Quinn Slobodian relata “A pandemia transformou radicalmente o consenso sobre como deveria ser o comércio mundial”

Seu livro “Globalistas, o fim dos impérios e o nascimento do neoliberalismo”, aponta que o paradigma que dominou a economia e a política mundial está em crise. E não apenas por causa da pandemia: questões aparentemente tão diferentes entre suas causas, como a desigualdade social ou as mudanças climáticas, devem ser respondidas, em sua opinião, com novas ideias sobre ordem social. Slobodian sugere um tratamento político da dívida externa e atenta para novas formas de vincular regiões e pessoas

Quinn Slobodian relata A pandemia transformou radicalmente o consenso sobre como deveria ser o comércio mundial
Historiador do pensamento econômico Quinn Slobodian (Crédito: Divulgação/ hpeproject.org)

Quinn Slobodian, na introdução de seu livro “Globalistas” pode-se ler o seguinte parágrafo: “O projeto neoliberal estava focado em desenhar instituições que, em vez de liberar os mercados, os aprisionassem, que vacinassem o capitalismo contra a ameaça da democracia”. Seu livro foi escrito antes da pandemia. Você pensou no uso do verbo vacinar neste momento?

Publicidade

Esta é uma boa pergunta. Minha intenção era contrariar o discurso “livre mercado” ou “sem algemas” dos anos 90 e 2000 que tanto ouvimos. Se olharmos para a infraestrutura legal que foi construída naquele período, era muito mais um confinamento ou isolamento de certas formas de comércio e transação econômica entre indivíduos e entre nações do que a aparência de um espaço aberto. A metáfora da vacinação implicava que havia certas condições presas ao sistema econômico global que persistiriam mesmo que os setores democráticos se opusessem a ela. As empresas podem processar países. As agências de classificação de crédito tinham poderes além dos governos democraticamente eleitos. A pandemia transformou radicalmente o consenso sobre como deveria ser o comércio mundial. Já havia sido quebrado em 2016, com a linguagem de Bernie Sanders e Donald Trump, empurrando mais para um modelo de desenvolvimento nacional. Foi acelerado em 2020 pela escassez de insumos como equipamentos de proteção individual, vacinas e o caos da cadeia de suprimentos do capitalista global. O interessante desse momento é que poucas pessoas imaginam o comércio global como um sistema livre e irrestrito.

Na Argentina, discute-se a dívida contraída com o Fundo Monetário Internacional no último governo, que, em termos concretos, tem vencimento em 2022 impagável com as reservas do Banco Central. Se você fosse, como Joseph Stiglitz, assessor do governo argentino, sugeriria não pagar?

Como historiador, não estou qualificado para responder. Mas estamos em um momento de abertura e possibilidades radicais. O FMI responde à administração presidencial dos EUA. Se eu tivesse um ponto de decisão na Argentina, pensaria que este é um momento oportuno para forçar limites. Joe Biden busca notícias favoráveis ​​antes das eleições de meio de mandato. Se pudesse expressar sua progressiva boa-fé mostrando mais abertura no cancelamento de dívidas com países como a Argentina, poderia dar-lhe maior legitimidade. Com as patentes das vacinas, o governo Biden estava disposto a mudar quando se tratava de propriedade intelectual. Este é um bom momento para pressionar e ver até onde o governo dos EUA está disposto a ir. Minha sugestão seria atacar enquanto o ferro está quente.

“A ficção de um mercado puro é quase sempre enganosa.”

Publicidade

Em dezembro de 2021, o Banco Mundial divulgou um relatório que começa assim: “A pandemia está causando retrocessos no desenvolvimento e revertendo os esforços para acabar com a pobreza extrema e reduzir a desigualdade. Devido à covid-19, a pobreza extrema aumentou em 2020 pela primeira vez em mais de vinte anos e cerca de mais 100 milhões de pessoas vivem com menos de 1,90 dólares por dia”. A pandemia de extrema pobreza é a que se seguirá ao coronavírus?

O fracasso real das nações poderosas e ricas em agir no interesse coletivo foi desmoralizante. Eles agiram em seu próprio interesse. Se pensarmos na pandemia como um ensaio geral para o desafio da crise climática, vimos os Estados Unidos e a UE tomarem uma decisão atrás da outra que é melhor para eles no curto prazo, mas muito prejudicial no meio. O exemplo é a vacinação. Mesmo com a Ómicron, e a Delta anteriormente, demonstraram a decisão de não expandir a oferta de vacinas para os países mais pobres, apenas criaram as condições para que uma cepa mais virulenta do vírus pudesse se espalhar. Os Estados Unidos e outros países ricos sabem que é do seu interesse vacinar a todos, mas a política interna torna esse tipo de coisa impossível. A mudança do consenso neoliberal para a política industrial, para a devolução das cadeias de suprimentos dentro das fronteiras dos Estados Unidos ou da UE, provavelmente terá um efeito exacerbador sobre a pobreza. A linguagem da ajuda externa ou do desenvolvimento internacional é bastante pobre. Não é provável que esteja no topo da agenda de qualquer administração. Se falamos de pobreza extrema em lugares como a África Subsaariana, estamos diante de um momento de exacerbação. Os lugares onde a pobreza diminuiu mais nas últimas duas décadas são a Índia e a China.

Seu livro “Globalistas” começa com a seguinte epígrafe, de Wilhelm Röpke: “Um país pode criar seus próprios invasores bárbaros”. Esses invasores são as elites?

Publicidade

É uma questão interessante. O contexto em que o alemão liberal Wilhelm Röpke escreveu isso foi que a disseminação da democracia e a disseminação do trabalho organizado que criaram uma situação em que havia bárbaros dentro: elementos disruptivos para a continuação do capitalismo liberal, pessoas que queriam mais igualdade, mais propriedade pública ao invés do privado, maior participação dos trabalhadores na economia. Se a questão é quem são os bárbaros de hoje, do ponto de vista do povo da tradição Röpke, da tradição do libertarianismo conservador e do neoliberalismo, o que eles veem é que os verdadeiros herdeiros da classe trabalhadora agora são as elites. Eles acreditam que apenas as elites continuam a subscrever a ideologia do socialismo. Do ponto de vista dos conservadores, houve uma curiosa inversão. A ameaça ao capitalismo era a pessoa comum. Agora é a elite. Pessoalmente, não acho que isso seja verdade. É melhor pensar no conjunto de incentivos materiais que produziram o tipo de instituições que temos agora e onde estão as alavancas para produzir uma mudança.

Você diz na introdução do livro: “Isso mostra que os autointitulados neoliberais não acreditavam em mercados autorregulados como entidades autônomas. Democracia e capitalismo não pareciam sinônimos para eles”. Como a mudança deve ser explicada?

Às vezes, os críticos do neoliberalismo tornam isso fácil demais para eles quando o descrevem como uma ideologia que acredita em indivíduos atomizados, uma réplica do Homo economicus que busca maximizar os lucros e se separar de quem depende deles. Não descreve a ideologia neoliberal. A história mostra que o neoliberalismo surgiu da crise econômica global da Grande Depressão. Muitos neoliberais da época acreditavam que a Grande Depressão havia sido causada pelo capitalismo, fugindo das instituições da moralidade, da família, dos laços sociais. Sua teoria seria o estudo das condições extraeconômicas para o sucesso do sistema. O que eu digo no livro é que em um ponto você vê como as estruturas sociais ou instituições sociais necessárias incorporam um modelo neoliberal de organização. A ficção de um mercado puro é enganosa. Isto é o que se conclui da leitura das obras de Wilhelm Röpke, Friedrich Hayek, até Ludwig von Mises. Todos estão muito atentos ao tipo de condições que permitem um capitalismo saudável, em vez de assumir um mercado isento dessa condicionalidade.

Publicidade

Você disse: “Os obituários do neoliberalismo são quase tão antigos quanto o próprio termo”. O fim da história, no sentido hegeliano, apontado por Francis Fukuyama, pode ser um fenômeno duradouro, ainda que não definitivo?

Você tem que entender que Fukuyama não enunciou algo positivo. Ele via o fim da História como deprimente, levando as pessoas a desejarem algo que as fizesse sentir-se individualmente enriquecidas. Depois de escrever isso, ele se dedicou ao que vê como o desafio mais intenso à democracia liberal ocidental: a democracia autoritária asiática. A primeira coisa que ele escreve depois de The End of History é um artigo sobre o Japão, Cingapura e Hong Kong. E é sobre a abertura da China no início dos anos 90. Lá ele afirma: “Esse aparente casamento entre capitalismo e democracia que parece tão estável no fim da Guerra Fria já tem rachaduras”. Ele a escreve literalmente seis meses depois de O Fim da História. A crença que persistiu para alguns na década de 1990 de que democracia e capitalismo se estabeleceram como uma espécie de casal, e que nunca se separariam um do outro, estava sendo refutada em tempo real. Quando olhamos para trás como historiadores, nos perguntamos por que, por volta de 1990, todos pareciam tão certos de que capitalismo e democracia andavam de mãos dadas, quando mesmo naquele exato momento havia exemplos de separação.

A situação mundial atual em 2022 se assemelha à do pós-Primeira Guerra Mundial, momento que você coloca como chave na formação de ideias sobre o neoliberalismo?

Publicidade

O tempo após a Primeira Guerra Mundial é chamado de Wilsoniano em homenagem a Woodrow Wilson. Foi definido por dois princípios muito difíceis de equilibrar. Por um lado, a autodeterminação nacional, a ideia de que todo o planeta pode ser dividido em territórios com um povo, uma língua, um território, uma economia.

O segundo princípio é econômico, e é o livre comércio mundial, uma política de portas abertas, com livre circulação de mercadorias através das fronteiras e de dinheiro, e talvez até de pessoas através das fronteiras. Os autores que analiso em meu livro viram a possibilidade de que esse princípio político de autodeterminação nacional pudesse se sobrepor ao princípio da interdependência econômica. A visão de que a soberania política poderia superar a propriedade econômica como forma de organizar a vida humana era vista como um perigo.

O século XX foi definido pela intenção de equilibrar o princípio do governo do povo e o governo dos bens. Foi uma luta entre a categoria “global” e a categoria “nação”. As relações internacionais são construídas precisamente sobre essas duas categorias. Não sei se são tão aplicáveis ​​hoje como eram em 1918 ou 1919. Esse espaço global é muito menos garantido agora do que era em 1921. O regionalismo é cada vez mais importante. E também as unidades sob uma nação. Está em questão que o Estado-nação é o princípio organizador da vida humana. As pessoas organizam as coisas em particular: condomínios fechados, enclaves, zonas econômicas. Significa que a nação invadiu as operações do capitalismo global. Como as pessoas precisam escapar de coisas como desastres climáticos ou futuras pandemias, elas buscarão refúgio em unidades menores que a nação. O foco deve ser em lugares como Dubai, como a antiga colônia da coroa de Hong Kong. Modelos de soberania subnacional que possam antecipar o tipo de organização política que veremos nos próximos quarenta ou cinquenta anos e em uma espécie de nível supranacional.

A iniciativa da Rota da Seda da China é mais um sinal do nosso futuro do que a Organização Mundial do Comércio, que afirma falar por todo o mundo. É muito mais provável que o que algumas pessoas chamam esses modelos de “bilateralismo autoritário” seja alcançado, por meio do qual a China se mova territorialmente, em vez da própria coisa anglo-americana de dizer “falamos pelo mundo inteiro” ou “falamos pelo mundo”. humanidade”. Aqueles gestos universais que definiram a política mundial desde as guerras mundiais até aquele suposto fim da História nos anos 90 vão se decompor.

Você disse: “O termo neoliberalismo é frequentemente usado de três maneiras diferentes. É usado como uma descrição de um certo período do capitalismo global. É então descrito como um tipo de mentalidade. A terceira forma descreve um movimento intelectual concreto”. Como você definiria a mentalidade neoliberal? Existe uma psicologia do capitalismo tardio?

O que une essas três formas de definir o neoliberalismo, seja como um pacote de políticas, como uma era na história mundial ou como um movimento intelectual específico que remonta à década de 1930, é a ideia de que o capitalismo não pode se defender a si mesmo, o que deve ser defendido por meio de a criação de novas instituições de proteção por meio da intervenção de novas formas de produção de conhecimento, seja por meio de think tanks, jornais ou acadêmicos. O neoliberalismo não como um recuo do Estado ou movimento para o vazio, mas com um papel muito proativo na produção de políticas, conhecimentos e leis. Isso persiste. Embora tenha mudado em algum sentido a forma como o capitalismo é defendido. De um lado, estão os populistas neoliberais do estilo Donald Trump, Boris Johnson, o partido Alternativa para a Alemanha, o Partido da Liberdade Austríaco, Jair Bolsonaro. Todos falam a linguagem do anti-globalismo, usam a ideia de “povo”. Na realidade, eles perseguem formas hipercapitalistas de política. Eles não pensam em mitigar as mudanças climáticas ou a desigualdade. Hipercapitalismo a todo vapor com fobias, direitos anti-gays e tudo mais.

Por outro lado, há o pivô em direção ao capitalismo verde. Fundos como o BlackRock adotam metas ambientais. Seria bom e parece ser uma verdadeira mudança pós-neoliberal, diriam alguns. Não tenho tanta certeza, porque realmente não parece estar funcionando. Trata-se de antecipar as mudanças políticas futuras e como elas podem afetar os lucros da empresa. Assim, o capitalismo verde pode ser visto como uma nova variedade de capitalismo. Portanto, estamos vendo um desenvolvimento paradoxal aqui desde o surto de coronavírus. Fala-se cada vez mais do fim do capitalismo neoliberal, mas os benefícios do último ano e meio foram desproporcionalmente para uma parcela muito pequena da sociedade. A desigualdade continua a aumentar. Sou cético quanto à ideia de que estamos vivendo o fim de um paradigma e o surgimento de uma sociedade verde e mais consciente. Devemos pressionar até que a retórica esteja mais próxima da realidade.

“Hoje poucas pessoas imaginam o comércio global como um sistema livre e irrestrito.”

Nas últimas eleições de meio de mandato na Argentina, duas propostas ideologicamente ligadas ao liberalismo mais extremista tiveram um desempenho muito bom. Um deles libertário e o outro, mais clássico. Em reportagem desta mesma série, o economista e hoje deputado desta última corrente, José Luis Espert, disse que um bom caminho para o desenvolvimento da Argentina passou pelo comércio de produtos agrícolas como primeiro passo. A “especialização” de um país pode ser um germe para o desenvolvimento ou esta é a matriz do neoliberalismo?

Nem todas as formas de globalização são neoliberais. Um famoso argentino, Raúl Prebisch, o economista, é um exemplo do contrário. Prebisch e a escola da dependência foram caricaturados como se de alguma forma pregassem a retirada da economia global ou autarquia, fechando as portas da economia nacional de todas as influências externas, desengajando-se. Ele nunca pregou nada disso. Prebisch era um liberal. A escola da dependência queria mais comércio exterior, mais uma inserção na divisão internacional do trabalho. Portanto, focar neste ou naquele setor com base em dotes naturais, com base na vantagem comparativa, não é neoliberal em si.

Uma política econômica externa pós-neoliberal ou progressista implicará que países como o Chile usem recursos como lítio ou cobre. Que o Brasil use suas exportações agrícolas. Será parte de uma nova interdependência econômica que pode ou não ser neoliberal. O que importa é que tende para a justiça econômica. Importa se as populações indígenas são expropriadas no terreno ou se lhes é dado algum tipo de participação nesta nova forma de desenvolvimento. Importa se algum tipo de equilíbrio está sendo criado no bioma entre as formas monocromáticas de agricultura e a preservação das formas naturais de oxigenação, especialmente em lugares como o Brasil. Aproveitar os recursos naturais não é algo liberal em si. Pensar em como fazer também é um desafio para o pensamento progressista. É sobre como manter a fé na globalização como algo que pode mudar a vida das pessoas para melhor sem perder a legitimidade localmente, ou nos manter nessa direção suicida de carbonização. Não vai ser fácil. Mas os elementos mais progressistas da América estão bem cientes disso quando falam sobre uma economia verde.

“A globalização entendida na década de 1990 está longe de não ter restrições.”

Em seu livro, você diz: “O nome de Hayek, acima de tudo, tende a operar mais como um significante flutuante do que como uma referência a uma figura histórica real. Alguns descrevem a União Europeia como uma ‘federação hayekiana’, por exemplo, enquanto outros descrevem o desejo de sair da União Europeia como a esperança de ‘ressuscitar o sonho de Hayek’”. Como você analisa as figuras de Friedrich Hayek e Milton Friedman?

O que é fascinante em Hayek é sua ambição intelectual. Surge da cultura dos salões vienenses, em que se esperava que todos soubessem um pouco de tudo. É o mesmo lugar de onde vieram Ludwig Wittgenstein ou Karl Popper. Você tinha que saber matemática, literatura, biologia, economia e direito. Ser capaz de juntá-los e chegar a conclusões para organizar a sociedade de uma maneira que reflita a imaginação e a engenhosidade humana, mas também respeite a mecânica do mundo natural. É um dos temas que marcam o pensamento de Hayek. O problema era que ele achava que o que faz com os humanos em sua organização também os torna potencialmente autodestrutivos. Eles acreditam que podem organizar o mundo de uma maneira que seja melhor para todos. Eles pensam que podem ser mais inteligentes do que o mecanismo de preços e que podem coordenar a distribuição e a produção de uma maneira que funcione para todos. Para ele, eram falsas crenças, o que ele chamava de arrogância da razão. Mas, o que é fascinante e redescoberto de seus críticos e defensores é que, na verdade, não é uma maneira ruim de abordar os problemas sociais reconhecer que temos traços evolutivos como seres humanos e aspirações como seres de pensamento superior.

Assim, a ala esquerda do Partido Trabalhista pode encontrar coisas em Hayek. E a ala direita do movimento conservador nos Estados Unidos pode encontrar coisas sobre moralidade e tradição evolucionária. É um saco de surpresas. Milton Friedman é bem diferente. Ele é um economista, ao contrário de Hayek. Ele é alguém que acredita que a melhor maneira de organizar a sociedade humana é baseada em certas fórmulas e matrizes sobre as expectativas que podemos ter sobre o comportamento humano. Pense que podemos usar a lei para definir certas características. Que haveria um melhor resultado econômico, encontrando um caminho para a oferta de dinheiro, a oferta de dinheiro para que os bancos não sejam descarrilados pela ambição humana ou pela política socialista. Seu olhar é muito mais reducionista. O pensamento de Hayek é mais estimulante e tem mais nuances para pensar.

Em uma entrevista você disse: “Tomar a decisão de produzir mais produtos no mercado interno não significa necessariamente que ‘regredimos’ na globalização. Significa simplesmente que escolhemos outro tipo de globalização ou outro tipo de ‘criação do mundo’ [criação do mundo], usando o termo do cientista político Adom Getachew”. Como seria essa “criação do mundo”?

O tipo de globalização com o qual nos familiarizamos na década de 1990 está longe de ser uma globalização irrestrita ou liberada. Era a globalização altamente legalizada. Isso coloca muito poder nas mãos de corporações privadas. Possui frotas de advogados para fazer valer o tipo de direitos e obrigações que as corporações assumem como suas. Era difícil manter esse tipo de globalização: que as populações sentissem que deveriam ter confiança na Organização Mundial do Comércio. O desafio é encontrar uma globalização capaz de garantir a legitimidade no nível local. E que seja tratado com regras não distantes e compreensíveis.

A melhor expressão da mudança é através do que foi chamado, nos Estados Unidos, de Green New Deal e na Europa, simplesmente de Green Deal. O movimento pela justiça climática enfrenta um desafio extremo: criar um paradigma de desenvolvimento descarbonizado que obtenha licença social. Uma amiga minha está trabalhando com lítio e me ajudou a entendê-lo mais profundamente. Estude os depósitos de lítio, os lagos e as terras altas do Chile. Através da internet e dos movimentos sociais, é possível se conectar com as populações locais, movimentos de trabalhadores locais que têm interesses diferentes dos governos nacionais. Existe a possibilidade de ir além do nível nacional e fazer com que as pessoas que fazem algo como Comprar um veículo elétrico em nos Estados Unidos esteja ciente de onde vem o lítio, níquel ou cobalto em sua bateria e em que condições ele foi criado. Através do jornalismo, rastreando a cadeia de suprimentos online, podemos entender esse vínculo entre consumidor e produtor de uma nova maneira. Milton Friedman estava falando sobre o exemplo do lápis. Ele disse que um único lápis é produzido por muitas pessoas diferentes ao redor do mundo, de grafite a tinta a madeira, borracha e metal a borracha. É algo difícil de entender para o consumidor que fica feliz com a magia do mercado. Agora é possível pensar as coisas de forma diferente. As informações que temos, as formas de nos conectarmos com os produtores e populações locais são tais que podemos saber onde e como as coisas nasceram.

Uma nova forma de globalização é possível, muito mais consciente sobre a origem das coisas e das cadeias de suprimentos. O simples fato de que a “cadeia de suprimentos” faz parte do vocabulário cotidiano nos Estados Unidos faz a diferença. Três anos atrás, muito poucas pessoas usavam esse termo. Uma questão que foi vista na pandemia em questões como vacinas. Devemos estender essa consciência a todas as áreas de consumo. É uma globalização diferente, que está acontecendo passo a passo, elo por elo, que precisamos construir. A naturalização da globalização que pessoas como Tony Blair e Bill Clinton usaram na década de 1990 não é mais válida. Essa ideia de que não podemos controlar o comércio muda nossas vidas e tudo o que podemos fazer é deixar isso acontecer. É politicamente suicida e as pessoas não estão dispostas a tolerá-lo.

“Vimos muito pouca equidade globalmente em vacinas.”

Você disse no ano passado: “O outro fator importante é o fim do medo da inflação. Quer dizer, depois de 2008, a suposição da esquerda e da direita nos Estados Unidos permaneceu de que, se o estado gastasse demais, as pessoas pagavam por meio da inflação. É a ortodoxia econômica. Mas, obviamente, isso não aconteceu.” Isso evidentemente foi depois da crise de 2008, 2009; Mas agora, com a inflação nos Estados Unidos variando de um mínimo de 7% a um máximo de 12%, você não acha que isso deu alguma razão à visão ortodoxa?

Isso é algo que os economistas mais inteligentes do mundo debatem. Não sendo economista, o que posso fazer é observar suas divergências. Há duas posições: que a inflação que vemos ainda é transitória e setorial, vinculada a determinados bens que têm uma demanda especialmente alta e que não necessariamente persistirá após esse tipo de queda na demanda quando a pandemia terminar, em 2022. O outro lado do argumento é que isso é mais estrutural e exigirá algo como um aumento da taxa de juros para um nível superior ao que vimos agora para controlá-lo. Mesmo o Federal Reserve e o Banco Central Europeu não concordam com isso. Essa discordância mostra que todos os comentários feitos são politicamente tendenciosos. A única coisa que pode ser dita com certeza é que não sabemos. E que estamos experimentando a recuperação de uma depressão especialmente profunda na demanda no início da pandemia. Tem que esperar.

Você disse: “Nos próximos anos veremos que provavelmente será cada vez mais difícil distinguir as formas de ativismo da direita e da esquerda. O que meu colaborador Will Callison e eu chamamos de ‘pensamento tendencioso’ já está em exibição em oposição a bloqueios e vacinação”. Como você descreveria o pensamento diagonal?

Desde a grande construção institucional da década de 1990, vemos a rápida corrida para a integração europeia: o Tratado de Maastricht, a União Monetária. No momento em que essas coisas foram colocadas em votação popular, elas obtiveram respostas mistas, se não rejeição total. A Constituição Europeia não foi adiante porque estava claro que o povo não votaria sim. Apressaram-se a aprovar o Tratado de Lisboa, uma espécie de constituição sem referendo. Nos Estados Unidos, o acordo de livre comércio com o Canadá ocorreu no fio da navalha. Ele teve muita oposição popular. A OMC foi feita como uma espécie de transformação de divisão liderada pela elite. Após a Guerra Fria, houve uma espécie de construção de instituições globais lideradas pela elite. Ambas as instituições acabaram tendo efeitos diários na vida material das pessoas, seja pela competição por empregos, seja pela terceirização de sua própria linha de trabalho anterior.

Nas décadas de 1990 e 2000, as pessoas sentiram os efeitos da globalização em suas vidas diárias. Então, com razão, ele ficou muito desconfiado do que as elites estavam realmente fazendo. O que seus políticos estavam fazendo? O que os chefes das empresas faziam? O que os chefes das redes de televisão fizeram? Quando, em 2020, todas essas elites, do Fórum Econômico Mundial em Davos à CNN e à Casa Branca, começaram a dizer: “A pandemia está aqui, coloque uma máscara, fique em casa, cuide do seu filho, você sabe, em circunstâncias difíceis durante meses”, que desencadeou uma oposição que não veio apenas da direita, especialmente na Europa e na América do Norte. Em todos os lugares você podia ver uma espécie de velhos hippies e instrutores de ioga e fanáticos por comida saudável que desconfiavam dos efeitos da vacina.

A realidade, em alguns casos, da pandemia de coronavírus é que se juntaram pessoas que, à direita, sentiram que havia uma cabala global liderada por George Soros, ou o que quer que fosse, que estava tentando tirar suas liberdades. E é por isso que meu colaborador Will Callison e eu dissemos que temos que pensar nessas frentes antielite, essas coalizões antielite que surgem das tentativas de remédios coletivos como conter a epidemia de coronavírus, não como esquerda ou direita, mas como uma diagonal da espécie. Eles estão ligando esquerda e direita de novas maneiras e criando centros de suspeita alimentados pelo ecossistema da internet para produzir uma sensação de desconfiança de qualquer tipo de poder concentrado. A razão pela qual isso é um problema, mesmo se e quando a pandemia terminar, é que essas medidas em larga escala, muitas vezes disruptivas e intrusivas, serão necessárias para garantir que a crise climática não seja uma ameaça à sobrevivência. Podemos esperar esse mesmo tipo de poder antielitista, coalizões céticas que surgem muito rapidamente assim que as pessoas precisam fazer coisas como mudar a maneira como vivem, dirigem, constroem suas casas ou organizam suas viagens daqui para lá. É por isso que pensamos que a esquerda e a direita não poderiam mais ser espectros confiáveis. E que uma proposta apareça de baixo para cima, sob o efeito organizador da raiva política.

“Na década de 1970, o FMI e o Banco Mundial tornaram-se um braço do Departamento do Tesouro dos EUA.”

Qual é o papel de organizações como o Banco Mundial ou o Fundo Monetário Internacional?

São instituições pensadas em contexto, cujos resultados são muito diferentes de sua atuação atual. O Banco Mundial e o FMI estão no centro dos acordos de Bretton Woods de 1944. Eles não foram concebidos como a polícia global de Wall Street que se tornaram. A intenção original era permitir um grau de autonomia diante das pressões econômicas globais. A ideia era estender o modelo americano dos anos 1940 de capitalismo industrial, com sindicatos e um estado de bem-estar social, para o resto do mundo. Na década de 1970, quando os Estados Unidos quebraram o sistema de Bretton Woods ao abandonar o padrão-ouro, o FMI e o Banco Mundial começaram a procurar um novo papel. O papel que assumiram era ser um braço do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos e de Wall Street e da cidade de Londres. Eles forçaram os países que tomaram emprestado do FMI e do Banco Mundial a reformular suas economias. Especialmente desde a eclosão da crise da dívida do Terceiro Mundo em 1982, o Banco Mundial e o FMI desempenharam esse papel. As instituições podem se transformar. Só porque muitas pessoas se sentem desmoralizadas pela forma como o FMI e o Banco Mundial funcionaram até hoje não significa que não possam se transformar sob a pressão de pandemias globais ou mudanças climáticas. O FMI está mudando a linguagem sobre o cancelamento de dívidas ou a introdução dos chamados SDRs como formas de ajudar os países que foram deixados de fora do sistema financeiro global.

Kristalina Georgieva representa uma visão diferente dentro do Fundo?

É um desafio. O FMI está dividido. Quem empresta e quem investiga não são os mesmos. A divisão de pesquisa é geralmente mais aberta a novas ideias do que o lado real dos negócios do FMI. Há alguns anos, discutia-se muito o fato de a divisão de pesquisa do FMI ter começado a usar a palavra neoliberalismo e reconhecido que algumas estratégias não eram eficazes. No entanto, as práticas e condições reais de empréstimo não mudaram muito além da retórica. Com o FMI é muito importante garantir que a retórica corresponda à prática. E isso também se encaixa em Georgieva. Uma mudança do FMI será credível quando virmos que se traduz em negócios reais, não apenas quando o diretor dá entrevistas.

“Resolvendo a crise gerada pela pandemia apenas imprimindo dinheiro, o que produz é que os ricos acabem ficando mais ricos”

Em uma entrevista você disse: “Não se trata de liberar o mercado, trata-se de trancá-lo. É produzir um conjunto de regulações que levem a resultados que favoreçam o capital e a liberdade econômica ao invés da justiça social ou da igualdade redistributiva”. Pode haver uma ordem global diferente e mais justa sem as regras econômicas do mercado? Recentemente tivemos a informação de que a pessoa mais rica da América aumentou sua riqueza em 30% no ano passado sem fazer nada.

Um perigo que eu estava bem ciente no início da resposta à pandemia era que, se resolvêssemos a pandemia criando dinheiro, que foi o que os Estados Unidos fizeram para resolver a crise financeira global em 2008 e o que fizeram novamente em 2008. 2020, tornando o Federal Reserve acaba de produzir enormes quantias de dinheiro novo, se fizéssemos isso sem anexá-lo a nova legislação, novos gastos e nova política fiscal, o que ele faria é simplesmente aumentar os ativos daqueles que já possuíam ativos. A lógica do governo Biden era apresentar três enormes pacotes legislativos que levariam toda essa liquidez para a economia e a direcionariam para fins socialmente mais produtivos. Direcioná-lo para a política industrial, infraestrutura e economia do cuidado. Cobrir licença médica e maternidade. Foi o raciocínio do governo Biden. Fazia sentido. Se essas grandes leis forem desaceleradas, cortadas pela metade ou não forem aprovadas, o resultado é que esse dinheiro vai para os bolsos dos mais ricos.

O aumento explosivo das ações de tecnologia está impulsionando esse aumento e a criação de riqueza agora. E está nas mãos de poucas pessoas. Precisamos aprovar os pacotes legislativos que deveriam ter sido aprovados se dois senadores não tivessem entrado em seu caminho. Joe Manchin e Kyrsten Sinema. É um daqueles momentos horríveis da história em que o caminho poderia ter ido em uma direção e foi desviado pelas ações egoístas de dois indivíduos. A maneira que eu acho que isso se traduz em outras áreas é pegar algo como o novo acordo comercial entre os Estados Unidos, Canadá e México, que redigiu novas formas de supervisão trabalhista, para dizer que os trabalhadores deveriam ser mais bem tratados nas fábricas de automóveis. Isso pode significar mais pessoas sendo demitidas e melhores condições nas fábricas de automóveis mexicanas. São questões políticas, de luta social no terreno. As forças progressistas nos Estados Unidos devem tentar capacitar movimentos sociais e sindicatos para pressionar cada vez mais os legisladores a fazer leis que canalizem todo esse dinheiro em direções mais redistributivas.

*Produção – Pablo Helman e Natalia Gelfman.

*Por Jorge Fontevecchia – Cofundador da Editora Perfil – CEO da Perfil Network.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.