Diretor da OMS diz que ‘trégua da Covid’ na Europa pode levar ao fim da pandemia no continente

Países como Dinamarca, Suécia, França e Noruega afrouxaram suas restrições sanitárias

diretor-da-oms-diz-que-tregua-da-covid-na-europa-pode-levar-ao-fim-da-pandemia
Na semana passada, a Europa registrou quase 12 milhões de novos casos. (Crédito: Canva Fotos)

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge, declarou nesta quinta-feira (3) que a situação da Covid-19 no continente aponta para uma ‘’trégua’’ que pode levar a uma “paz duradoura”.

Publicidade

Durante coletiva, Hans afirmou que a alta taxa de vacinação e uma estabilização das mortes pela variante ômicron indicam que a Europa poderá entrar “num longo período de tranquilidade”.

O diretor ainda ressaltou que há “uma oportunidade única de assumir o controle da transmissão”. Contudo, Hans disse que o cenário só irá permanecer positivo se as campanhas de vacinação continuarem e o aparecimento de novas variantes for monitorado. O diretor da OMS pediu aos governos que continuem protegendo a população mais vulnerável. 

A região correspondente a Europa da OMS inclui 53 países, alguns deles localizados na Ásia Central. Em todos, as infecções dispararam devido à variante ômicron. Na semana passada, os 53 países registraram quase 12 milhões de novos casos, segundo dados da OMS, o número mais alto desde o início da pandemia. 

Apesar dos milhões de infectados, países como Dinamarca, Suécia, França e Noruega afrouxaram suas restrições sanitárias. Perante a essas medidas, Hans disse que ”é possível responder às novas variantes, que inevitavelmente surgirão, sem repor o tipo de medidas de que precisávamos antes’’. 

Publicidade

Em seu twitter oficial, a OMS compartilhou uma fala importante de Hans durante a coletiva. ‘’Continuo otimista de que, se usarmos as circunstâncias à nossa frente, teremos a oportunidade de experimentar dias mais estáveis ​ – um momento em que poderemos não apenas gerenciar o Covid-19, mas também ter a capacidade de abordar outras prioridades urgentes de saúde”, afirmou Hans. 

Publicidade