Eduardo Leite renuncia ao governo do RS e não revela a que cargo irá concorrer

Agora, Leite deve discutir com o PSDB uma possível pré-candidatura à Presidência da República

Eduardo Leite renuncia ao governo do RS e não revela a que cargo irá concorrer
Eduardo Leite e Ranolfo Vieira Júnior (Crédito: Reprodução/Governo do RS)

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), renunciou ao posto no Palácio Piratini e o entregou a Ranolfo Vieira Júnior (PSDB). A cerimônia aconteceu logo após a posse oficial, na Assembleia Legislativa do estado (AL-RS), com a assinatura da ata e a transmissão de um vídeo resumindo a gestão do Executivo até o momento.

Publicidade

“No final de 2017, começamos a interagir entre nossos partidos procurando conciliação e convergência, trabalhando para construir juntos um projeto para o estado, fazendo diagnósticos, projetando o que deveria ser feito. Amizade cívica, cidadãos com o mesmo proposito. Obrigado, Ranolfo, por esta parceria. O estado estará muito bem conduzido”, disse Leite.

Leite também destacou o projeto coletivo compartilhado com Ranolfo e as reformas estruturais do governo, entre outras iniciativas. “Como disse na nossa posse, escolhemos voltar a sonhar. Digo no plural, porque foi uma decisão coletiva, resultado da soma de inúmeras vontades e capacidades individuais”, afirmou.

Eduardo ficou cerca de três anos à frente do Piratini. Agora, o tucano deve iniciar trabalhos internos para viabilizar sua pré-candidatura à Presidência da República pelo PSDB, já que o escolhido nas prévias foi o ex-governador de São Paulo, João Doria.

“Mostramos aqui no RS que é possível fazer política sem negociatas, sem confrontos, sem agredir os adversários ou quem discorda. Nós praticamos uma política que não aposta em rupturas, porque traumas nunca deixam boas experiências. Acolhemos civilizadamente a divergência. Não somos obrigados a odiar, não podemos nos render a este clima de ódio”, disse Leite.

Publicidade

Contudo, Leite não entrou em detalhes sobre o que pretende fazer a partir de agora. No começo da semana, ele já havia confirmado que permanece no PSDB. “Não saio, me apresento como representante de uma geração que não se conforma com a armadilha politica que se montou contra o próprio Brasil. Eu estou muito feliz e seguro de que preciso seguir em frente. É o sonho pedindo passagem, e o sonho é aquilo que move o mundo”, concluiu.

Publicidade