Fale conosco

O que vc está procurando?

Mundo

Debate após as eleições alemãs: Europa e o mundo sem Angela Merkel

No dia 29 de setembro, a embaixada da Alemanha na Argentina organizou um debate sobre o cenário pós-eleitoral com representantes de fundações ligadas aos cinco partidos mais importantes, moderado por Jorge Fontevecchia. Svenja Blanke, da Fundação Friedrich Ebert (próxima ao Partido Social-Democrata); Gitte Cullmann, da Fundação Heinrich Böll (próxima ao Partido Verde); Klaus Binder, da Fundação Hanns Seidel (próximo ao Partido Social-Cristão da Baviera); Olaf Jacob, da Fundação Konrad Adenauer (próximo ao Partido Democrata Cristão), e Lars-André Richter, da Fundação Friedrich Naumann (próximo ao Partido Liberal), descreveram as causas e consequências do resultado, tanto no nível local quanto no internacional

Debate após as eleições alemãs Europa e o mundo sem Angela Merkel
(Crédito: Sean Gallup/Getty Images)

Vamos realizar um debate sobre as históricas eleições alemãs, após 16 anos de Angela Merkel como chefe de Estado. Participarão da conversa as cinco principais fundações próximas dos partidos políticos mais importantes nestas eleições. Temos a Fundação Friedrich Ebert, próxima do Partido Social-Democrata, representada por Svenja Blanke, remotamente. Depois, a Fundação Friedrich Naumann, representada por Lars-André Richter, próxima do Partido Liberal. Além disso, a Fundação Hanns Seidel, próxima do Partido Social-Cristão, CSU, na Bavária, com Klaus Binder. A Fundação Heinrich Böll, próxima do Partido Verde, nos acompanha, também remotamente, com Gitte Cullmann, que está atualmente em Berlim. E temos a Fundação Konrad Adenauer, que é próximo ao Partido Democrata Cristão, o CDU, com a presença do Sr. Olaf Jacob. Começaremos com a primeira das quatro perguntas, provavelmente a mais abrangente, perguntando a cada um sobre o resultado das eleições, as possíveis coalizões que serão estabelecidas: qual é a sua reação ao voto dos alemães?

BINDER: Nós, conservadores, claramente perdemos esta eleição. E isso merece uma breve explicação. A União Social Cristã existe na Baviera e no resto da Alemanha a União Democrática Cristã. É um fato a ter em conta. Cabe parabenizar o Partido Social-Democrata, grande vencedor das eleições, e a Olaf Scholz, o principal candidato deste partido. Existem três possibilidades para formar coalizões. O primeiro seria entre o Partido Social-Democrata, os Verdes e o Partido Liberal. A segunda opção, a união dos conservadores com o Partido Social-Democrata e os Verdes. E a terceira opção, fazer uma grande coalizão, como tínhamos nessa época, entre o Partido Social-Democrata e a União, os conservadores.

Mas o voto dos alemães é claro. Eles gostariam de uma coalizão do Partido Social-Democrata com os Verdes e o Partido Liberal. Sobre as causas da nossa derrota eleitoral, o eixo está na proteção do meio ambiente e no combate às mudanças climáticas. Os conservadores também nos dedicamos a essa questão. Mas não conseguimos fazer o eleitorado acreditar em nós. É nosso problema. E isso também tem a ver com o principal candidato da União, o senhor Armin Laschet, porque neste momento ele é o primeiro-ministro, o presidente do Estado da Renânia do Norte-Vestfália. É o berço da indústria, daí a posição de muitos eleitores. O meio ambiente é o grande problema. Muitos eleitores também não ficaram satisfeitos com a política dos conservadores no contexto da pandemia. Tomamos muitas medidas muito rígidas e muitas pessoas foram contra.

JACOB: Da minha parte também: parabéns ao Partido Social-Democrata, que fez uma grande campanha. Eu compartilho a análise de Klaus Binder. A próxima coalizão da Alemanha será uma coalizão semáforo. Quer dizer, dos Liberais com os Social-Democratas e os Verdes. Já é uma coalizão de muito sucesso em um estado federal que é a Renânia-Palatinado. Não vai prejudicar tanto a Democracia Cristã fazer parte da oposição após 16 anos de governo, acho que não dói tanto. A coalizão que pode se formar corre o risco de ficar um pouco instável. As posições dos Verdes e dos Liberais são muito diferentes. Será preciso muito trabalho para a Social-Democracia manter essa coalizão. É a primeira vez que uma coalizão de três partidos é proposta em nível nacional. É uma novidade e vai gerar um esforço muito grande por parte da Social-Democracia. Se falamos das razões pelas quais a Democracia Cristã teve o pior resultado de sua história, tem a ver com o perfil de Armin Laschet. É uma pessoa bastante inovadora, com pontos de vista avançados e vanguardistas para o bloco democrático cristão. Faltou a ele criar um perfil definido. Olaf Scholz fez uma campanha muito inteligente. Ele sempre se apresentou como um especialista. Ele foi o ministro das finanças do governo anterior. Portanto, ele é uma das pessoas mais próximas da chanceler Angela Merkel. Muitos eleitores viram nele uma espécie de continuidade na trajetória da coalizão anterior, mas com uma cor política diferente. O eleitor alemão optou por manter-se mais ou menos na linha, mas com outros partidos políticos. O candidato Laschet falhou um pouco em gerar seu próprio perfil.

Klaus Binder: “Merkel entrará na história da Alemanha como uma grande chanceler. Ele alcançou muitos sucessos durante seus 16 anos no poder.”

RICHTER: Também parabenizo os partidos que venceram as eleições. Os Liberais fazem parte do grupo que venceu no domingo. Seu resultado é muito positivo. São 11,5%, um pouco mais que antes. Pela segunda vez, superam os dois dígitos. E a extrema direita foi derrotada. É um resultado muito positivo também, porque antes, a Alternativa para a Alemanha, esse é o seu nome, era infelizmente o partido de oposição mais importante. Não estamos mais nessa situação. Agora um desafio se abre, não um problema. O desafio é formar um governo nas próximas semanas e meses. Não é segredo que existem muitos paralelos entre a União, os conservadores e os Liberais, nas questões mais importantes. A Covid-19 é um grande problema. Mas as questões mais importantes foram o social, a economia, os impostos, a possibilidade de alugar uma casa, os salários, o mercado de trabalho. Vejo muitas diferenças entre o programa dos Liberais e os programas dos Verdes e dos Social-Democratas. Esse é precisamente o desafio. Precisamos de um governo e superar o desafio pode ser muito produtivo. Durante a semana, representantes dos Verdes e do Partido Liberal se reuniram para estabelecer pontos comuns e narrativas. São necessários projetos para quatro anos. A narrativa pode ser “somos uma aliança para o futuro”. Temos de negociar primeiro com os Social-Democratas, mas é também uma oportunidade de negociar com a União.

BLANKE: Em nome do Partido Social-Democrata, gostaria de agradecer as felicitações anteriores. Foi o fim da era Merkel. Não é pouca coisa depois de 16 anos. Votou-se em grande parte pela direção que a Alemanha deve e irá tomar, e também pela Alemanha dentro da Europa. São escolhas sobre como um futuro é construído. Muitos alemães sentem que este é um momento de mudança e transformação. A votação refletiu diferentes sentimentos e opiniões. Alguns querem construir a transformação. Alguns pedem mais proteção do Estado. Outros têm medo do que está por vir. E outros destacam as reformas necessárias na infraestrutura. O Partido Social-Democrata venceu com uma ligeira vantagem quando, há apenas quatro meses, as pesquisas apontavam para 14% ou 15%. Em muito pouco tempo, o candidato Olaf Scholz elevou o número para 25,7%. Mas os Verdes e Liberais também ganharam votos, sinalizando que o sistema de dois grandes partidos tradicionais acabou. Teremos sete partidos e não pequenas expressões e dois grandes no Parlamento. Observa-se uma nova volatilidade do voto na Alemanha, e a diversidade da sociedade. A fragmentação do sistema partidário mostra os diferentes estilos de vida e opiniões. Há mais partidos com os quais formar um governo. Será difícil, devemos buscar consenso para formar governos de coalizão.

CULLMANN: Eu me associo aos parabéns aos Social-Democratas. Os vencedores são os Social-Democratas, os Verdes e o Partido Democrático Livre. Os Verdes aumentaram 5,8%, o maior aumento em relação a 2017. Eles podem não ter feito a eleição que se esperava, mas têm uma representação parlamentar muito importante. Do ponto de vista matemático e político, uma coalizão de três é possível. A grande coalizão que tivemos nos últimos anos é improvável. A aliança dos Verdes com os Liberais e Social-Democratas é a mais provável. Quando indagamos sobre as causas, eu agora começo com o ruim e termino com o bom neste ponto. Acho que um grande problema da campanha eleitoral foi que todos os partidos deram muita atenção à política interna. Os partidos alemães tinham como estratégia não colocar em primeiro plano a necessidade de mudanças fundamentais. Diz-se que uma política transformadora não pode ganhar muitos votos em tempos de crise, pandemia e mudança climática. E, em geral, consolida-se a tendência para um sistema partidário sem um dominador único. Existe uma grande diferença entre jovens e velhos. Por exemplo, os Verdes receberam a maior parte de seus votos de pessoas com menos de 30 anos, enquanto aqueles com mais de 60 anos preferem os partidos tradicionais. Isso mostra que existe uma geração com uma visão diferente, que coloca o eixo o papel da crise climática, a transformação justa e as questões de gênero, por exemplo, e também a digitalização. O grupo dos Verdes tem uma idade média de 42 anos, com muitas mulheres. Dos 118 parlamentares, 68 são mulheres.

A segunda pergunta tem um ponto chave e ao mesmo tempo emocional, e alude ao fim da era Merkel: 16 anos de governo. Qual é o seu legado, a sua marca histórica, o que isso significa para a Alemanha hoje e para a sua projeção no futuro?

BINDER: A Sra. Merkel entrará na história da Alemanha como uma grande chanceler. Ela alcançou muitos sucessos durante seus 16 anos no poder. Neste contexto, a redução da distância entre a Alemanha Oriental e Ocidental é muito importante. É mais um de seus sucessos. Quero mencionar a crise dos refugiados. Lá ela mostrou grandeza. Pudemos ver que ela vive os valores cristãos. É algo muito a favor dela, do meu ponto de vista. Quero adicionar três conquistas adicionais. Em 2011, o serviço militar obrigatório foi terminado na Alemanha. Também é uma grande conquista. Naquela época, o ministro da Defesa era do nosso partido, a União Social Cristã. Hoje em dia atua em diferentes países, enquanto antes existia basicamente para defender a Alemanha. Outra conquista é o freio com respeito à dívida. É também uma conquista do meu ponto de vista. Isso significa que o orçamento da Nação e o de cada um dos estados devem ser equilibrados. Você não pode financiar muitas despesas por meio de dívidas ou empréstimos. E também em 2017 foi introduzida a possibilidade de casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Svenja Blanke: “Observa-se uma nova volatilidade do voto na Alemanha, e a diversidade de sua sociedade”

JACOB: A questão tem um conteúdo emocional para mim, por ser um representante da Fundação Konrad Adenauer e por ser próximo da Democracia Cristã. Seus 16 anos moldaram de alguma forma cada um de nós. O legado de Angela Merkel pode ser dividido em três blocos principais. O primeiro seria em nível nacional. A palavra-chave é consolidação. Angela Merkel consolidou a integração da Alemanha, iniciada no governo Helmut Kohl. Também consolidou as medidas tomadas pelo chanceler social-democrata Gerhard Schröder em termos de modernização do trabalho e da esfera social. Isso também se consolidou nos últimos 16 anos. Além disso, aconteceu internacionalmente. Conseguiu posicionar a Alemanha dentro da União Europeia, mas também conseguiu posicioná-la como um ator importante no contexto internacional. Já Klaus Binder mencionou a crise dos refugiados que naturalmente deu à Alemanha uma imagem muito diferente e amigável. E dentro da União Europeia, com a questão da crise do euro ou a queda do Lehman Brothers, ela desempenhou um papel fundamental. E um terceiro nível é seu legado dentro da Democracia Cristã. Acho que Angela Merkel conseguiu posicionar a Democracia Cristã fora do que seria a centro-direita e tentou colocá-la no centro. Por isso, um pouco o seu lema, não nestas eleições mas nas anteriores, foi “Die Mitte”: o centro. A Democracia Cristã representa o centro de todo o espectro político e esse é outro legado importante. A Democracia Cristã foi um partido muito dominado por homens, e ela é uma mulher. Por católicos, e ela é luterana. Portanto, há certos elementos que mostram que ela fez a Democracia Cristã se modernizar.

RICHTER: Falamos primeiro sobre a pessoa e depois sobre a política. Sou relativamente crítico em relação à política, mas muito positivo em minha visão da pessoa. Ela é fascinante. A sua biografia é fascinante. Ela veio da Alemanha Oriental e é filha de um pastor. Também uma pessoa honesta e transparente. Esse estilo calvinista de moralidade e ética de trabalho deve ser compreendido. Isso explica sua popularidade, não só na Alemanha, mas no contexto internacional. No nível mundial. Merkel foi criticada mais na Alemanha do que no resto do mundo. Será muito difícil pensar em uma Alemanha sem Angela Merkel. No que diz respeito à política, é absolutamente normal que existam crises de vez em quando. No tempo de Gerhard Schröder houve o 11 de novembro e a crise nos Bálcãs. As crises são normais. Mas a maneira como Merkel lidou com essas crises também foi muito respeitável. Embora, do meu ponto de vista, não tenha sido muito liberal. Ela não estava muito interessada em economia. Como Liberais, tivemos a experiência de governar e foi muito complicado. Não apenas por causa dos Liberais. Os Liberais também cometeram erros, mas o ambiente não era muito agradável. Angela Merkel é mais uma conservadora social-democrata de centro do que uma conservadora liberal interessada em economia. Aceito que pode haver alguma ambivalência em minha análise.

Cullman: “É pouco provável uma grande coalizão como a que tivemos nos últimos anos”.

BLANKE: Concordo com a descrição feita pelo meu colega Lars, da Fundação Friedrich Naumann, sobre a personalidade de Angela Merkel. Também com coisas que Jacob e Klaus disseram, e a importância e os pontos positivos da personalidade. Isso também explica sua ótima imagem como política na Alemanha. Ele continua a ser a figura política mais amada nas pesquisas na Alemanha. O legado negativo tem a ver com suas políticas. Nunca governou sozinha, também governou com os Social-Democratas, com os Liberais, mas o problema tem a ver com a sua própria política. Entre os negativos está tudo o que foi negligenciado. Essas são as questões que agora foram colocadas sobre a mesa durante a campanha. Existem lacunas e atrasos em questões muito importantes. Por exemplo, a digitalização e modernização da infraestrutura, a burocracia da administração pública. Também há reformas no setor da educação. Nos últimos 16 anos, cresceu a desigualdade social. Os ricos têm cada vez mais e são poucos; os pobres têm cada vez menos, mesmo nos bons tempos. Houve pouco investimento. São questões que devem ser tratadas e que foram discutidas este ano. Isso se deve ao seu estilo de política. Foi dito que ela não é uma grande visionária. Ela segue o plano passo a passo. O efeito foi uma certa despolitização. Merkel atendia às questões e as pessoas se tornavam espectadoras. Do lado positivo, essas eleições mostraram que a Alemanha é uma democracia estável, calma. Os candidatos são tratados com respeito. Considerando as loucuras, os nacionalismos machistas, os populismos dos países vizinhos, vemos que ela deixou um legado que vai além. A imagem da Alemanha no mundo é muito positiva e aumenta com a questão dos refugiados. Também tem uma imagem pacífica, mas esse papel poderia ser mais bem definido. Além disso, e digo isso pela minha condição de mulher, é muito importante para todas as meninas e mulheres do mundo. Ter sido chefe de um governo por tanto tempo e ter sido a mulher eleita democraticamente mais poderosa do planeta é um sinal muito importante sobre as possibilidades de igualdade das nossas democracias. Talvez ela não quisesse colocar isso, mas o fez implicitamente. É muito importante para a democracia e a igualdade. Além disso, é uma mensagem para o futuro. Agora temos apenas 34% das cadeiras ocupadas por mulheres. Os partidos conservadores deveriam envidar mais esforços nesse sentido. Os partidos progressistas avançaram um pouco mais na questão da igualdade, mas Angela Merkel fez um grande favor à igualdade na democracia.

Lars-André-Ritcher: “Na América Latina, o populismo é motivo de preocupação; mas não o foi nas últimas eleições alemãs”

CULLMANN: Vejo que há consenso e que todos fazemos análises semelhantes, mas com nuances diferentes olhando para o futuro. A era Merkel começou em 2005. Durou 16 anos. Os jovens mal conhecem um governo, uma Alemanha, sem Angela Merkel. Nesse período, superou muitas crises profundas, desde graves problemas econômicos até a atual pandemia. Compartilho com meus colegas que sua capacidade de buscar consenso serviu muito à Europa em geral e à Alemanha em particular. Mas o governo também negligenciou os investimentos no setor público e as melhorias na infraestrutura, especialmente na digitalização. As sociedades e as economias são fortemente afetadas pela pandemia e pelas mudanças climáticas. São questões que serão difíceis de mudar nos tempos que se seguem, porque há muitas economias em crise.

Qual será o impacto dos resultados eleitorais no contexto geopolítico internacional?

BINDER: Não haverá grandes mudanças na política externa da República Federal da Alemanha. Na coalizão atual, o Partido Social-Democrata tem o Ministério das Relações Exteriores. O ministro é Heiko Maas. Será uma política que continuará. Continuaremos na União Europeia e na OTAN. Não há nenhuma mudança. Vamos desempenhar um papel importante na UE. A Alemanha já financia grande parte da União Europeia. Daí seu peso específico. E mais ainda depois do Brexit e da saída da Grã-Bretanha. Quanto à OTAN, haverá algumas mudanças. Os conservadores queremos que alguns compromissos sejam cumpridos. Antes, 2% do Produto Interno Bruto da Alemanha era investido na defesa. O Partido Social-Democrata é um partido muito pacifista, os Verdes também. E eu não acho que eles cumpram. A relação com a Rússia, com a China, é complexa. Sabemos que ambos violam os direitos humanos. É um problema sério. Mas também precisamos da cooperação deles, especialmente na política climática internacional. Sem eles não podemos cumprir os nossos objetivos. Existem interesses econômicos em relação à China, para a qual a Alemanha exporta. É por isso que devemos manter boas relações com esses países. O futuro governo da Alemanha não fará grandes mudanças.

JACOB: É muito difícil fazer uma previsão do que acontecerá internacionalmente porque a coalizão ainda não foi formada. Se a esquerda tivesse crescido mais, poderíamos ter conversado sobre mudanças mais importantes na política internacional. Mas com as três alternativas de coalizão, a política externa da Alemanha provavelmente será mantida. Há pontos relevantes. Os déficits estruturais e a digitalização foram mencionados aqui. É um dos grandes desafios da Alemanha internamente, mas também, no futuro, no exterior. A mudança climática estará conosco nos próximos anos. Após a tragédia de Fukushima, Angela Merkel tomou a importante decisão de abandonar gradualmente a energia nuclear. Há algum progresso lento no sentido de entrar em uma matriz de energia totalmente renovável. É mais um dos grandes desafios. E você pode acompanhar outros países no caminho de uma mudança na matriz energética a nível mundial. A agenda das mudanças climáticas também será a agenda internacional. A contribuição dos Verdes em um possível governo em coalizão com os Social-Democratas e os Liberais será de enorme importância justamente para alcançar este avanço.

Gitte Cullmann: “A União Europeia e o mundo em geral exigem que a Alemanha desempenhe um papel de liderança nas plataformas globais”

RICHTER: Durante a campanha eleitoral, as semanas e meses anteriores, a política externa não foi um assunto. Se foi, foi em menor grau. Resgatar a importância do assunto é um ponto de contato com os meus colegas. É mais uma das mensagens da última eleição. Os dois partidos extremistas perderam. O da direita é mais perigoso, mas para mim o da esquerda é um problema, embora nem todos concordemos. Ambos perderam porcentagens. É uma mensagem em um contexto global que parece ir na direção oposta. Na América Latina, o populismo é um problema. Felizmente, não o foi na Alemanha. É uma mensagem muito importante para os parceiros da União Europeia e do mundo. A Alemanha continua confiável. É muito importante, independentemente de quem seja o próximo chanceler. É verdade que os Liberais têm problemas com uma união fiscal na União Europeia. Mas são detalhes. Nem o senhor Laschet nem o senhor Scholz querem mudar a União Europeia ou a ordem internacional. Estamos em um conflito de época entre dois modelos políticos: a democracia liberal e, do outro lado, os estilos totalitários. É uma surpresa o que os Verdes vêm dizendo. Eles se manifestaram claramente contra o totalitário. Eles são muito críticos. Não é por acaso que a Rússia e Vladimir Putin são altamente críticos do Partido Verde e a sua candidata (N de R: Annalena Baerbock). A Rússia é o segundo problema depois da China. Meu favorito para ministro das Relações Exteriores é alguém do Partido Verde. Os Liberais também têm uma posição muito clara. Mas a posição do país deve ser clara.

BLANKE: Relações exteriores ou política internacional foram uma questão secundária na campanha e nas eleições, infelizmente. Talvez até terciária. Foram três debates oficiais e o assunto foi discutido apenas em um, não muito difundido. A Alemanha não deve se preocupar apenas com questões internas. Questões como digitalização, meio ambiente ou bem-estar também têm muito a ver com as relações internacionais. São desafios do século XXI. Entre os partidos majoritários, representados aqui por suas fundações, não há muita diferença em matéria de política externa. Há nuances e detalhes. A prioridade da política externa alemã está nas relações com a União Europeia. Esse papel será prioritário, assim como com os Estados Unidos, as relações com o Oriente Médio e Israel. E haverá lugar para as relações, talvez mais tensas, com a Rússia e a China. Esses continuam a ser os eixos da política externa. O Partido Social-Democrata sublinhou várias vezes que quer uma maior integração da União Europeia. Uma União Europeia mais ambiciosa do ponto de vista jurídico, entre outras questões. Merkel também queria uma União Europeia. Mas pecou por excesso de cautela. Scholz pode se juntar aos planos de Emmanuel Macron, da França, para alcançar essa União Europeia mais ambiciosa. É algo importante na hora de saída da pandemia, que revelou uma agenda que deve ser tratada. Com Verdes e Liberais no governo, haverá mais espaço para questões tocantes aos direitos humanos. É algo que me interessa, também como Social-Democrata. Meu partido também defende a elevação dos padrões sociais e o apoio às questões de direitos humanos na cooperação internacional.

CULLMANN: Para falar sobre política externa, é muito cedo. Primeiro temos que esperar ver como o governo alemão será constituído e com quem. Espero que saibamos antes do final do ano. O mundo e a União Europeia pedem que a Alemanha, como a quarta maior economia do mundo, desempenhe um papel um pouco mais forte na plataforma internacional. Se tiverem um papel no governo alemão, os Verdes vão querer aproveitar a oportunidade para resolver disputas comerciais com o novo governo dos EUA e criar um mercado transatlântico para produtos climaticamente neutros. O Partido Verde é muito crítico em relação a acordos com impactos negativos no meio ambiente ou desafios à soberania alimentar de países, também na América Latina.

Qual será o impacto específico no Cone Sul e na Argentina?

BINDER: Não haverá grandes mudanças. O foco da política externa alemã sempre esteve mais na África e na Ásia e talvez na Europa Oriental. Essa inclinação tem uma causa econômica. Gostaríamos de evitar que muitos refugiados da África, da Ásia, migrem para a Alemanha. A política é investir nesses países para evitar as causas da fuga. É por isso que a América Latina não desempenha um papel muito importante. Gitte também mencionou que os Verdes estarão atentos às formas de livre comércio. E aí está pendente o acordo entre a União Européia e o Mercosul. A questão tornou-se mais complexa, apesar de ser um desenvolvimento de vinte anos. Nos últimos meses, tudo falhou devido à questão ambiental, principalmente devido ao comportamento do Brasil com o desmatamento da floresta tropical. Se os Verdes participam do governo, o tratado estará mais distante do que antes. Há quase um agravamento a respeito dessas relações entre a Alemanha e os países da América Latina, do Cone Sul e a Argentina.

JACOB: Eu quero começar com uma anedota. Tive a sorte de estudar Relações Internacionais na Universidade de Mainz, na Alemanha, nos anos 90. Me especializei em América Latina. Naquela época éramos aproximadamente cinco ou seis faculdades dentro da Alemanha voltadas para a América Latina, que debatíamos o papel da região. Hoje existem uma ou duas. O interesse acadêmico pela América Latina diminuiu. É um reflexo do que acontece na política. Eu sou bastante cético. Preocupa-me que a América Latina não desempenhe o papel de trinta ou quarenta anos atrás na política alemã. Angela Merkel visitou a Argentina duas vezes. Uma vez no marco da cúpula do G20 e um ano antes fez uma visita, retribuiu a visita que o Presidente Mauricio Macri havia feito em 2016. É mais do que a outros países da região. Há um atrativo especial, ou havia na época, que não pode ser generalizado para o resto da região. Partindo da premissa de que o Partido Verde terá um papel importante no próximo governo, as questões ambientais serão muito importantes. O acordo entre a União Europeia e o Mercosul será revisado desde uma perspectiva ambiental. As vozes críticas sobre o desmatamento no Brasil, as críticas feitas a Jair Bolsonaro, serão ainda mais incentivadas. Os direitos humanos também desempenharão um papel mais importante. Infelizmente, estou convencido de que não haverá uma mudança radical em termos de aproximação com a América Latina.

RICHTER: Nem a Argentina, nem a América Latina, nem o Cone Sul, nem a política internacional foram a parte número um na agenda da campanha. A América do Sul faz parte do mundo democrático. É muito importante manter e fortalecer as relações. Os Social-Democratas, os Verdes e os Liberais concordam em falar de direitos humanos quando apropriado. É também o ponto número um nas discussões ou conversas e contatos com a China e Moscou. Pode haver divergências sobre como fazer negócios. Como Liberais, estamos convencidos de que os direitos humanos e o livre comércio são as duas faces da mesma moeda. É muito importante também incentivar acordos econômicos. Aqui na América Latina, e principalmente na África, estamos lutando com a China e a Rússia. A China, com seu modelo de negócios de execução de projetos de infraestrutura e energia, estabeleceu regras que os Liberais não gostamos. O livre comércio deve ser um assunto e será tratado nas negociações com os outros partidos na Alemanha. Ocupará um lugar essencial no futuro.

Olaf Jacob: “O eleitor alemão optou por manter uma linha e um caminho, mas através de outros partidos políticos”

BLANKE: Também acho que a América Latina infelizmente não é uma prioridade. Isso não mudará substancialmente no futuro. E a questão central, entre a Alemanha e a América Latina e a Argentina nos últimos anos, foi econômica, comercial. Com um novo governo, como também disseram os meus colegas, existe uma nova possibilidade de tornar mais completas as relações com outros assuntos. Questões relacionadas ao meio ambiente, uma questão muito relevante também na América Latina, e ao social. A relação entre a América Latina e a Europa, entre a Argentina e a Alemanha, não pode mais ser apenas retórica. É necessário ir mais profundo. As duas regiões e os dois países compartilham muitos temas. É preciso reposicionar e revitalizar os laços. Existem questões fundamentais como multilateralismo, meio ambiente, democracia e direitos humanos. O tratado Mercosul-União Europeia será revisado na Alemanha a partir da questão do meio ambiente e das normas sociais e trabalhistas. O desmatamento da Amazônia terá um papel maior nas relações. Precisamos de novas iniciativas. A América Latina, por seus problemas internos, também olha muito para dentro. A fragmentação da região impede um papel mais ativo. A voz da Argentina e da América Latina é necessária para lidar com essas crises. A questão da dívida é uma questão importante para a Argentina. As soluções multilaterais podem ser tratadas em conjunto. A questão da pandemia atingiu todos os países, mas a geopolítica da saúde e das vacinas mostrou que existe um mundo dividido, com um centro e uma periferia. A América Latina foi duramente atingida pela pandemia. A democracia argentina, a força de sua sociedade civil, seus cidadãos, seus movimentos sociais, o movimento das mulheres, também são questões muito importantes para a Europa. Também é possível aprender de um diálogo sobre como reativar a participação cidadã em uma democracia. Há muitas questões sobre a mesa, e então esse novo governo que ainda não conhecemos deve olhar muito bem para preencher essa relação com novas iniciativas.

CULLMANN: É possível pensar nas mudanças necessárias na relação com a América Latina, mas algo precisa mudar na relação entre os dois países, entre a Alemanha, o Cone Sul e a Argentina. Se os Verdes têm um papel importante no governo e na política externa do país, eles vão querer uma política bem coordenada com a América Latina e o Caribe, e a União Europeia, que promova essa transformação socioecológica e proteja os direitos humanos. São regiões interdependentes em termos de comércio e da economia mundial. É muito importante ajudar a acabar com a continuação desse modelo económico que se baseia na exploração dos recursos naturais e que muitas vezes provoca danos às pessoas, à natureza e também às economias nacionais, por meio da economia mundial. Os Verdes também querem prestar atenção a alternativas progressistas no reino das desigualdades sociais, da corrupção, das imagens patriarcais da sociedade, e buscar formas de fazer negócios que não destruam a base natural da vida. Serão cruciais para um relacionamento entre a Alemanha e a Argentina no Cone Sul.

Muito obrigado a todos os cinco. Chegamos à hora do debate. Uma reflexão final. Um filósofo muito valorizado pelos liberais, Albert Nozick, reitor de Filosofia da Universidade de Harvard, argumentou que, na matriz das virtudes, a riqueza era a diversidade em harmonia. Existem diferentes sistemas políticos no mundo. Infelizmente, com uma polarização extrema, a diversidade não só não está em harmonia, mas está em guerra, e finalmente ninguém acaba se impondo sobre o outro, um problema que infelizmente temos na América do Sul, principalmente na Argentina. A Alemanha nos dá uma demonstração da diversidade em harmonia, com vozes diferentes, mas sem dúvida em harmonia. É invejável e faz da Alemanha o atual farol da democracia, depois de ver os altos e baixos de outras grandes potências como os Estados Unidos e a Inglaterra. Foi um prazer tê-los acompanhado. Parabéns à democracia alemã.

*Produção – Pablo Helman e Debora Waizbrot.

*Por Jorge Fontevecchia – Co-fundador da Editorial Perfil – CEO da Perfil Network.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.

Mais em Perfil

Últimas Notícias