Fale conosco

O que vc está procurando?

Mundo

Os presidentes democráticos se sustentam com votos

Os presidentes democráticos se sustentam com votos, não com botas. Os países ocidentais apenas apoiam governantes que emergem dos votos, mesmo que isso não seja tão inclusivo. Aquilo das botas é frequente na história dos países caribenhos que, com exceção da Costa Rica e do Panamá, foram assolados por ditaduras militares

Os presidentes democráticos se sustentam com votos
Votação no México em junho de 2021 (Crédito: Hector Vivas/Getty Images)

Embora os governos autoritários da Nicarágua, Venezuela, Haiti, El Salvador e Cuba tenham lógicas diferentes, eles se identificam na falta de respeito pelas instituições, os direitos humanos, a alternância e a democracia.

A Nicarágua e a Venezuela são herdeiras da política patrimonialista, na qual não há distinções entre a propriedade dos governantes e a do Estado. Os ditadores distribuíam honras, patentes militares e dinheiro entre amigos e parentes, se eternizavam no poder e fundavam dinastias. Isso nunca aconteceu no México, nem na América do Sul, com exceção da Argentina.

República Dominicana

O símbolo dessa política foi Rafael Leónidas Trujillo, que governou a República Dominicana de 1930 até ser assassinado em 1961. A do Trujillo foi uma das tiranias mais sangrentas do continente, marcada pelo anticomunismo, pelo culto à personalidade, pela repressão da oposição, pela perseguição da imprensa independente. O generalíssimo doou muito dinheiro à Igreja Católica, razão pela qual, apesar de seus crimes, o arcebispo o condecorou com a Ordem Hierosolimitana do Santo Sepulcro e o papa com a Grã-Cruz da Ordem Piana.

“Trujillo liderou uma das ditaduras mais sangrentas da América.”

Quando ele visitou a Espanha, ele vestiu uniformes pomposos que ofuscaram o Caudilho pela Graça de Deus. Ele pediu um título de nobreza, mas só conseguiu fazer que Franco aparecesse nas fotos rindo da sua figura.

Quando tentou assassinar o presidente da Venezuela, Rómulo Betancourt, foi eliminado pela CIA. Já era demais. Era a época em que os Estados Unidos intervinham abertamente nas “repúblicas das bananas” da América Central, algo que nunca aconteceu na América do Sul e se inverteu na América do Norte quando Pancho Villa invadiu os Estados Unidos em 1916.

Nicarágua

A Nicarágua tem uma tradição antiga de ditaduras militares, interrompida na contemporaneidade apenas pelo governo de Violeta Chamorro.

Tachito Somoza foi o terceiro e último membro de uma dinastia que governou o país de 1937 a 1979. Foi nomeado presidente quando o seu irmão morreu, em 1967, e enfrentou a guerrilha sandinista, que o derrubou em 1979. Quando Somoza caiu, a sua fortuna chegava a um bilhão de dólares. Ele fugiu para o Paraguai, onde foi assassinado por um comando sandinista.

Os sandinistas emergiram como uma guerrilha de esquerda que queria acabar com a ditadura. O seu nome invoca Agusto Sandino, revolucionário que lutou contra a ocupação estadunidense da Nicarágua, que terminou em 1933. Quando os Marines se retiraram, criou-se por consenso a Guarda Nacional, cujo primeiro comandante-chefe foi Anastasio Somoza, avô de Tachito, que mandou matar Sandino e estabeleceu a sua dinastia.

Com o surgimento do sandinismo, alguns intelectuais e personalidades nicaraguenses o apoiaram, identificando-o com uma utopia forjada pelo poeta e sacerdote trapista Ernesto Cardenal. Tive a sorte de conhecê-lo. Era um idealista que se entusiasmava com a sua descrição de Siolentiname, ilha na qual havia fundado uma comunidade quase monástica de pescadores e artistas primitivistas, germe de uma sociedade que queria implantar. Cardenal chegou a ser Ministro da Cultura do governo Sandinista, e quando o Papa João Paulo II visitou a Nicarágua, o recebeu ajoelhado na recepção oficial. Wojtyła o repreendeu e apontou para ele com o dedo índice, criticando-o por fazer parte do governo anfitrião da reunião. A foto tornou-se um símbolo do confronto de João Paulo II com as ideias da esquerda. No ano seguinte, o papa suspendeu-o a divinis, para que ele não pudesse administrar os sacramentos até que ser reintegrado em suas funções sacerdotais pelo Papa Francisco, em 2019.

A partir de 1987, Cardenal se afastou de um sandinismo que se transformou em uma ditadura patrimonial. O sandinismo não perdoou que Cardenal criticasse a sua corrupção e, quando ele morreu, os seus militantes profanaram a missa fúnebre, insultando o bispo Rolando Álvarez e atacando os presentes no final da cerimônia.

Daniel Ortega deixou de lutar contra Somoza e se tornou seu herdeiro intelectual. Ao final de seu primeiro governo, comprou por cem dólares a mansão que a revolução havia confiscado de Jaime Morales Carazo, oligarca e colaborador do governo de Somoza. Fizeram as pazes em 2006, quando acertaram trocar a casa pela escolha da candidata à vice-presidência da República.

Com o tempo, Ortega se apropriou de outras propriedades próximas e construiu El Carmen, residência da família, gabinete presidencial e sede da Secretaria Nacional da Frente Sandinista.

Vivem ali vários dos seus oito filhos, altos funcionários do governo que controlam o petróleo, os canais de televisão e empresas de publicidade que recebem enormes contratos estatais. São eles os multimilionários do segundo país mais pobre do continente, e fizeram as suas fortunas à sombra do poder. A única que não compartilha dessa fortuna é a nona filha, Zoilamérica, que denunciou Ortega por abuso sexual em 1998 e teve que se exilar.

Quem governa é a vice-presidente Rosario María Murillo, poetisa, feiticeira e militante. Ele afirma adorar o Jesus recém-nascido, a Virgem Maria e Sai Baba e organiza congressos internacionais de bruxas. Para ela, os heróis da Frente Sandinista e dirigentes como Hugo Chávez e Fidel Castro não morreram, mas “passaram a outro plano de vida” para guiar ainda os processos revolucionários.

Ao ver o que restou da revolução sandinista, vale a pena perguntar: de que serviu? Depois de quarenta anos, a Nicarágua é o segundo país mais pobre do continente depois do Haiti. A maioria dos habitantes quer emigrar; fazem parte das caravanas de centro-americanos que tentam cruzar a fronteira e se estabelecer no capitalismo fracassado. Os únicos que levaram vantagem com a revolução são os membros de uma família corrupta, dedicada à magia, que possui uma das maiores fortunas do continente. Faz sentido que alguns idealistas ainda a defendam?

Haiti

O Haiti foi o primeiro país latino-americano a se tornar independente, em 1804, e é também o mais pobre. Ao contrário de sua vizinha Cuba, que era um país próspero para o qual os europeus migravam para “fazer a América” até 1930, o Haiti sempre foi muito pobre, sem instituições, atormentado por desastres naturais, golpes militares e tiranos irracionais. Tem o triste recorde de ser o único país das Américas em que ninguém foi vacinado contra a Covid, porque o governo rejeitou todas as doações de vacinas que lhe foram oferecidas.

Em 1957, assumiu o poder François Duvalier, mais conhecido como Papa Doc, que após treze anos no poder nomeou como sucessor o seu filho Jean-Claude, conhecido como Baby Doc. O médico, inicialmente católico e membro do Partido Comunista, submergiu-se progressivamente no vudu, uma religião africana com ampla adesão entre os setores populares negros.

Duvalier fomentou a luta dos negros com os mulatos, a quem acusou de serem oligarcas; para ser mais popular, tornou-se um hougan (sacerdote vudu). Isso não o impediu de pactuar com a Igreja Católica, assinando uma concordata pela qual o Vaticano lhe concedeu o poder de nomear os bispos e párocos do seu país.

A prioridade do seu governo foi o combate ao crime. Duvalier criou a sua própria força policial, conhecida como os “tonton macoutes”, formada por criminosos disciplinados, leais ao seu líder. Imbuídas das crenças do vudu, essas milícias estavam convencidas de que estavam cumprindo uma missão superior e que contavam com o apoio dos insetos do país, que também obedeciam a Duvalier.

Papa Doc resolveu que o seu filho Jean-Claude seria o seu sucessor. Este acabou se revelando um jovem bastante tolo, sem qualquer formação, mais interessado em carros esportivos do que na política. Após 15 anos governando o Haiti em meio a escândalos, Baby Doc teve que renunciar. Vários países negaram-lhe asilo e ele acabou se estabelecendo em um elegante apartamento na Côte d’Azur.

O que restou da revolução sandinista leva à pergunta: de que serviu?

Aparentemente, ele levou consigo US$ 1,2 bilhões, grande parte em féretros que levou para o exílio. Em poucos anos ele gastou tudo e foi visto mendigando no metrô de Paris. Duvalier impôs uma Constituição que ainda está em vigor.

Há quase um mês, o presidente Jovenel Moïse foi assassinado em sua residência.

O personagem havia prorrogado o próprio mandato presidencial por um ano e pretendia se eternizar no poder. Nos últimos meses governou por decreto, após suspender toda a Câmara dos Deputados, os dois terços do Senado que não o obedeciam e todos os prefeitos do país. Enquanto isso, a fome, a pobreza e os cortes diários de energia continuaram a afundar o Haiti no caos.

Embora os autores materiais do assassinato fossem colombianos, está claro que a operação foi concebida por seguidores do vudu. Além dos numerosos ferimentos de bala que Jovenel tinha em seu corpo, os seus olhos haviam sido removidos. É a maneira como os assassinos que acreditam no vudu impedem que a vítima os persiga.

*Por Jaime Duran Barba – Professor da GWU. Membro do Club Político Argentino.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.

Mais em Perfil

Últimas Notícias