Guillermo del Toro afirma, “Ser um monstro é ser humano”

*Por Juan Manuel Dominguez

Guillermo del Toro afirma, Ser um monstro é ser humano
Guillermo del Toro, vencedor dos prêmios de Melhor Diretor e Melhor Filme por ‘A Forma da Água’, na 90ª edição do Oscar (Crédito: Frazer Harrison/ Getty Images)

O diretor mexicano, Guillermo Del Toro, regressa depois de ganhar o Oscar com A Forma da Água. Seu retorno ocorre com “The Alley of Lost Weapons”, sua colaboração com Bradley Cooper. Sua visão de monstros e sua capacidade atual de dizer o que quer em Hollywood.

Publicidade

O beco das almas perdidas

Era o início dos anos 90, e Guillermo Del Toro, que ainda não imaginava que ganharia um Oscar décadas depois, recebeu um livro do ator Ron Pearlman: “The Alley of Lost Souls”. Um clássico entre o secreto e o popular, sobre feiras e monstros. Hoje, Del Toro é o diretor de uma nova adaptação do livro, que acaba de ser lançado e estrelado por Bradley Cooper, e, claro, onde seu amigo Ron Pearlman passa o tempo. Cooper representa algo novo no cinema de del Toro, e não: “Normalmente, sempre, nos meus filmes há sempre monstros ‘humanos’. Há a memória de Michael Shannon em A Forma da Água, Sergi Lopez em O Labirinto do Fauno. Esse personagem é uma expansão desses personagens para todo o longa-metragem, ou seja, deixar de ser o que os outros reagem e vê-lo operar, por conta própria, por vontade própria”.

E acrescenta: “O personagem de Eduardo Noriega em El espinazo del diablo é definido como ‘um príncipe sem reino, um homem sem amor’. O personagem de Sergi López tem um problema com a sombra do pai, é isso que estou lhe dizendo. Michael em A Forma da Água é ambicioso, alpinista, solitário. Aí está, mas esse filme me deu a oportunidade de examinar isso de uma forma mais psicologicamente complexa e isso foi maravilhoso. Porque então, o horror não está em nenhum outro lugar senão na cabeça do personagem, naquela ambição, naquele buraco em seu coração. Essa ambição que não tem, como dizem em Guadalajara, enchendo. Quando você vive com um buraco, nunca é suficiente.”

Você diz que neste caso é um monstro, falando do personagem de Bradley Cooper, que está sempre à vista, como mostrá-lo então para que não seja apenas isso? Porque o filme oscila entre mostrar assim e não.

A compreensão de sua dimensão humana, a compreensão ou empatia que ele possa ter, ou gerar você, não funciona contra a brutalidade de suas ações. Os grandes monstros da história humana têm um lado que você pode entender, de qualquer maneira. Obviamente isso não significa que você concorda, mas ser um monstro é ser humano, sem dúvida. Todos nós temos um pôr-do-sol, um momento com a família, um cachorro que te conecta a algo mais alto, todo mundo. Então, como você lida com o fato de que todos podem sentir amor, mesmo os monstros que causam dano? Do jeito que está quebrado, às vezes não permite ver os outros, e isso gera uma solidão total. O difícil de levar ao cinema não é mentir: não estou trapaceando, no começo do filme mostro você arrastando um cadáver. Aos poucos vamos decifrando, vamos entendendo. Mas nunca escondi de você o seu mistério, o que não mostra aos outros. Talvez a missão mais importante, nossa esperança com o co-roteirista Kim Morgan, seja que você possa entendê-lo, independentemente de aprová-los ou não. Que você entenda a solidão, que é algo muito dos nossos tempos.

Publicidade

Este filme chega aos cinemas, mas Pinóquio, sua versão do clássico que acaba de ser anunciado, está em streaming. Como você vive essa era de ouro do conteúdo e o que você acha que vai acontecer?

Para mim há dois caminhos que se cruzam. Temos que ver se vamos para a direita, para o canto superior esquerdo, bem, isso ainda está para ser visto. Ou se vamos dar a volta por cima. O Covid afetou profundamente as bilheterias, principalmente porque o público adulto não quer correr o risco de ir ao cinema. Nas plataformas, e te digo a nível pessoal, o tamanho de um filme é a sua ambição cinematográfica. Você pode ter um grande filme, que você viu em uma plataforma. Mas também, aqui falamos entre latinos: quantos clássicos que nos afetaram profundamente vimos em uma tela de televisão de péssima qualidade? Metrópoles, por exemplo, eu vi na televisão, quando López Moctezuma apresentou. A primeira vez que vi um Hitchcock foi na televisão. A primeira vez que vi um clássico do cinema mexicano foi na televisão. Então, não acho que os cinemas vão desaparecer. Sim, será uma experiência mais limitada para um determinado tipo de cinema. Tudo na vida, depois de 57 anos aqui, vem com seu lado bom e seu lado ruim. Olha, a vida é um sanduíche de porcarias: tem mais pão ou menos pão, mas sempre tem porcarias.

Qual seria o pão neste cenário?

Publicidade

É simples: faço upload de Pinóquio há mais de 15 anos e nenhum estúdio queria fazer isso. E eles imediatamente disseram ‘Ok agora’. Além da manchete, esse fenômeno merece ser respirado. Agora estamos inalando e já queremos saber o resultado. Essas mudanças vão levar anos, para saber onde quem cai e como. Filmes que os estúdios costumavam rejeitar sistematicamente agora estão sendo feitos. O mais interessante e importante é que podemos continuar contando histórias.

Existe uma leitura deste filme que fala sobre a indústria do entretenimento?

Acho que está no germe da história. O romance fala sobre o capitalismo e sua chegada. O filme fala de algo de origem, de uma tendência humana, de ambição e insaciabilidade. Da destruição de uma pessoa quando criança, o interessante é o fenomenológico, senão o espiritual. A mentira é a sua relação consigo mesmo, com o seu espírito; só você sabe que está realizando e escolhe essa forma de se conectar com o mundo. A mentira é veneno, que envenena você e o mundo. Nutrição oca, popularidade, fama, cliques, seguidores, votos: há um vazio muito mais original do que o capitalismo em nossas formas mais superficiais. O filme, meu filme, segue um personagem e permite compreendê-lo pouco a pouco. Essa é a grande diferença entre o filme noir clássico e o que fazemos neste filme. Bradley Cooper está espiritualmente nu neste filme.

Publicidade

O diretor Paul Schrader disse que este é o seu melhor filme e a melhor atuação de Bradley Cooper. Como você recebe esses elogios?

Olha, quando um elogio vem de um colega, de um diretor, tem um peso muito específico. Eles conhecem a arte e o ofício que envolve isso. Posso falar com um diretor sobre uma boneca, um guindaste e, por outro lado, em uma entrevista, tenho que me limitar a uma certa profundidade que os gestos fílmicos não podem alcançar. Concordo com ele que se não é o melhor, é pelo menos o meu filme mais complexo. E também que bênção na minha vida que Bradley Cooper está agora como ator é algo extraordinário. Essa é uma cumplicidade que se a luz, o plano, a escrita, o ator não estão certos, não acontece. Acho que todos os envolvidos fizeram o seu melhor. Paul me disse isso, William Friedkin também, e um diretor cujo nome não posso dizer.

Cadernos do criador

É famoso que Guillermo del Toro gerava na hora de cada projeto, aconteça ou não, alguns cadernos, adorados pelos fãs, com suas ideias na hora do design. Lá estão seus monstros, seus mundos, suas cores. Mas o vencedor do Oscar por A Forma da Água tem uma resposta que o faz rir alegremente desse conceito hoje: “Felizmente, desenho e esboço cada vez menos, e isso tem a ver com o fato de ter colaboradores cada vez mais frequentes. Agora tenho a sorte de escrever à medida que prossigo, antes de ter que esperar anos para que um projeto fosse feito. Aqui, no Beco das Armas Perdidas, fiz alguns desenhos, mas não exatamente. Eu o desenhei com a venda, o bebê Ciclope, o círculo que define o filme. Havia a ideia de perder a cor vermelha quando saíssem do carnaval. O que é inebriante da melhor maneira para mim é o vínculo com os atores e a intimidade que consegui construir com Bradley Cooper que não construí com nenhum outro colaborador antes.”

Publicidade

Por que optar por um clássico em vez de uma ideia original?

Bem, é uma versão de um clássico, não um remake. Há muitos aspectos do livro que não foram explorados na primeira adaptação. Uma nova versão de Macbeth não é um remake. Para mim, meu filme é completamente novo, e sua abordagem visual é nova e sentida. Não vejo risco. Foi um gigantesco desafio criativo. Nunca mais vi a versão original. Mas primeiro na minha vida foi o livro.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.