O que acontece com a economia global se a Rússia invadir a Ucrânia

Os países que dependem da rica oferta de energia, trigo, níquel e outros produtos básicos da região podem sentir a dor dos picos de preços

o-que-acontece-com-a-economia-global-se-a-russia-invadir-a-ucrania
A preparação para uma potencial invasão russa da Ucrânia já cobrou seu preço (Crédito: Joe Raedle/Getty Images)

A economia global pode mudar se a Rússia invadir a Ucrânia. Depois de ser atingida pela pandemia, estrangulamentos da cadeia de suprimentos e saltos nos preços, a economia global está prestes a ser enviada para outro curso imprevisível por um confronto armado na fronteira da Europa.

Publicidade

A preparação para uma potencial invasão russa da Ucrânia já cobrou seu preço. A promessa de punir sanções em troca do presidente Biden e o potencial de retaliação russa reduziram os retornos das ações e aumentaram os preços do gás.

Um ataque direto das tropas russas pode causar picos vertiginosos nos preços da energia e dos alimentos, alimentar os temores da inflação e assustar os investidores, uma combinação que ameaça o investimento e o crescimento das economias em todo o mundo.

Por mais severos que sejam os efeitos, o impacto imediato não será tão devastador quanto as paralisações econômicas repentinas causadas pela primeira vez pelo coronavírus em 2020. petróleo, gás e matérias-primas que mantêm as fábricas do mundo funcionando. Mas, ao contrário da China, que é uma potência manufatureira e intimamente ligada a intrincadas cadeias de suprimentos, a Rússia é um ator menor na economia global.

A Itália, com metade da população e menos recursos naturais, tem uma economia duas vezes maior. A Polônia exporta mais mercadorias para a União Européia do que a Rússia.

Publicidade

“A Rússia é incrivelmente sem importância na economia global, exceto petróleo e gás”, disse Jason Furman, economista de Harvard que foi consultor do presidente Barack Obama. “É basicamente um grande posto de gasolina.”

Claro, um posto de gasolina fechado pode ser incapacitante para quem depende dele. O resultado é que qualquer dano econômico será distribuído de forma desigual, intenso em alguns países e indústrias e despercebido em outros.

A Europa obtém quase 40% de seu gás natural e 25% de seu petróleo da Rússia, e provavelmente será atingida por picos nas contas de aquecimento e gás, que já estão subindo. As reservas de gás natural estão com menos de um terço da capacidade, com semanas de frio pela frente, e os líderes europeus já acusaram o presidente da Rússia, Vladimir V. Putin, de reduzir a oferta para ganhar vantagem política.

Publicidade

E depois há os preços dos alimentos, que subiram ao seu nível mais alto em mais de uma década, em grande parte por causa da bagunça na cadeia de suprimentos da pandemia, de acordo com um relatório recente das Nações Unidas. A Rússia é o maior fornecedor mundial de trigo e, com a Ucrânia, responde por quase um quarto do total das exportações globais. Para alguns países, a dependência é muito maior. Esse fluxo de grãos representa mais de 70% das importações totais de trigo do Egito e da Turquia.

Isso colocará mais pressão sobre a Turquia, que já está no meio de uma crise econômica e lutando com a inflação que está perto de 50%, com os preços dos alimentos, combustível e eletricidade disparados.

E, como sempre, o fardo recai sobre os mais vulneráveis. “As pessoas mais pobres gastam uma parcela maior da renda em alimentos e aquecimento”, disse Ian Goldin, professor de globalização e desenvolvimento da Universidade de Oxford.

Publicidade

A Ucrânia, há muito conhecida como o “celeiro da Europa”, na verdade envia mais de 40% de suas exportações de trigo e milho para o Oriente Médio ou a África, onde há preocupações de que mais escassez de alimentos e aumentos de preços possam alimentar agitação social.

O Líbano, por exemplo, que está passando por uma das crises econômicas mais devastadoras em mais de um século, obtém mais da metade de seu trigo da Ucrânia.

A Ucrânia também é o maior exportador mundial de óleos de sementes como girassol e colza.

Publicidade

Os analistas mapearam uma série de cenários de leve a grave. As consequências para as famílias da classe trabalhadora e os comerciantes de Wall Street dependem de como uma invasão se desenrola: se as tropas russas ficam perto da fronteira ou atacam a capital ucraniana, Kiev; se a luta dura dias ou meses; que tipo de sanções ocidentais são impostas; e se Putin responde retendo suprimentos críticos de gás da Europa ou lançando ataques cibernéticos traiçoeiros.

“Pense no lançamento em etapas”, disse Julia Friedlander, diretora da iniciativa de política econômica do Atlantic Council. “É provável que isso aconteça como um drama em câmera lenta.”

Como ficou claro com a pandemia, pequenas interrupções em uma região podem gerar grandes interrupções em lugares distantes. Escassez isoladas e aumentos de preços, seja de gás, trigo, alumínio ou níque, podem se tornar uma bola de neve em um mundo que ainda luta para se recuperar da pandemia.

“Você tem que olhar para o pano de fundo contra o qual isso está acontecendo”, disse Gregory Daco, economista-chefe da EY-Parthenon. “Há inflação alta, cadeias de suprimentos tensas e incerteza sobre o que os bancos centrais vão fazer e quão insistentes são os aumentos de preços”.

As tensões adicionais podem ser relativamente pequenas isoladamente, mas estão se acumulando nas economias que ainda estão se recuperando dos golpes do corpo econômico infligidos pela pandemia.

O que também está claro, acrescentou Daco, é que “a incerteza política e a volatilidade pesam sobre a atividade econômica”.

Isso significa que uma invasão pode ter um efeito duplo, desacelerar a atividade econômica e aumentar os preços.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve já enfrenta a maior inflação em 40 anos, de 7,5% em janeiro, e deve começar a aumentar as taxas de juros no próximo mês. Os preços mais altos da energia desencadeados por um conflito na Europa podem ser transitórios, mas podem alimentar preocupações sobre uma espiral de preços e salários.

“Podemos ver uma nova explosão de inflação”, disse Christopher Miller, pesquisador visitante do American Enterprise Institute e professor assistente da Tufts University.

Também alimentando os temores de inflação estão a possível escassez de metais essenciais como paládio, alumínio e níquel, criando outra interrupção nas cadeias de suprimentos globais que já sofrem com a pandemia, bloqueios de caminhoneiros no Canadá e escassez de semicondutores.

O preço do paládio, por exemplo, usado em sistemas de exaustão automotivos, telefones celulares e até obturações dentárias, disparou nas últimas semanas por causa do temor de que a Rússia, o maior exportador mundial do metal, possa ser cortada dos mercados globais. O preço do níquel, usado para fabricar aço e baterias de carros elétricos, também vem subindo.

É muito cedo para avaliar o impacto preciso de um conflito armado, disse Lars Stenqvist, diretor de tecnologia da Volvo, fabricante sueca de caminhões. Mas ele acrescentou: “É uma coisa muito, muito séria”.

“Temos vários cenários na mesa e estamos acompanhando os desenvolvimentos da situação dia a dia”, disse Stenqvist na segunda-feira.

O Ocidente tomou medidas para atenuar o impacto na Europa se Putin decidir retaliar. Os Estados Unidos aumentaram a entrega de gás natural liquefeito e pediram a outros fornecedores como o Qatar que fizessem o mesmo.

A demanda por petróleo pode dar impulso às negociações para reviver um acordo para conter o programa nuclear do Irã. O Irã, que se estima ter até 80 milhões de barris de petróleo armazenados, foi bloqueado de grande parte dos mercados mundiais desde 2018, quando o presidente Donald J. Trump se retirou do acordo nuclear e reimpôs sanções.

Algumas das sanções contra a Rússia que o governo Biden está considerando, como cortar o acesso ao sistema de pagamentos internacionais conhecido como SWIFT ou impedir que empresas vendam qualquer coisa para a Rússia que contenha componentes fabricados nos Estados Unidos, prejudicariam qualquer pessoa que faça negócios com a Rússia. Mas, em geral, os Estados Unidos são muito menos vulneráveis ​​do que a União Europeia, que é o maior parceiro comercial da Rússia.

Os americanos, como Biden já alertou, provavelmente verão preços mais altos da gasolina. Mas como os próprios Estados Unidos são um grande produtor de gás natural, esses aumentos de preços não são tão acentuados e tão amplos quanto em outros lugares. E a Europa tem muito mais ligações com a Rússia e se envolve em mais transações financeiras, incluindo o pagamento do gás russo.

Empresas petrolíferas como Shell e Total têm joint ventures na Rússia, enquanto a BP se gaba de ser “um dos maiores investidores estrangeiros da Europa”, com laços com a petrolífera russa Rosneft. A Airbus, gigante da aviação europeia, recebe titânio da Rússia. E os bancos europeus, particularmente os da Alemanha, França e Itália, emprestaram bilhões de dólares a mutuários russos.

“Severas sanções que prejudicam a Rússia de forma dolorosa e abrangente têm potencial para causar enormes danos aos clientes europeus”, disse Adam Tooze, diretor do Instituto Europeu da Universidade de Columbia.

Dependendo do que acontecer, os efeitos mais significativos na economia global podem se manifestar apenas no longo prazo.

Um resultado seria pressionar a Rússia a ter laços econômicos mais estreitos com a China. As duas nações negociaram recentemente um contrato de 30 anos para a Rússia fornecer gás à China por meio de um novo gasoduto.

“É provável que a Rússia gire todas as exportações de energia e commodities para a China”, disse Carl Weinberg, economista-chefe da High Frequency Economics.

A crise também está contribuindo para uma reavaliação da estrutura da economia global e as preocupações com a autossuficiência. A pandemia já destacou as desvantagens de cadeias de suprimentos distantes que dependem da produção enxuta.

Agora, a dependência da Europa do gás russo está estimulando discussões sobre a expansão das fontes de energia, o que poderia marginalizar ainda mais a presença da Rússia na economia global.

“No longo prazo, isso vai levar a Europa a diversificar”, disse Jeffrey Schott, pesquisador sênior que trabalha em política comercial internacional no Peterson Institute for International Economics. Quanto à Rússia, o custo real “seria corrosivo ao longo do tempo e realmente tornaria muito mais difícil fazer negócios com entidades russas e desencorajar investimentos”.

“Estamos denunciando os planos da Rússia. Não porque queremos um conflito, mas porque estamos fazendo tudo ao nosso alcance para remover qualquer razão que a Rússia possa dar para justificar a invasão da Ucrânia. Se a Rússia seguir seus planos, será responsável por uma guerra de escolha catastrófica e desnecessária.”

*Por – Patricia Cohen and Jack Ewing — The New York Times

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil