Biden reafirma apoio dos EUA à Ucrânia

O presidente dos Estados Unidos estuda possibilidades de apoio macroeconômico adicional

biden-reafirma-apoio-dos-eua-a-ucrania
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden declara seu apoio à Ucrânia e estudas possibilidades de ajuda (Crédito: Chip Somodevilla/Getty Images)

O presidente Joe Biden, reafirmou o seu apoio à Ucrânia. Nesta quinta-feira (27), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden reafirmou, em uma ligação com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, o seu apoio ao país e a disposição de Washington para informar se a Rússia vai invadir a Ucrânia.

Publicidade

Biden afirmou para Zelensky, que os Estados Unidos estuda a possibilidade de ajudar a Ucrânia de forma econômica, em meio à pressão do aumento militar da Rússia. A capital dos Estados Unidos, também tem apoiado a Ucrânia.

No twitter o presidente Joe Biden afirmou “Falei com o presidente ucraniano Zelenskyy para discutir nossos esforços diplomáticos coordenados e reafirmar nosso apoio à soberania e integridade territorial da Ucrânia. Responderemos decisivamente junto com nossos aliados e parceiros, se a Rússia invadir ainda mais a Ucrânia.”

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky também compartilhou em sua rede que teve uma conversa por telefone com Biden, no qual eles discutiram esforços diplomáticos em andamento para diminuir a escalada e que além disso, concordaram em uma ação conjunta para o futuro.

Zelensky, agradeceu o presidente dos Estados Unidos pela assistência militar contínua. Além do mais, também foram discutidas as possibilidades de apoio financeiro ao país ucraniano.

Publicidade

Nesta semana o presidente da Ucrânia, agradeceu por mais um apoio. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ofereceu assistência macrofinanceira ao país.

“Agradecido por @vonderleyen pela decisão atempada da UE de conceder 1,2 mil milhões de euros de assistência macrofinanceira à Ucrânia. A Ucrânia forte é fundamental para a segurança europeia. A UE volta a manifestar o seu firme apoio à Ucrânia Aperto de mãos”.