa single skiff (esquife individual), durante o Pré-Olímpico das Américas, realizado na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

Carioca Lucas Verthein garantiu a vaga olímpica na seletiva realizada na Lagoa Rodrigo de Freitas, no RJ
Carioca Lucas Verthein garantiu a vaga olímpica na seletiva realizada na Lagoa Rodrigo de Freitas, no RJ

Carioca Lucas Verthein garantiu a vaga olímpica na seletiva realizada na Lagoa Rodrigo de Freitas, no RJ – Reprodução Twitter/Remo Brasil

Stadium – Boa noite, Lucas. Você garantiu a vaga esse mês, há pouco mais de 10 dias. Já caiu a sua ficha? Como está esse sentimento de agora ser um atleta olímpico?

Lucas Verthein – A ficha ainda não caiu, parece que foi ontem. Na verdade, parece que foi tudo um sonho. Eu fico muito feliz de poder representar o brasil nas olimpíadas de Tóquio, especialmente sendo minha primeira olimpíada.

Stadium – Como foi esse torneio?

Verthein – Foi um torneio um pouco diferente dos demais. Nós ficamos em uma bolha, no hotel, e só podíamos sair para treinar. Então foi um evento que a gente tinha que ter muita cabeça para lidar e ter um resultado positivo.

Stadium – A partir de agora, como você vai trabalhar sua cabeça e seu físico, para as olimpíadas, sabendo que você já vai estar lá?

Verthein – Agora eu tenho que ter muita disciplina, e ciência, pare entender que tudo pode acontecer. Como atleta de alto nível, assim como muitos outros pelo brasil, sei que o atleta brasileiro tem que lidar com a diversidade e eu sempre tentei lidar muito bem com isso. To preparado para qualquer coisa e vou sempre dar o meu melhor, assim como foi.

Stadium – Até as olimpíadas, tem competição ou é só treinamento? Quais expectativas e planejamento, seu e do seu técnico?

Verthein – Até o momento nós temos duas etapas da regata, que se chama a copa do mundo de remo. São geralmente três etapas por ano, mas poderemos participar de duas etapas, uma na Suíça e outra na Itália, que servirá como preparação para as olimpíadas e será importante para pegar o ritmo da competição.

Stadium – E logo depois desse torneio que você garantiu a vaga teve também o Sul-Americano, no Rio de Janeiro, que você ganhou medalhas. Você também foi campeão Sul-Americano?

Verthein – Sim, logo após a qualificação olímpica nós tivemos aqui na Lagoa Rodrigo de Freitas o campeonato sul-americano. Foi muito legal depois de um ano estar competindo com outros países. E também estar no barco com outras pessoas, com meus colegas de seleção, foi muito especial estar de volta às competições.

Stadium – Você disse que foi pesquisar e o símbolo do seu barco é uma classificação inédita para o Brasil na primeira competição.

Verthein – Verdade, eu fico muito feliz em saber que após tanto tempo o Brasil consegue mostrar que nós podemos virar uma potência nesse esporte e, consequentemente, trazer mais praticantes para conhecerem não apenas o nível elite, mas também no nível lazer que é um esporte que não tem outro igual.

Stadium – Você pratica remo há oito anos com o mesmo técnico, né?

Verthein – Sim, desde que eu comecei no Botafogo, no final de 2012, tenho o Paulo Vinicius, o Paulinho, como meu treinador. Ele é um técnico muito diferenciado, não tem outro igual no planeta.

Stadium – Sobre a pandemia, a ajuda que o Paulo vai poder te dar, é com relação ao lado psicológico?

Verthein – Sim. Além de ser um baita treinador, ele é um ótimo psicólogo, nossa relação é muita boa. Ele sempre me ensinou a lidar com as adversidades e estar preparado para qualquer coisa.

Stadium  – Já sonhou com Tóquio?

Verthein – Sonho todos os dias.

Stadium – E como é esse sonho?

Verthein – Sonho que estou em uma competição como nenhuma outra que já estive. Mesmo com pouca idade, eu adquiri bastante experiência. Vai ser algo único estar nessa olimpíada.

Stadium – O que o esporte te deu, além de vitórias e dessa classificação?

Verthein – O remo me ensinou a ser não só um bom atleta para competir com o outros, mas superar meus próprios desafios. E também a ser um bom ser humano. É o que você faz do clube para fora, e não só ali dentro do esporte.

(Agência Brasil)

Mais em Perfil

Últimas Notícias