Leilão dos parques Villa-Lobos, Água Branca e Cândido Portinari rende R$ 62 milhões a São Paulo

Devem ser investidos, nos primeiros cinco anos, R$ 46,9 milhões, do total de R$ 61,6 milhões obrigatórios. O contrato é de 30 anos

Leilão dos parques Villa-Lobos, Água Branca e Cândido Portinari rende R$ 62 milhões a São Paulo
A concessionária não vai poder cobrar ingresso para entrada nos parques (Créditos: Reprodução / Governo de São Paulo)

Para concessão dos parques urbanos Villa-Lobos, Cândido Portinari e Água Branca (Fernando Costa), o governo do estado de São Paulo, recebeu oferta de R$ 62,7 milhões. A quantia representa lucro de mais de 3 mil por cento sobre o lance mínimo estipulado R$1.597,099,49. Por enquanto, a proposta do Consórcio Novos Parques Urbanos vai para uma análise documental e habilitação técnica, e caso seja aprovada, se declara vencedora.

Publicidade

Caso se concretize, a Concessionária terá a responsabilidade de toda a manutenção e modernização das estruturas que já existem, ampliar oferta de serviços como alimentação, lazer, do estacionamento, e ainda de assumir os custos de operações, limpeza e vigilância patrimonial. Devem ser investidos, nos primeiros cinco anos, R$ 46,9 milhões, do total de R$ 61,6 milhões obrigatórios. O contrato é de 30 anos.

“A concessão tem se mostrado um modelo de sucesso para melhorar a experiência do visitante nos parques de São Paulo, por meio da promoção de novas atrações e serviços”, explica o secretário Marcos Penido.

A concessionária não vai poder cobrar ingresso para entrada nos parques. Porém, com o contrato poderá exploração comercial do local com locação de imóveis, eventos, além da arrecadação com os quiosques destinados à alimentação.

As ações da nova administração devem continuar os planos-diretores e preservar as características históricas dos espaços, em especial a do Água Branca. os conselhos vão continuar no auxílio e na gestão dos parques, que por ano, recebem mais de 14 milhões de visitantes.

Publicidade

“O Programa de Concessão incrementa a frequência e a experiência do usuário, além de desonerar o Estado. O projeto é respaldado pela qualidade regulatória e pela experiência paulista, conferindo ao concessionário e aos financiadores os melhores mecanismos contratuais disponíveis para concretizar as expressões segurança jurídica e bancabilidade”, explica Tarcila Reis, Subsecretária de Parcerias do Estado de São Paulo.

Fernando Costa (Água Branca)

O Parque Doutor Fernando Costa, foi criado em 1929, e é conhecido como Parque da Água Branca, está localizado na Zona Oeste da capital paulista e tem 137 mil metros quadrados. A concessão prevê manutenção da feira orgânica, do espaço de leitura, das atividades para o público de terceira idade, e ainda a reforma do aquário e do espaço de educação ambiental.

Villa-Lobos e Cândido Portinari

O Parque Villa-Lobos, fica localizado na região Oeste da Capital Paulista, e foi criado em 1989, o parque tem uma área de 732 mil metros e várias opções de esporte e lazer. A área vizinha, em 2013, se transformou no Parque Urbano Candido Portinari, com um fácil acesso da estação CPTM-Villa-Lobos/Jaguaré. Para lazer, esporte, educação e cultura são mais de 120 mil m2.

Publicidade

Concessões

Nove áreas verdes começaram a ser geridas pela iniciativa privada, desde 2019: Horto Florestal de Campos do Jordão, Zoológico/Zoo Safari, Botânico, Caminhos do Mar, Parque Cantareira e Parque Estadual Alberto Loefgren. Agora o Villa-Lobos, Água Branca e Cândido Portinari se juntam a lista. Os investimentos somados, no total em melhorias nestas áreas são de R# 390 milhões.

Publicidade