Olimpíada de Inverno 2022: Pequim X direitos humanos

Até agora, os governos dos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Lituânia, Japão, Dinamarca e Países Baixos (Holanda) decidiram não enviar representações oficiais aos Jogos Olímpicos de Inverno

olimpiada-de-inverno-2022-pequim-x-direitos-humanos
O presidente chinês Xi Jinping é visto na tela durante uma apresentação da Área Especial de Lingang da China, Zona de Livre Comércio Piloto para a imprensa durante uma viagem de mídia organizada pelo Estado em 17 de junho de 2021 em Lingang, Xangai, China. (Crédito: Andrea Verdelli/Getty Images)

O regime comunista chinês tem reagido ao boicote diplomático anunciado pelos governos dos Estados Unidos e de outros países contra as Olimpíadas de Inverno de Pequim com a mescla habitual de cinismo e intimidação.

Publicidade

O boicote é motivado pelas políticas repressivas do governo chinês contra a população islâmica dos uigures na região de Xingiang (noroeste do país).

Reportagem publicada no portal axio.com no último dia 11 informa que o regime promete amplo acesso a sites e redes sociais estrangeiros para os atletas alojados na Vila Olímpica, enquanto continua a negá-lo ao conjunto da população chinesa, submetido ao Grande Firewall do governo.

Mesmo assim, como avisam as autoras da matéria — Ashley Gold, Ina Fried e Bethany Allen-Ebrahimian —, dificilmente os atletas se sentirão à vontade para publicar o que quiserem sobre o país anfitrião.

Conforme adverte o Comitê Olímpico dos Estados Unidos em documento recente, “deve-se presumir que todos os dados e comunicações na China possam ser monitorados, comprometidos ou bloqueados”. Ainda não há clareza a respeito de como as autoridades locais encararão as postagens de cidadãos de outros países, porém as leis da China concedem a elas ampla latitude para reprimir qualquer manifestação on-line classificada como ilegal.*

Publicidade

Nos Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim, a despeito das promessas do governo chinês e do Comitê Olímpico Internacional, repórteres do mundo inteiro tiveram acesso bloqueado a muitos sítios da internet. Mais recentemente, as plataformas de streaming chinesas ‘cancelaram’ os jogos dos times de futebol americano Boston Celtics e Houston Rockets depois que jogadores e administradores dessas equipes veicularam críticas à situação dos direitos humanos e da liberdade de expressão na China. Atletas americanos, ouvidos em off pelo New York Times, admitiram temer represálias desse tipo por criticar o governo de Xi Jinping.

Até agora (escrevo na terça-feira, 19 de janeiro), os governos dos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Lituânia, Japão, Dinamarca e Países Baixos (Holanda) decidiram não enviar representações oficiais aos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, em fevereiro.

A Nova Zelândia declarou que não enviará nenhuma comitiva de nível ministerial, e a ministra de Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse que não irá comparecer ao evento, embora tenha invocado razões pessoais para sua ausência.

Publicidade

Na verdade, as democracias avançadas começam a articular uma resistência à estratégia agressiva do Partido Comunista Chinês, liderado pelo presidente Xi Jinping, que ambiciona nada menos que substituir as regras liberais do sistema internacional, construído no pós-Segunda Guerra Mundial sob hegemonia dos Estados Unidos (livre mercado e regime representativo), por uma nova ordem mundial sinocêntrica autoritária. Em poucas palavras, ação e reação.

*Por Paulo Kramer – cientista político e especialista da Fundação da Liberdade Econômica

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade