A sociedade em rede

As transformações em todos os campos estão cada vez mais próximas. No espaço de sessenta anos, a vida no mundo industrializado mudou além do reconhecimento, mais do que qualquer pessoa nascida na primeira metade do século 20 poderia imaginar

A sociedade em rede
A velocidade da mudança chegará a limites inimagináveis ​​não apenas com a internet 5G, mas também com a computação quântica (Crédito: Canva Fotos)

Muitos não assimilam a importância das mudanças ocorridas nesses anos em todas as esferas da vida e o modo como funciona a sociedade em rede. O ser humano vinha vivenciando a colossal transformação típica da terceira revolução industrial, quando se acelerou com a pandemia.

Publicidade

A política depende sobretudo da comunicação e não pode ser analisada com as ferramentas que usávamos até alguns anos atrás. Especialmente em termos de conexão das pessoas entre si, tudo é radicalmente novo. A democracia representativa está morrendo.

As pessoas experimentam naturalmente as transformações das formas, conteúdos e ferramentas da sociedade das telas, obtêm uma parafernália de objetos físicos e virtuais, atualizam-se, obtêm informações, confundem com treinamento e opinam com desconhecimento solvente sobre tudo o que se possa imaginar.

Sempre gostei de astronomia, matemática e ciências. Quando eu era adolescente, costumava pedir às livrarias de Quito, no Equador, que me avisassem se chegava algum livro sobre esses temas para que eu pudesse comprá-lo. Recebi cerca de quatro ou cinco por ano, com algumas informações sobre Marte e o sistema solar.

Quando eu era estudante universitário, viajei várias vezes para as duas cidades onde estavam localizadas as maiores livrarias da América Hispânica. Em Buenos Aires, na Argentina, havia El Ateneo na rua Florida, no México o Gandhi de Miguel Ángel de Quevedo, que hoje é um pequeno local de venda de saldos. Fiquei o dia todo naqueles lugares para revisar textos de poesia, literatura, filosofia, astronomia, religião e política.

Publicidade

Em seguida, desceu a Avenida Corrientes e a Calle de los Donceles, onde havia sebos, administrados por sábios livreiros, que conheciam autores e edições tão antigas quanto novas.

Em algumas viagens me dediquei a vasculhar montanhas de livros incríveis, que em vários casos foram integrados à minha biblioteca e quase não consegui ver mais nada daquelas cidades.

Poucos anos se passaram. Ainda amo meus livros de papel, mas eles e eu tivemos que nos adaptar aos novos tempos e compartilhar a vida com textos eletrônicos. No início foi difícil aceitá-los, porque gosto de acariciar as capas, as páginas, apreciar a textura do papel. É emocionante escrever anotações nas margens, tem um charme diferente da nota de e-book.

Publicidade

Participo da vertiginosa velocidade da produção de conhecimento da época. Assino The New Yorker, The Economist, Newsweek, leio com frequência o New York Times e The Washington Post, Veja, Noticias, Proceso, os principais jornais argentinos, mexicanos, espanhóis e brasileiros.

Quando encontro uma resenha interessante de um livro, compro-a imediatamente e geralmente a leio algumas semanas após sua publicação. Quando estou interessado no que está acontecendo em qualquer país, leio a imprensa local. Não importa se está publicado em qualquer idioma, porque se estou interessado no Irã e o artigo está em farsi, o computador o traduz automaticamente.

Leio avidamente as entrevistas que Jorge Fontevechia faz com intelectuais e personalidades dos mais diversos lugares. Eles fornecem novas perspectivas e permitem que você pense com mais liberdade. Mas a paixão por revistas, livros antigos e edições difíceis de encontrar é indeclinável e se fortalece na era da Internet, graças a ferramentas como o Mercado Livre. Este ano consegui obter as primeiras edições de Amor brujo, de Roberto Arlt; a Carta aos Poderes, de Antonin Artaud, e Buenos Aires, cotidiano e alienação, de Juan José Sebreli.

Publicidade

Gosto das intensas experiências estéticas que se obtêm lendo ou ouvindo música em determinados contextos. Em alguns lugares da costa equatoriana o mar ruge de forma avassaladora. É o cenário ideal para ler, no meio da noite, gritando, Uma temporada no inferno de Arthur Rimbaud: “Sou de uma raça inferior por toda a eternidade. Aqui estou eu na praia Armorican. As cidades agora podem ser iluminadas à noite. Minha jornada está feita; Eu deixo a Europa. O ar do mar vai queimar meus pulmões; Climas remotos vão me assar.”

Os textos de Dino Buzzati cheiram a floresta, o Barnabó das montanhas ou O Segredo da Floresta Velha tornam-se mágicos quando você os lê no meio de uma floresta de eucaliptos. Mas a tecnologia avançada permite que você experimente novos prazeres, como sentar no banco de uma igreja colonial de Quito e ouvir a Missa Angelis, uma obra-prima monofônica, em volume máximo, sem incomodar ninguém.

Durante a pandemia, os perigos reais e minha hipocondria quase me paralisaram. Acostumado a voar todos os meses para dar palestras, cursos, participar de seminários, de repente me vi recluso no apartamento-biblioteca onde moro há mais de trinta anos.

Publicidade

Antes, essa mesma situação teria me condenado ao ostracismo. No entanto, nunca viajei tanto como neste tempo de isolamento. Pude manter contato permanente com acadêmicos, políticos e figuras importantes de vários países. Acompanhei detalhadamente todas as eleições que me pareceram interessantes, participei de reuniões do Zoom com candidatos, equipes de campanha e presidentes.

Tantos anos de ensino me permitem ter uma rede de ex-alunos e amigos em quase todos os países do continente, que me fornecem pesquisas e informações atualizadas. Em muitas ocasiões, eu estava mais bem informado do que os próprios candidatos ou líderes políticos.

Fui destaque nos Pandora Papers, uma lista dos milionários do mundo. Disseram que eu era dono de empresas que tinham investimentos em minas norte-americanas e na Suíça. Parece que fui listado como sócio de duas empresas que nunca funcionaram, fundadas há vinte anos por amigos e parentes. Nunca participei de reuniões da empresa, me falta tempo para fazer o que me deixa feliz.

Desde então recebo ofertas engraçadas. Na sociedade da internet, algumas empresas obtêm endereços de e-mail de clientes em potencial e tentam vender seus produtos. Há quem me ofereça carros com nomes estranhos.

Nunca me interessei por carros, nem sei nada sobre eles. Há dois anos comprei meu último carro, quando percebi que o anterior, que me durou mais de vinte anos, tinha um toca-fitas. É perda de tempo enviar catálogos para vender carros de luxo para quem só distingue a altura dos caminhões.

Também recebo e-mails com catálogos de joias e relógios com preços exorbitantes. Nunca entrei em uma joalheria, nem estou interessado em comprar uma peça de metal ou vidro exótico. Nem os relógios.

Tenho um que minha família me deu quando fui nomeado chefe de gabinete e mais dois que uma famosa apresentadora de televisão argentina, que admiro, me deu quando fui ao seu programa. Eu gosto de guardar memórias, mas usar um relógio me estressa.

Não sou um cliente em potencial para comprar coisas que não me interessam, mas tenho certeza de estar em uma lista de magnatas. Espero que eles me ofereçam a possibilidade de viajar para a estratosfera, o que é algo que me interessaria, embora eu não possa pagar.

A velocidade da mudança

O avanço da tecnologia está acelerando o tempo todo. Segundo Raymond Kurzweil, a lei dos retornos acelerados estabelece que há um aumento na taxa de progresso tecnológico, social e cultural, o que produz mudanças cada vez mais rápidas e profundas. Sua velocidade cresce exponencialmente a cada dia.

A lei de Moore descreveu um padrão de crescimento exponencial na complexidade dos circuitos semicondutores integrados e também um declínio exponencial em seus preços, tornando-os disponíveis para mais pessoas.

Kurzweil estende isso a todas as tecnologias futuras, além dos circuitos integrados. Ele diz que sempre que um avanço tecnológico atinge uma barreira, surge uma nova técnica que permite que esse obstáculo seja superado. A revolução que vivemos invade todas as esferas da realidade, levará a “mudanças tecnológicas tão rápidas e profundas que significarão uma ruptura no tecido da história humana” e chegaremos à singularidade tecnológica por volta de 2045.

Uma análise da história da evolução mostra que a velocidade da mudança cresce exponencialmente, contrariando a visão “linear intuitiva” do senso comum. No século 21 não experimentaremos o progresso de cem anos, mas de mais de 20 mil anos.

Em poucas décadas, a inteligência das máquinas ultrapassará a inteligência humana, levando-nos a mudanças tecnológicas tão rápidas e profundas que significarão um novo salto na evolução.

Na história da evolução, as formas de vida mais complexas evoluem muito mais rápido que as simples, com intervalos cada vez mais curtos para o surgimento de novas formas. O tempo que levou para os seres complexos aparecerem das algas vermelhas foi muito maior do que o tempo que levou para o Homo sapiens aparecer do Cro-Magnon.

Agora temos a capacidade de projetar com eficiência, intencionalmente, mudanças que substituem os mecanismos relativamente cegos de seleção pela eficiência da evolução, aumentando exponencialmente a taxa de transformação dos humanos e dos objetos que eles controlam.

Ao mesmo tempo em que mudamos o mundo, descobrimos formas mais eficientes de comunicar e aprender, como a linguagem corporal, a integralidade da mensagem, os números, a linguagem escrita, a filosofia, o método científico, aperfeiçoamos os instrumentos de observação, a capacidade dos computadores para coletar e processar informações.

As transformações em todos os campos estão cada vez mais próximas

No espaço de sessenta anos, a vida no mundo industrializado mudou além do reconhecimento, mais do que qualquer pessoa nascida na primeira metade do século 20 poderia imaginar.

A velocidade da mudança chegará a limites inimagináveis ​​não apenas com a internet 5G, mas também com a computação quântica, que aumentará a velocidade dos computadores.

*Por Jaime Duran Barba – Professor da GWU. Membro do Clube Político Argentino.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.