Michael Hardt diz “Os EUA não são mais capazes de garantir a ordem mundial”

*Por Jorge Fontevecchia – Cofundador da Editorial Perfil. CEO da Perfil Network.

Michael Hardt diz Os EUA não são mais capazes de garantir a ordem mundial
Michael Hardt, autor de “Império” (Crédito: Reprodução/ Redes sociais)

Ao lado de Antonio Negri, Michael Hardt é autor de Império, o primeiro livro que questionou o neoliberalismo e que produziu uma verdadeira transformação no pensamento de esquerda, considerado o “Manifesto comunista do século XXI”. Ele não parou em suas publicações de ensaios, é professor de Literatura e Italiano na Duke University e membro da associação intelectual da European Graduate School, um consórcio de pensadores de esquerda com sede em Paris.

Publicidade

Seu livro “Asamblea” começa com uma citação de José Muñoz que diz: “Conhecer o fascínio dos comuns equivale a saber que não se está apenas começando algo, mas que se tem a sorte de participar de algo maior, parcial, incompleta e sempre em expansão”. Você ainda se sente parte de um processo de expansão?

A pandemia dificulta muitas coisas. Mas faz parte de um processo de expansão da democracia. A inspiração são os movimentos sociais mais poderosos dos últimos anos. Claro que eles continuam e se tornaram mais criativos desde a época em que escrevemos o livro, em 2017.

Seu trabalho em colaboração com Mario Negri, “Império”, foi considerado “O ‘Manifesto Comunista’ do século XXI”. Corresponder?

Não, porque os manifestos devem ser curtos. Era um livro muito longo. Nesse livro, tentamos analisar uma nova situação política global. De certa forma, foi pior que o anterior; mas em muitos aspectos, melhor. Parece-nos que entrámos numa nova epopeia. Slavoj Žižek disse que era o Manifesto Comunista do século 21 porque analisamos o novo épico. E isso é realmente o que era. Acho que foi esse o seu comentário.

Publicidade

Por que Žižek o associou ao “Manifesto” de Karl Marx e Friedrich Engels?

É um livro que propõe uma visão comunista. Claro, uma visão comunista muito diferente da caricatura que a Guerra Fria gerou. É uma nova visão do que seria o comunismo. E eu me pergunto se eu deveria explicar isso. Mas eu certamente acho que é verdade. Diante de certos públicos, falar de comunismo implica ser imediatamente incompreendido. É um assunto que pode ser interpretado do ponto de vista teórico e do ponto de vista prático. Uma das coisas interessantes sobre Marx é que ele escreveu sobre o comunismo desde jovem, mas em termos muito abstratos. E ele escreveu muito poucas vezes sobre o comunismo. Mas quando a Comuna de Paris aconteceu em 1871, foi sugerido que isso era comunismo. Hoje, se queremos falar de comunismo, devemos começar pelas lutas sociais mais inspiradoras e pensar o comunismo a partir delas. Eu pegaria dois dos movimentos que mais me inspiraram: Ni Una Menos na Argentina e em outros lugares e Black Lives Matter nos Estados Unidos. Eu começaria a pensar a partir deles. Marx olhou para os Communards em Paris e como eles tomaram o controle do governo da cidade da burguesia, como eles criaram uma nova forma democrática. Talvez Ni Una Menos e Black Lives Matter nos permitam conceber uma nova ideia de comunismo. Há coisas comuns nesses movimentos, embora sejam muito diferentes. Uma delas é que procuram reconhecer a natureza múltipla das estruturas de dominação. Em Ni una Menos ele trata da violência sexual, do patriarcado. Mas também é sobre trabalho, também é anticapitalista, sobre os direitos das mulheres dos povos indígenas. Também trata da sexualidade, dos direitos das pessoas trans. O mesmo vale para Black Lives Matter. Não se trata apenas de raça e anti-negritude nos Estados Unidos. Todo comício do Black Lives Matter também é sobre a luta anticapitalista. Ambos nos permitem pensar sobre a multiplicidade de como as estruturas capitalistas de dominação se cruzam. A construção de uma alternativa se baseia na articulação dessas diferentes lutas. Espero que isso faça algum sentido. Pensando assim, é possível romper com alguns preconceitos sobre o comunismo e transformá-lo em uma prática viva, vinculada a lutas reais.

“Se o mundo funciona como um sistema, é superdesorganizado.”

Publicidade

Em muitos pensadores, especialmente europeus, o do comunismo reapareceu nos últimos tempos: Jean-Luc Nancy, Jacques Rancière e Gianni Vattimo afirmam que o “comum” é um elemento que deve ser pensado e reformulado. Seus livros se encaixam nessa lógica?

Claro. É uma das palavras-chave: o comum como base do comunismo. É uma questão que transcende a propriedade. O comum são formas de riqueza social que compartilhamos, e temos mecanismos ou mesmo instituições para compartilhá-las. Então, de certa forma, está relacionado ao projeto de Marx e Engels. Na segunda parte de seu Manifesto Comunista, eles dizem que o projeto dos comunistas pode ser resumido em um único conceito: a abolição da propriedade privada. Mas esta noção de comum não consiste na construção do bem público, não se trata de ter o bem controlado pelo Estado. São mecanismos democráticos para que as pessoas compartilhem formas de riqueza social. Poderia ser mais facilmente entendido em termos de propriedade intelectual, como compartilhamos ideias, como devemos compartilhar mais conhecimento científico, fórmulas ocultas de medicamentos. Esses intelectuais europeus que estão propondo o comunismo nos últimos anos estão fazendo isso de uma maneira nova. Pensar no comum é uma boa maneira de abordar essa nova onda de pensamento comunista.

Gianni Vattimo disse em uma entrevista na mesma série que, se houvesse uma Internacional Comunista influente no mundo, ela seria liderada pelo Papa Francisco. A Igreja Católica e, principalmente, os jesuítas são representantes de um pensamento transformador?

Publicidade

Temos uma longa tradição dentro da Igreja Católica de formas de Teologia da Libertação, o que implica um reconhecimento das maneiras pelas quais a doutrina cristã e a prática cristã coincidem com as ideias do comunismo. Melhor dizendo: formas de práticas democráticas antiautoritárias. Não apenas Francisco. Há muitas coisas que o Papa Francisco está tentando tornar compatível com isso. Especialmente em torno dos migrantes. Mas prefiro apontar para outras tradições dentro da Igreja que foram particularmente fortes na América Latina nos últimos cinquenta anos. Não é novidade para nós pensar que lutas teológicas e políticas andam juntas. Dentro do Islã e do Judaísmo também existem bases teológicas para esse tipo de movimento. É um pouco longo dizer que não discordo totalmente de Gianni Vattimo sobre isso. Não se trata apenas do Papa Francisco, mas de uma tradição muito mais ampla.

Há outro livro amplamente lido que marcou a crítica ao neoliberalismo, que é “Capital do Século XXI”, de Thomas Piketty. Quais são as proximidades e as diferenças entre o seu pensamento e o de Negri com o de Piketty?

As semelhanças são bastante óbvias. Consiste no reconhecimento de que as estruturas capitalistas não podem ser reformadas para levar a uma sociedade igualitária e democrática. Piketty é maravilhosamente abrangente para uma análise das estatísticas. Negri e eu estamos realmente em um eixo diferente, mais interessados ​​nas formas como as estruturas de poder fornecem a base para estratégias para mudá-las. Em um discurso antigo, Tony e eu aspiramos ser revolucionários. Queremos encontrar um caminho. Nem todos os momentos são as condições para isso. Temos interesse em movimentos em andamento e contamos com eles para que os movimentos sociais sejam a base do nosso pensamento. Piketty está adotando uma abordagem semelhante para um problema semelhante do outro lado, a partir de estatísticas e análises econômicas. Tony e eu nos dedicamos ao aspecto prático.

Publicidade

Seu livro “império” é do ano 2000. O milênio trouxe uma nova mensagem, novas ideias sobre práticas sociais?

A ideia do livro surgiu da nossa crença de que o imperialismo dos EUA não era mais uma estrutura adequada para o pensamento esquerdista. Não porque os EUA de repente se tornaram altruístas e beneficiam o resto do mundo. Os EUA não são mais capazes de garantir a ordem mundial. Os EUA não estavam mais nessa posição. Quando o afirmamos em 2000, parecia que estávamos indo contra a corrente. Muitos esquerdistas disseram que estava errado, que estávamos errados. Agora é senso comum que os Estados Unidos não são capazes de governar o mundo unilateralmente. Houve um breve período, quando invadiu o Afeganistão ou o Iraque, em que seus líderes autocelebraram sua capacidade de remodelar o império global. Está claro para todos que eles falharam militarmente no Iraque. Também no Afeganistão. E eles não apenas falharam militarmente, mas também política e economicamente. Eles não podiam agir como uma potência imperialista. Devemos pensar de forma diferente na ordem global. O próximo passo é que não só os EUA declinam e outros países sobem. Como, no início do século 20, quando a Grã-Bretanha tinha o poder hegemônico sobre o globo e os Estados Unidos ascendiam. Nosso ponto era que isso não vai acontecer novamente. Não é que os Estados Unidos sejam a potência hegemônica e que a China desempenhe esse papel. Esta foi a nossa hipótese. Continua a funcionar como um quadro de análise. Nenhum estado-nação pode determinar unilateralmente a ordem global. Existe um quadro diferente. A ideia era que algo havia mudado na ordem global, e temos que entendê-lo de forma diferente. Antigos inimigos mudaram. Temos que reconhecer o que é novo para criar estratégias de mudança.

Aprendemos algo novo sobre impérios durante a crise da saúde, especialmente nos últimos dois anos?

Aprendemos que não há coordenação das instituições mundiais em torno da saúde e da distribuição de medicamentos, vacinas ou testes. Se o mundo funciona como um sistema, é super desorganizado. A resposta ao coronavírus provou isso. Não sei se poderia ser considerado exatamente como “novo”. Mas foi denotado na pandemia.

“Empire” foi comparado a “The End of History” de Francis Fukuyama por fornecer uma perspectiva abrangente. Georg Hegel ainda é a base que explica o movimento da história pela dialética? A dialética de Hegel é útil para ver e analisar o futuro e a história?

É uma forma não de prever o futuro, mas de reconhecer tendências no presente. Veja o movimento da história e como o presente se encaixa nisso. Permite definir uma agenda para o presente. Isso é o que Tony e eu pretendíamos.

Qual é o papel da política no século XXI? Por que muitos setores populares se referem aos líderes e partidos políticos como uma casta? Essa crítica cabe à esquerda?

Quando olhamos para os principais movimentos sociais dos últimos cinquenta anos, um de seus pontos fortes foi reivindicar uma nova forma de democracia. Participação direta, muitas vezes por meio de assembleias, comitês, comissões. Recorra menos a uma representação às vezes distante. Movimentos feministas e estudantis, dos anos 1960 até os dias atuais, praticam e exigem isso. Movimentos sem liderança existem desde 2011. O que estamos vendo nesse olhar sem liderança é uma demanda por um novo tipo de democracia. O chamado movimento dos Indignados na Espanha exigia uma democracia real. Implica reconhecer que o que sabemos não é real. Esses líderes e partidos políticos são um obstáculo à democracia. Isso não significa que sejam todos iguais. Aqui se levanta uma questão teórica: o que é democracia e o que é representação. A democracia direta pode ser alcançada? Os partidos políticos tradicionais não funcionaram assim.

“Há um processo de expansão da democracia.”

A China pode ser o novo império? O Partido Comunista Chinês está avançando em direção a uma nova ideia de globalização? A sociedade chinesa pode ser definida como capitalismo de estado?

Essas são perguntas grandes e difíceis. Por “império” queremos dizer uma maneira pela qual muitos Estados-nação desempenham um papel crucial. Não são os Estados-nação que estão, em última análise, no controle. Não é que não sejam importantes; mas eles deixaram de ser o último árbitro. Eles, juntamente com as corporações capitalistas e supranacionais, como o Banco Mundial e o FMI, formam uma constituição mista. É aqui que a globalidade está potencialmente se movendo hoje. Não vejo potencial para a China exercer o tipo de pressão global unilateral. Isso não significa que não tenha efeitos importantes, principalmente econômicos, em termos de infraestrutura e influência. Mas funcionará dentro de uma estrutura governamental maior. Sobre a política da China e o papel do seu partido, não me sinto qualificado para responder.

Numa reportagem desta mesma série, o cientista político espanhol Josep Colomer disse que defendia a governação por “especialistas”. Ele disse que organizações como o FMI, o Banco Mundial ou mesmo a Organização Mundial da Saúde podem ser mais eficazes do que estados individuais para lidar com certas questões. O governo dos especialistas é uma das manifestações dos impérios?

A forma como você está pensando está correta. O que propusemos há vinte anos e ainda mantemos é pensar que a governança global se parece com uma pirâmide. Há poderes que atuam quase de forma monárquica. O dólar ou os militares dos Estados Unidos agem como tal. Mas então há um segundo nível de governo aristocrático onde poucos governam. Eu localizaria as agências, o que chamei de instituições supranacionais e você estava se referindo à governança dos especialistas como o FMI e o Banco Mundial, mas também os estados-nação dominantes. E depois há o terceiro nível de todos os estados-nação, além de outras organizações de mídia e toda uma panóplia de outras. Pensamos nisso como três camadas que precisam trabalhar juntas. Há um episódio de Star Trek onde Spock jogou um jogo de xadrez de três níveis e você tinha que jogar xadrez em cada nível, mas também havia todos os três níveis ao mesmo tempo. Nossa ideia de império é um pouco assim. Mas é importante reconhecer que nenhum desses poderes e nenhum desses organismos pode existir sem os outros. Admitidamente, a rapidez com que alguns desses acordos de poder mudam, incluindo a rivalidade entre os estados. Vinte anos atrás, parecia meio senso comum que os Brics: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul juntos seriam uma nova potência. E isso não aconteceu: alguns estão no topo e outros não. Quando você faz análises geopolíticas, trata-se principalmente de rivalidades dentro dessa estrutura maior e ter um estado-nação ou uma agência ou obter vantagem sobre os outros. O que muda a dinâmica no todo, não o arranjo, o mecanismo. E olhar para aquele grande arranjo era realmente o foco vinte anos atrás.

O sociólogo italiano Enzo Traverso escreveu um livro chamado “Left Melancholy”. A esquerda caiu em uma melancolia que a impede de agir e ser verdadeiramente transformadora?

Esta é uma excelente pergunta e ponto de vista. A esquerda foi ótima em analisar as formas de dominação que enfrentamos, mas menos em reconhecer o poder da transformação. Às vezes parece que a força contra nós é tão grande que não há nada que se possa fazer para mudar. Isso leva a uma espécie de melancolia. Muitos dizem que minha análise é otimista. Isso me irrita. Como se o otimismo não tivesse fundamento. Trata-se de reconhecer o poder da mudança que está em curso. Pode ser a cura para a melancolia de que fala Enzo Traverso. Olhe para os movimentos sociais e se surpreenda com o que as pessoas fazem, reconheça o potencial de mudança. O Ni Una Menos de que estamos falando é um excelente exemplo. Enfrenta poderes, formas arraigadas de dominação patriarcal e capitalista. Mas causou uma mudança. Mostre o que as pessoas estão fazendo. É mais do que uma vontade, um desejo: é a possibilidade de uma mudança real. É necessário integrar-se às forças que têm esse poder de mudança, em vez de dizer que não deve haver mais melancolia. Concordo com Enzo Traverso. Há uma tendência à melancolia em certos aspectos da esquerda, tanto ativistas quanto outros. Mas também há maneiras de combatê-lo.

Rancière situa seu pensamento na genealogia nietzschiana/deleuziana. Essa é a marca do seu pensamento? Você se identifica com Gilles Deleuze e Friedrich Nietzsche?

Certamente me identifico com Gilles Deleuze, o filósofo francês, e Félix Guattari. Certamente são figuras importantes. São pensadores dentro da tradição marxista, mas também encontram caminhos para transformá-la. Não entendo muito bem o que você quer dizer com Nietzsche. Pode ser algo interessante, mas não entendo essa parte. Embora eu diria que Marx e Gilles Deleuze seriam um excelente ponto de partida para o meu tipo de formação teórica.

As experiências populistas latino-americanas são transformadoras?

De cerca de 2000 a 2010, os chamados governos progressistas na América Latina, no Brasil, Argentina, Uruguai, Equador, Bolívia e Venezuela, foram experiências políticas extremamente produtivas e benéficas. Claro, eu tive críticas a eles ao longo desse período por diferentes aspectos. Cada um desses, cada um desses governos de esquerda na América Latina, acabou nas costas de poderosos movimentos sociais. Você não deve olhar apenas para seus líderes políticos, mas para os movimentos que os tornaram possíveis. Se analisados ​​dessa maneira, eles poderiam ser entendidos não tanto quanto populismo. E eles poderiam transformar.

Existe uma invariante populista ou algo que une, por exemplo, Hugo Chávez a Donald Trump?

Laclau falou da confusão sobre a ideia de “gente”. E então ele quis dar um sentido coerente ao termo, que é sobre a formação do povo, que ele considerava o ato político primordial. E essa noção não é necessariamente esquerda ou direita. Em termos de políticas, há muito pouca semelhança entre os governos de Hugo Chávez e Donald Trump. Não acho útil colocá-los no mesmo quadro.

O que a ativista sueca Greta Thunberg, que não nasceu quando você escreveu “Empire”, representa para a política mundial atual? As pessoas com menos de 20 anos têm uma ideia de política diferente das pessoas mais velhas?

A divisão geracional em torno da política climática e a sabedoria dos jovens é muito importante. Muitas pessoas no movimento de justiça climática ou no movimento de mudança climática são muito jovens. Sua sabedoria e ativismo são extremamente importantes. As formas do movimento e mesmo suas reivindicações não são incompatíveis com as de outros movimentos sociais. São demandas múltiplas que sugerem uma análise interseccional, um reconhecimento de que os problemas causados ​​pelas mudanças climáticas são causados ​​pelas corporações capitalistas. A mesma coisa acontece com a questão racial. Os jovens que estão tão focados nas mudanças climáticas são novos e super importantes, e eu os sigo de todo o coração. Mas de alguma forma eles são semelhantes aos outros movimentos. Sua articulação com outras lutas seria interessante. Eles devem encontrar sua própria raiz nos movimentos anteriores.

Em “Asamblea”, você escreve: “Protesto não é suficiente. Os movimentos sociais também precisam implementar uma transformação social duradoura.” Na Argentina, debate-se o papel dos movimentos sociais: se é assistencial ou de geração de empregos a partir de empreendimentos produtivos. Os movimentos sociais devem participar do circuito econômico e dar trabalho aos seus membros?

Nossa inspiração foram os movimentos de 2011, tanto no Egito quanto na Tunísia, mas também na Espanha e na Grécia. Finalmente, em setembro daquele ano, começou o Occupy Wall Street. Tínhamos todo um circuito de movimentos. Eles foram importantes e, em muitos aspectos, bem-sucedidos, embora em muitos casos os resultados fossem horríveis. No Egito, um dos desafios que foram levantados e enfrentados foi o de eficiência e longevidade. Como esses movimentos, que eram tão poderosos, poderiam ser transformados? Esta foi a pergunta que nos fizemos, para que fossem eficazes e duradouras e, portanto, pudessem garantir uma verdadeira transformação. Então, por um lado, nos inspiramos nesses movimentos, mas também reconhecíamos como os próprios ativistas detectavam suas deficiências. Portanto, uma resposta conceitual é que as instituições devem ser criadas para que os movimentos sejam duradouros. Como Ni Una Menos. De alguma forma, acho que conseguiu perdurar em parte criando estruturas institucionais internas por meio de assembleias no local de trabalho e grupos de mulheres e o Dia Internacional da Mulher. As formas de continuar e repetir que você encontrou para resolver o problema que estávamos reconhecendo em 2011.

“O Ni Una Menos da Argentina é um dos movimentos mais inspiradores da atualidade.”

Na Argentina, temos a discussão sobre um grande número de pessoas que recebem dinheiro sem trabalhar. Isso não é bom, porque eles precisam receber trabalho e não apenas ajuda monetária.

Esta é uma pergunta que uma pessoa de outro país provavelmente não está qualificada para responder. Em geral, acho muito bom que as pessoas recebam dinheiro sem que seja solicitada uma contraprestação. Isso está movendo a questão para algo que eu sei algo mais. Durante a pandemia, as pessoas nos Estados Unidos fugiram de empregos ruins. As pessoas se recusam a trabalhar. Eles chamam isso, os jornalistas gostam de chamar isso de grande renúncia, mas na verdade essencialmente e em parte está relacionado a uma parte do dinheiro que faz parte dos pacotes de estímulo que as pessoas receberam. As pessoas estão em posição de poder recusar empregos ruins. Acho que são trabalhos que não merecem ser realizados se não forem pagos. Então, de certa forma, acredito na capacidade dos trabalhadores de recusar um trabalho que não seja satisfatório, que seja improdutivo, que seja perigoso, que seja mal remunerado. Tudo isso é exploração. Acho que isso é uma coisa positiva. No entanto, reconheço que não estou me referindo à situação na Argentina e peço desculpas por não saber mais sobre a situação.

Em seu livro “Declaração”, eles dizem: “Ao longo de 2011, uma série de lutas sociais estilhaçou o senso comum e começou a construir um novo”. O triunfo de Gabriel Boric no Chile, que participou dos protestos daquele ano, fala de um novo paradigma?

Uma das coisas que mudou nos Estados Unidos com o movimento Occupy foi o reconhecimento das estruturas de desigualdade social e sua natureza extrema. A campanha de Bernie Sanders para presidente é impossível sem o Occupy Wall Street. Ele não ganhou a presidência, mas foi a manifestação de uma mudança. Há uma conexão ainda mais bem-sucedida e direta no Chile nos últimos dez anos, que os movimentos estudantis incorporam as demandas que eles fizeram. A demanda por democracia de uma nova maneira, mas a demanda para finalmente acabar com a ditadura. Quero dizer que agora faz sentido para os movimentos, para os alunos. Agora ela se manifesta e cristaliza. Não acho que ganhar a presidência acabará com todos os problemas. Não vai, não pode resolver tudo. Mas há uma continuidade importante entre o que os movimentos conseguiram na forma como transformaram o espaço político, e no clima político desde então, e essa vitória eleitoral.

“A esquerda deve entender que seus antigos inimigos mudaram.”

Qual é o papel que você acha que a mídia tem no império?

A mídia pode ter e historicamente teve, em muitas situações, um papel na manutenção de formas de poder repressivo. Tenho certeza de que você pensa em exemplos da mídia, de certos jornalistas, que desempenharam esse papel e construíram uma verdade. Mas a mídia também pode ter um efeito transformador, em parte, ao permitir que outros falem. Parece-me que não existe um papel único. Não é que a mídia tenha apenas um papel, talvez tenha apenas uma coisa, mas pode ser transformadora. Vinte anos atrás, houve uma tentativa de criar novas formas de mídia que fossem independentes dos conglomerados de mídia dominantes, e acho que houve várias muito, muito bem-sucedidas. E aquela ideia de criar uma mídia independente ou se tornar o slogan na época desses centros de mídia independente era: “Não odeie a mídia, torne-se uma mídia”. E acho que essa é uma das maneiras pelas quais as novas formas de mídia podem desempenhar um papel produtivo. A mídia pode ter funções progressivas, como vemos nesta palestra, mas também pode ter funções terrivelmente regressivas. Em essência, eles constituem uma plataforma com a qual devemos fazer algo.

“O modelo de Laclau é baseado no Partido Comunista Italiano dos anos 1960”

Em seu livro “Greves e combates”, Ernesto Laclau, um dos teóricos do chamado populismo latino-americano, retoma a crítica que Jacques Rancière fez ao seu livro “Império”. Ali se levanta uma discussão ontológica sobre a identidade da “multidão” em oposição à ideia de “povo”. Há algo imanente na multidão? Você pode explicar ao público argentino seus pontos e os de Laclau sobre o povo e a multidão?

Sim. Não é fácil, porque em muitos aspectos acho que concordamos. Em Ernesto Laclau há um vocabulário muito técnico. Mas uma coisa que eu acho que concordamos é um bom ponto de partida. Como você diz, o campo social é radicalmente heterogêneo. Isso é o que queremos dizer com “multidão”. Não podemos definir a sociedade pela liderança da classe trabalhadora industrial, e o resto unificado por trás disso, ou algum outro ator único. Por isso, é importante compreender uma multiplicidade de subjetividades. É o que expressam os movimentos sociais: os movimentos feminista, trabalhista, ecológico, indígena. Eles estabelecem um campo radicalmente heterogêneo. Ele concorda com isso, mas Ernesto acredita que, para fazer política, aquele campo heterogêneo tinha que se tornar uma cidade. O povo como instância unificadora, com liderança até. Eu sei que ele tinha em mente o Partido Comunista Italiano dos anos 1970. E essa é a nossa divergência. Pensamos que a democracia é possível, que esse grupo radicalmente heterogêneo, de formas radicalmente heterogêneas de luta, pode se articular sem que haja uma figura política ou um partido acima dele. A ideia de democracia era que todos nós participássemos igualmente e tivéssemos instituições e mecanismos juntos.

Produção – Pablo Helman e Natalia Gelfman.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.