Homem acusado por duplo feminicídio no RJ é condenado por incêndio

O crime cometido por Rodrigo Marotti ocorreu em outubro de 2019; famílias disseram que vão recorrer

Homem acusado por duplo feminicídio no RJ é condenado por incêndio
A polícia disse que, quando crime aconteceu, o homem se desentendeu com a ex-namorada devido a gestão de um negócio que tinha juntos (Créditos: Canva)

Homem acusado de matar ex-namorada, Alessandra Vaz, e a amiga dela, Daniela Mousinho, em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, foi condenado a 19 anos e 4 meses de prisão. Em seu julgamento, que teve duração de 12 horas no Fórum de Nova Friburgo, o júri desconsiderou feminicídio e a intenção de matar, o que gerou revolta para as famílias das vítimas. O crime ocorreu em outubro de 2019. Rodrigo Marotti foi condenado pelo crime de incêndio com resultado de mortes. As famílias disseram que vão recorrer.

Publicidade

“Nós estamos todos embasbacados com a decisão do júri de absolvê-lo do dolo do crime. Estamos embasbacados com a frieza como as pessoas podem tratar o feminicídio de duas mulheres. Frieza tal que desconsiderou o feminicídio da minha mãe e da Alessandra. É de um absurdo imenso que você olhe pra um crime desse, que você ouça os advogados falarem o dia inteiro, que você ouça diversas testemunhas falarem que um homem pegou um colchão, ateou fogo e colocou na porta do banheiro que era a única das duas mulheres e que no final ele não teve intenção de matá-las. Isso é um absurdo. Então nós estamos muito revoltados com a decisão do júri”, disse Luiza Mousinho, filha de Daniela.

De acordo com o G1, na própria sessão do julgamento, o Ministério Público do Estado do Rio de janeiro recorreu por entender que a decisão dos jurados foi manifestamente contrária à prova dos autos. Este recurso terá por objetivo a anulação do júri para submeter o acusado a novo julgamento perante o Tribunal do Júri, para que ele seja condenado por duplo feminicídio em nova sessão plenária. Na internet, a família de Alessandra fez uma campanha pedindo pena máxima pelo crime.

“Ele só pegou 19 anos. A acusação vai recorrer. Tá todo mundo indignado com essa sentença”, disse uma amiga da irmã de Andressa Vaz, irmã de Alessandra, que acompanhou o julgamento.

A polícia disse que, quando crime aconteceu, o homem se desentendeu com a ex-namorada devido a gestão de um negócio que tinha juntos. Rodrigo teria trancado Alessandra e sua amiga Daniela em um banheiro e ateou fogo na casa. No dia seguinte do crime, ele foi preso. Ambas tiveram queimaduras graves, foram socorridas mas morreram dias depois devido aos ferimentos.

Publicidade

Por meio de uma nota, o MPJR, disse que depois do julgamento pelo Tribunal do Júri, os jurados entenderam que não houve intenção de matar na conduta do acusado, na qual desclassificou o crime e transferindo a competência para o julgamento para a juíza presidente, que condenou Rodrigo pelo incêndio qualificado com resultado de morte e furto praticado durante o repouso noturno, sendo assim, 19 anos e 4 meses em regime fechado.

Publicidade