Fale conosco

O que vc está procurando?

Saúde

Pandemia provoca aumento em casos de transtorno de compulsão alimentar

Especialista Alexander Bez alerta sobre as consequências do distúrbio e esclarece sobre os tratamentos adequados para a cura do transtorno

Pandemia provoca aumento em casos de transtorno de compulsão alimentar
(Crédito: Canva Fotos)

Nesse período de pandemia muitas situações estão fora da normalidade, independente da circunstância, e durante esse período o emocional de diversas pessoas foi abalado, causando doenças e transtornos como a compulsão alimentar.

As situações de incertezas, inseguranças, dúvidas e desconforto são cada vez mais comuns, sensações que são provocadas pela pandemia e desenvolve em muitos indivíduos a ação de comer compulsivamente.

Entretanto, quando nós falamos em ‘binge eating’ (comer compulsivamente), é uma nomenclatura que já existia, porém, motivada por outras razões psicológicas e não à condição pandêmica.

Como consequência da Covid-19, o transtorno de compulsão alimentar também chamado de ‘Covid Binge Eating Disorder’ acarreta uma extensa ambiguidade sintomatológica, desenvolvida pela associação da ansiedade especificamente pandêmica e do estresse pandêmicoesclarece o psicólogo Alexander BezQuando o indivíduo tem o transtorno de ‘binge eating’, ele passa a comer algum alimento da sua preferência de forma compulsiva, até o momento que ele se sinta saturado”, complementa o especialista.

A conduta comportamental é isolada nesses casos, e não é classificada com um Transtorno de estresse pós-traumático (TSPT), na vertente alimentar

A Covid-19 já apresenta mais de quatro variantes e cada uma delas com sintomas diferentes, o vírus também se manifesta de forma distinta no organismo da pessoa infectada, e a perda de paladar e olfato (que em alguns casos pode demorar até seis meses ou mais para voltar) pode ser um gatilho para a “compulsão alimentar isolada”, que acontece em casos atípicos e se torna crônica, migrando para a uma compulsão alimentar mais severa, alerta o especialista.

A ‘binge eating’ é uma sensação de extravasão psicológica não crônica, mas ocasional, momentânea e intencional, planejada. A compulsão alimentar provoca a sensação de culpa, vergonha e a falta de controle pessoal, em alguns casos isolados essa ação está ligada também a pessoas sozinhas.

A ‘Covid Binge Eating Disorder’ por ser mais prolongada e ser repetida com frequência, pode desencadear consequências físicas e psicológicas como:

  • Pressão Arterial
  • Aumento dos marcadores sanguíneos (colesterol, glicemia, triglicérides)
  • Sobrepeso
  • Elevação do risco cardiovascular
  • Artrite óssea
  • Apneia
  • Preocupação constante
  • Perda do controle
  • Diminuição da autoestima
  • Perca do foco
  • Desatenção
  • Debilitação psicológica
  • Diminuição da produtividade profissional

Nos quadros de transtorno de compulsão alimentar, o paciente consegue tratar totalmente esse distúrbio, seja ele motivado especificamente na pandemia ou não, o tratamento indicado é a psicoterapia, intercalado com ansiolíticos e antidepressivos. É indicado também o tratamento coadjuvante, que se baseia em exercícios físicos como musculação, aeróbico, participar de grupos de apoio, realizar atividades sociais e melhorar a alimentação com dietas especificas conforme a necessidade do paciente, auxilia no processo de recuperação”, finaliza Alexander Bez.

Mais em Perfil

Últimas Notícias