Itamaraty pede que embaixadas na Europa ajudem brasileiros na Ucrânia

No texto, o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, cita o agravamento da situação e a piora dos ataques à capital Kiev

Itamaraty pede que embaixadas na Europa ajudem brasileiros na Ucrânia
Embaixada do Brasil na Romênia (Crédito: Reprodução/ Redes sociais Itamaraty Brasil)

Depois de uma semana de guerra na Ucrânia, o Itamaraty adaptou a estratégia e pediu que as embaixadas brasileiras intensifiquem a ajuda aos brasileiros na Ucrânia. A recomendação está em um comunicado oficial que o Jornal Nacional, da TV Globo, teve acesso. 

Publicidade

A mensagem, segundo detalhes publicados pelo site G1, foi enviada nesta quarta-feira (2), às embaixadas brasileiras na Ucrânia, na Polônia, na Romênia, na Hungria e na Eslováquia, que ficam no leste europeu e estão mais próximas ao conflito.

No texto, o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, cita o agravamento da situação e a piora dos ataques à capital Kiev. 

Na prática, postos de atendimento serão montados para atender os brasileiros em dois dos principais trechos de saída da Ucrânia, na cidade ucraniana de Lviv, próxima à Polônia, e em Chisinau, capital da Moldávia. 

Logo no início do conflito, o governo brasileiro disse que não faria resgates na Ucrânia. Na ocasião, o Itamaraty citou o fechamento do espaço aéreo ucraniano como principal motivo. Cerca de 500 brasileiros estavam registrados no país até a semana passada. Depois, o governo colocou duas aeronaves da FAB de prontidão para eventual necessidade de resgate de brasileiros.

Publicidade

Guerra da Ucrânia completa uma semana

Há uma semana, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou a invasão da Ucrânia. Tropas russas avançam pelo sul, leste e norte do território ucraniano. 

Um dos fatores que desencadeou o conflito foi a possibilidade da Ucrânia entrar na OTAN, aliança militar do Ocidente. Putin não admite a possibilidade e exige que a Ucrânia se comprometa a nunca entrar na organização. 

Publicidade

O presidente russo também alega que a Ucrânia está sob influência estrangeira e que não merece ser um país independente. O exército ucraniano conta com a ajuda de voluntários para conter as tropas russas.