Papa Francisco pede diálogo entre as pessoas em mensagem de Natal

Durante todo o seu discurso, de duas páginas, o pontífice usou a palavra “diálogo” 11 vezes

Papa Francisco pede diálogo entre as pessoas em mensagem de Natal
Ele pediu a Deus que “dê serenidade e unidade às famílias” (Créditos: Lisa Maree Williams/Getty Images)

O papa Francisco, em sua mensagem de Natal neste sábado (25), lamentou a crescente polarização nas relações pessoais e entre os líderes internacionais e afirmou que somente o diálogo pode resolver conflitos, que vão desde rixas familiares até ameaças de guerra.

Publicidade

Na tradicional mensagem “Urbi et Orbi” (para a cidade e para o mundo), ele exortou indivíduos e líderes mundiais a conversarem, já que o distanciamento tem se agravado com a pandemia da Covid-19.

Durante todo o seu discurso de duas páginas, o pontífice usou a palavra “diálogo” 11 vezes.

“A nossa capacidade de relacionamento social está sendo duramente testada. Há uma tendência crescente de nos afastarmos, de fazermos tudo por nós mesmos, de deixar de nos esforçar para encontrar os outros e fazer coisas juntos”, disse o papa, da varanda central da Basílica de São Pedro.

“Também a nível internacional, corre-se o risco de evitar o diálogo, o risco de que esta complexa crise conduza a atalhos em vez de caminhos mais longos de diálogo. No entanto, só esses caminhos podem conduzir à resolução de conflitos e a benefícios duradouros para todos”, afirmou o pontífice.

Publicidade

Conflitos sem fim

Na semana passada, Francisco, completou seus 85 anos, ele listou conflitos, tensões e crises na Síria, no Iêmen, em Israel, em Territórios Palestinos, no Afeganistão, em Mianmar, na Ucrânia, no Sudão, Sudão do Sul e outros lugares.

O papa disse ainda que os conflitos “parecem nunca ter fim” e que, a essa altura, “mal os notamos ``.Estamos tão acostumados com eles, que imensas tragédias passam agora em silêncio. Corremos o risco de não ouvir o grito de dor e angústia de tantos de nossos irmãos e irmãs “, disse, a um pequeno número de pessoas, em razão das restrições da Covid-19.

Ele pediu a Deus que “dê serenidade e unidade às famílias“, elogiando aqueles que se esforçam para mantê-las e as comunidades unidas em tempos de tanta divisão.

Publicidade

“Peçamos-lhe força para estar aberto ao diálogo. Neste dia festivo, imploramos-lhe que desperte no coração de todos o desejo de reconciliação e de fraternidade”, afirmou.

O papa pediu também, para que as pessoas não sejam indiferentes à situação dos migrantes, refugiados, deslocados, presos políticos, e mulheres vítimas de violência e pediu aos líderes que protejam o meio ambiente para as próximas gerações.

Durante a Missa do Galo, na sexta-feira (24), Francisco apelou para um cuidado maior com os desfavorecidos e para que os católicos tenham um olhar especial para as pequenas coisas da vida.

Publicidade

Na homilia, o papa lembrou que Jesus nasceu como “um menino pobre envolto em panos, rodeado por pastores”.

“É aí que Jesus nasceu: perto deles, perto dos esquecidos das periferias. Ele vem onde a dignidade humana é posta à prova”, destacou.

“O Verbo se fez carne para dialogar conosco. Deus não quer um monólogo, mas um diálogo. Ele mostrou ou caminhou Eu encontrei o diálogo em todo o mundo, na Pessoa do Verbo Encarnado.”

Publicidade