Nem na Dubai Expo 2020 Israel foi salva

Quando a Embaixada da OLP nos Emirados Árabes Unidos celebrou o que chamou de “Dia Nacional da Palestina” na Dubai Expo, novamente distorceu a história e glorificou a violência, por meio de duas canções

Nem na Dubai Expo 2020 Israel foi salva
“Pobres palestinos se é isso que eles têm para mostrar na Expo 2020 em Dubai”(Crédito: Christopher Pike/Getty Images for Expo 2020)

Quando os países participantes da Expo 2020 em Dubai inauguraram seus respectivos pavilhões, fizeram um esforço para apresentar belos vídeos com suas paisagens, indústrias, seu povo e suas conquistas. Tecnologia, cultura, história, sociedade.

Publicidade

Israel, com a emoção singular de o Estado Judeu, estar participando de uma feira internacional em um país árabe signatário dos Acordos de Abraão, também mostrou seu povo próspero e variado, suas paisagens incríveis e, claro, sua tecnologia altamente desenvolvida.

Quando a Embaixada da OLP nos Emirados Árabes Unidos celebrou o que chamou de “Dia Nacional da Palestina” na Dubai Expo, novamente distorceu a história – como muitas figuras palestinas tendem a fazer – e glorificou a violência, por meio de duas canções que não importa quão bem entoadas e dançados que foram, eles não podem esconder a mensagem preocupante. Foi transmitido em 24 de dezembro na televisão oficial da Autoridade Palestina.

Uma das músicas, de acordo com um relatório da Palestinian Media Watch divulgado, é a conhecida Oh, Bird in Flight que “apresenta um mundo sem Israel” e mente ao apresentar várias cidades israelenses como se fossem parte da “Palestina”. O outro, o relatório chama de “uma promoção clássica do terrorismo da Autoridade Palestina” intitulada Pull the Trigger, que glorifica a violência e anuncia que “substituímos braçadeiras por armas”.

Presumivelmente, não poucos dos visitantes não entenderam uma palavra do que foi cantado. Muitos terão saído admirando as vozes e os belos dançarinos com trajes típicos da ocasião. Mas a escolha das músicas, mero reflexo de um sentimento de fundo, é muito preocupante.

Publicidade

Escrevemos estas linhas mesmo considerando que é importante que haja um diálogo entre Israel e a Autoridade Palestina, para manter a coordenação de segurança – que contribui para a luta contra o terrorismo – e tentar manter certa estabilidade. Uma explosão generalizada não seria nada promissora. E a coisa central: claro, qual é a alternativa para a Autoridade Palestina, os terroristas do Hamas. Mas isso não significa que não seja necessário denunciar as mensagens que a AP divulga e destaca, também coordenando questões de segurança com Israel.

É que o argumento de que o central é o que eles fazem e não algo que eles escrevem não seria válido, porque as mensagens transmitidas pelos números da AP envenenam a mente das pessoas, eles dizem repetidamente que a história era diferente da o que realmente foi, que Israel roubou um estado deles mesmo que nunca o tivessem, e que o que Israel tem hoje foi antes dos palestinos.

Na primeira música mencionada, a existência de Israel é de fato negada, contando a história de um pássaro que visita lugares na “Palestina”, incluindo Iafo, Acre, Ramle, Beit Shean e Haifa. É uma semântica enganosa. Por quê? Porque é claro que essas cidades, antes da criação de Israel, estavam na Palestina, mas a Palestina do Mandato Britânico, o que se chamava Judéia, que não era um país dos árabes palestinos, ao contrário do que eles querem dar a entender. A Palestina nunca foi um Estado dos árabes palestinos, não importa quantas mentiras são ditas sobre isso.

Publicidade

Inevitavelmente, a distorção da história e da verdade é acompanhada por uma mensagem explícita de apoio à violência, ostentando que “substituímos as pulseiras por armas”, exortando: “puxe o gatilho” e afirmando que “é dia de guerra santa”. Pobres palestinos se é isso que eles têm para mostrar na Expo 2020 em Dubai.

*Por Jana Beris – De Modiin, Israel.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

Publicidade

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.