Fale conosco

O que vc está procurando?

Mundo

Política e o “cliquismo”

Com as redes, se inverteu a relação entre a organização política e o povo,
e hoje em dia é válida a prática do ativismo político com o que chamamos de “clicar”

Política e o cliquismo
O poder da Web de influenciar a política (Crédito: Pixabay)

Vivemos um período de experimentação constante e não existem manuais que digam para onde vamos. A mudança que estamos experimentando não envolve a transição do ponto A para o ponto B, mas sim a transição de um ambiente estável para um instável: a mudança é direcionada do ponto A para o caos.

Malcolm Gladwell critica o poder da Web de influenciar a política. Em seu livro “Pequena mudança: por que não é possível twittar a revolução”, ele contrasta a importância do ativismo político com o que chama de “clicar”. O primeiro muda o mundo em uma direção estratégica e o outro só produz um ruído passageiro que não leva a lugar nenhum.

Gladwell relata o surgimento de um dos movimentos emblemáticos na luta pelos direitos civis. Em fevereiro de 1960, quatro estudantes universitários sentaram-se no restaurante Woolworth’s, em Greensboro, Carolina do Norte. Eles eram calouros na North Carolina A. & T, uma faculdade para negros a cerca de um quilômetro de distância. Um deles, Ezell Blair, disse à garçonete “Eu gostaria de uma xícara de café, por favor”. Ela respondeu “Nós não servimos negros aqui.”

Os quatro protestaram sentados, permanecendo até o fechamento das instalações. Voltaram no dia seguinte com colegas da residência universitária e depois com vizinhos do bairro. A multidão cresceu protestando contra a discriminação racial.

No final do mês, houve protestos em todo o sul, até o oeste do Texas. Cerca de 70.000 estudantes participaram, radicalizados quando centenas foram presos. Um dos eventos mais significativos desencadeados na luta pelos direitos civis que engolfou o Sul por uma década inteira.

Gladwell ressalta que, quando isso aconteceu, não havia e-mail, mensagens de texto, Facebook ou Twitter, mas havia pessoas com convicções profundas. Agora nos dizem que com as redes se inverteu a relação entre a organização política e o povo, as pessoas comuns colaboram, coordenam e expressam suas inquietações sem que ninguém as organize. Anos depois da mobilização de Greensboro, parece que esquecemos o que é ativismo.

O sociólogo de Stanford, Doug McAdam, estudou as atitudes militantes e descobriu que a maioria era motivada mais pelas relações pessoais que desenvolveram nas atividades da faculdade do que pelo fervor ideológico. O grau de relacionamento pessoal do participante com outra pessoa era mais importante do que discursos sobre o movimento pelos direitos civis. O ativismo político, concluiu McAdam, é um fenômeno baseado em “fortes laços pessoais”. Quanto mais amigos críticos do regime uma pessoa tinha, maior a probabilidade de que se juntasse ao protesto.

Contra as redes

O mesmo não acontece com o ativismo associado às redes sociais. As plataformas geram links fracos que vêm e vão facilmente. O Twitter é uma forma de seguir ou ser seguido por pessoas que você nunca conhece. O Facebook nos mantém atualizados com muitas outras pessoas que de outra forma seriam impossíveis de contatar.

É por isso que você pode ter mil “amigos” na Internet, o que é impossível na vida real.

O erro de quem faz política na Internet é acreditar que um amigo no Facebook é igual a um amigo de verdade e que aderir a um grupo de contatos na Internet é o mesmo que pertencer a um grupo político. As redes sociais servem para aumentar o número de participantes ao preço de diminuir a intensidade e o nível de motivação.

Há outra diferença entre o ativismo tradicional e a militância cibernética: as redes enfraquecem ou dissolvem a hierarquia.

Movimentos políticos duradouros são organizados verticalmente, enquanto as plataformas são o oposto em estrutura e caráter. Ao contrário das organizações políticas que possuem regras e rituais, a participação em redes não é dirigida por alguém que centraliza comandos.

As decisões são tomadas de forma imprevisível porque os laços que unem as pessoas são anárquicos.

As redes não têm um impacto sério na política se as pessoas que as usam não estão interessadas em mudanças sistêmicas e querem apenas assustar, rir ou causar sensação. Nesse caso, você não precisa pensar estrategicamente.

A favor das redes

Os argumentos de Gladwell se chocam com as ideias de Clay Shirky, professor da Universidade de Nova York e autor da bíblia do movimento de mídia social Here Comes Everybody.

“The Power of Organizing Without Organizations”, que fala da facilidade e rapidez com que um grupo pode se mobilizar por uma causa que considera correta na era da Internet.
Existe uma força nos laços fracos que nem todos entendem. São os conhecidos, os amigos virtuais, que Gladwell descarta, não os amigos reais, nossa maior fonte de novas idéias e informações. A Internet nos permite aproveitar o poder dessas conexões distantes de forma eficaz. Promoveu a inovação, a colaboração interdisciplinar, a ligação entre compradores e vendedores, novas formas de política. Faz com que muitas pessoas apóiem ​​uma causa, desde que você não peça muito.

As empresas e organizações políticas devem integrar a experimentação constante sem regras rígidas em suas estratégias de longo prazo. Em 1996, as redes sociais não funcionavam, hoje não podemos viver sem elas. Todos devem entender o que pode ser feito com as novas ferramentas, mas acima de tudo, saber que interagimos com seres humanos que mudam radicalmente o tempo todo.

Experimentar

Incorporar a experimentação no desenvolvimento da estratégia não significa que as coisas sejam feitas ao acaso, mas que, além de pensar, é necessário testar, experimentar e verificar as hipóteses de forma permanente. A velha sociedade funcionava de maneira mais previsível. Havia grupos de leitores que admiravam Gabriela Mistral e se organizaram em instituições de pessoas com os mesmos gostos guiadas por uma hierarquia.

Em uma página da Amazon, não há nenhuma chave que nos conecte a um grupo em que alguns nos dizem o que ler. Ele nos conecta com sites onde os usuários colaboram, que nos comunicam sua experiência. Sabemos quais outros livros foram adquiridos por quem comprou o texto que adquirimos e exploramos uma teia infinita de experiências de outras pessoas.

Há uma mudança na “natureza da liderança”. Historicamente, o líder era o responsável pela organização, pois para atingir seus objetivos era necessário uma estrutura de gestão e direção. Hoje existem redes que permitem coordenar grupos de pessoas sem estrutura.

A tese de Shirky nega a ideia de que haja uma teleologia na história porque, aparentemente, a sociedade caminha para um caos crescente, em que as diversidades aumentam ao mesmo tempo que se consolida uma sociedade global.

Até o século passado, muitos acreditavam que a política fazia sentido a partir de confrontos e lutas como aqueles de que fala Gladwell. Os líderes eram motivados por objetivos de longo prazo, às vezes supostamente “universais”.

Quando a revolução soviética ocorreu, seus líderes acreditavam que em poucos anos eles alcançariam Marte para acabar com o capitalismo extraterrestre e também que a revolução se imporia em toda a terra para torná-la a “pátria da humanidade”.

O enorme desenvolvimento da ciência nas últimas décadas e o surgimento de alternativas políticas e religiosas além do Ocidente, fez relativizar a ideia de que Kim Il Yung era um líder imortal da humanidade. A revolução que progrediu sem parar até a queda da União Soviética. Que a história estava indo em uma direção transcendente foi substituída por The Adventure Around the Corner por Pascal Bruckner e Alain Finkielkraut.

Transformações

Os tempos históricos se aceleraram. O que perdia a validade em décadas, agora se transforma em poucos anos. A controvérsia sobre as economias de planejamento central e a livre iniciativa que durou tantos anos repentinamente perdeu o sentido quando todos os países do mundo, com exceção da Coréia do Norte e Cuba, se desenvolveram por meio de economias de mercado imponentes.

O “pobrismo” e o retorno à sociedade agrária de Pol Pot que destruiu o Camboja não interessam a quem se empolga vendo, ao vivo e direto, a chegada do robô Perseverance a Marte. Como diz Shirky, precisamos estar abertos para a mudança constante da realidade e as hipóteses que servem para analisá-la.

Nas últimas eleições equatorianas, a maioria dos analistas acreditava que o eixo seria um confronto entre os apoiadores de Rafael Correa e seus adversários, como aconteceu no primeiro turno de 2017, quando 83,75% dos equatorianos decidiram votar naquele tema. Antecipamos nesta coluna que dois novos candidatos, Yaku Perez e Xavier Hervas, cresceram fora dessa questão e poderiam até mesmo ir para o segundo turno.

A metade do país que não tomou partido na velha discussão vai decidir quem será o novo presidente. Ele é movido por novas unidades. Pérez e Hervas eram quase desconhecidos a nível nacional recentemente, mas têm um futuro importante, se mantiverem a sua novidade e não voltarem a discursos arcaicos.

O resultado do segundo turno foi totalmente aberto, vai depender de como Andrés Arauz e Guillermo Lasso conseguirão atrair eleitores com uma nova visão de mundo.

Há um movimento para desqualificar Arauz, argumentando que ele recebeu ajuda financeira da guerrilha colombiana.

Além de qualquer outra consideração, o tópico está desatualizado. Quem quer assustar o eleitor com o fantasma da guerrilha não leva em conta que a Guerra Fria acabou. Essas são coisas que mantêm acordados aqueles que ainda não alcançaram o século XXI.

  • Por Jaime Duran Barba – Professor da GWU. Membro do Clube Político Argentino.

Este texto foi traduzido para o português do site Perfil Argentina.

Mais em Perfil

Últimas Notícias