Faculdade de Medicina

USP cultiva vírus da varíola dos macacos para expandir testes

De acordo com a Faculdade de Medicina da USP, o objetivo é que, a partir das amostras do vírus inativado, sejam desenvolvidas novas pesquisas para tratamentos e vacinas.

USP cultiva vírus da varíola dos macacos para expandir testes
(Crédito: Pablo Blazquez Dominguez/Getty Images)

Pesquisadores do Laboratório de Virologia do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT/USP) estão cultivando linhagens celulares do vírus monkeypox, causador da varíola dos macacos, para distribuir amostras, com o vírus inativado, a laboratórios públicos e privados, e outros centros de estudos no país.

Publicidade

De acordo com a Faculdade de Medicina da USP, o objetivo é que, a partir das amostras do vírus inativado, sejam desenvolvidas novas pesquisas para tratamentos e vacinas. Também há o intuito de entender a evolução viral. Os laboratórios poderão ainda usar o material para expandir a quantidade de testes diagnósticos da doença – que hoje são limitados no país em razão da falta dos reagentes específicos da monkeypox.

O Ministério da Saúde confirmou nessa terça-feira (20) o nono caso registrado no Brasil do vírus monkeypox, causador da varíola dos macacos. O paciente é um homem de 27 anos que está no estado de São Paulo. Ele é morador de Nova York, nos Estados Unidos. 

Além dos nove casos confirmados, há dez casos em investigação no país: dois no Ceará, quatro no Rio de Janeiro, um em Santa Catarina, um no Acre, e dois no Rio Grande do Sul.

(Agência Brasil)

Publicidade