Trump elogia Putin e ridiculariza Biden

Enquanto a Rússia atacava à Ucrânia, o ex-presidente Donald J. Trump chamava o presidente Vladimir Putin de inteligente

trump-elogia-putin-e-ridiculariza-biden
Ex-presidente Donald J. Trump (Crédito: Zach Gibson – Pool/Getty Images)

Poucas horas antes do início da invasão russa da Ucrânia, o ex-presidente Donald J. Trump elogiou novamente a astúcia do presidente Vladimir V. Putin da Rússia enquanto atacava o intelecto do presidente Biden.

Publicidade

“Quero dizer, ele está assumindo um país por US$ 2 em sanções”, disse Trump sobre Putin a doadores e legisladores republicanos em Mar-a-Lago, seu clube privado, na quarta-feira. “Eu diria que isso é muito inteligente.”

As palavras gentis que um ex-presidente deu a um adversário estrangeiro preso em um confronto geopolítico com os Estados Unidos e cometendo o ato de agressão mais notório na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, seriam praticamente sem precedentes, exceto que o próprio Trump elogiou Trump. Putin apenas um dia antes, dizendo que sua agressão foi “genial” e “muito experiente”.

A escala e os perigos do ataque da Rússia tornaram-se cada vez mais evidentes na quinta-feira, depois que a Rússia atacou a Ucrânia por terra, mar e ar, e o Ministério do Interior da Ucrânia anunciou que tropas russas entraram na zona de exclusão altamente radioativa de Chernobyl.

Outros líderes republicanos condenaram as ações de Putin.

Publicidade

“A invasão da Ucrânia por Vladimir Putin é imprudente e maligna”, disse o deputado Kevin McCarthy, da Califórnia, líder republicano na Câmara, em comunicado acrescentando: “Este ato de guerra pretende reescrever a história e, mais preocupante, derrubar o equilíbrio da poder na Europa. Putin deve ser responsabilizado.”

Trump há muito expressa admiração por homens fortes estrangeiros, e por Putin em particular, principalmente durante sua campanha presidencial de 2016. Nessa campanha, Trump apelou diretamente aos russos para hackear os e-mails de Hillary Clinton, sua rival democrata. Os russos fizeram seu primeiro esforço para invadir os servidores usados ​​por seu escritório pessoal naquele mesmo dia.

Uma vez eleito, Trump rompeu com décadas de precedentes americanos e repetidamente mostrou uma deferência incomum em relação à Rússia.

Publicidade

Como presidente, Trump ficou ao lado de Putin no final de uma reunião de cúpula de 2018 em Helsinque, Finlândia, e contestou publicamente a conclusão das agências de inteligência dos EUA de que Moscou havia interferido nas eleições de 2016 para ajudar Trump.

Em seu discurso na quarta-feira, Trump disse que o atual presidente dos Estados Unidos “não tem a menor ideia”.

“Agora eles riem de nós, acham que somos um bando de tolos”, disse Trump sobre os líderes estrangeiros. “É por isso que você tem a Ucrânia. É por isso que você vai ter a China. Taiwan é o próximo e você verá o mesmo tipo de coisa.”

Publicidade

Trump chamou a Ucrânia de “grande pedaço de terra com muita gente”, como se descrevesse uma propriedade de investimento em potencial.

Ele não mencionou o fato de ter tentado pressionar a Ucrânia em 2019 a investigar Biden na esperança de beneficiar sua própria campanha de reeleição. Essa pressão levou ao primeiro impeachment de Trump e eventual absolvição pelo Senado controlado pelos republicanos.

Mais tarde na quarta-feira, depois que os combates começaram e explosões já podiam ser ouvidas em Kiev e na Ucrânia, Trump ligou para a Fox News, onde afirmou que a crise não teria acontecido se ele ainda estivesse na Casa Branca.

Publicidade

Tanto em seu discurso quanto na Fox News, Trump repetiu sua falsa afirmação de que a eleição de 2020 foi roubada.

“Ele ficaria satisfeito com a paz”, disse Trump sobre Putin, “e agora vê a fraqueza, a incompetência e a estupidez deste governo”.

A apresentadora da Fox News, Laura Ingraham, colocou Trump em espera para ir ao vivo para as Nações Unidas. O Sr. Trump esperou. Quando eles voltaram a conversar, Trump interpretou mal Ingraham em um ponto, acreditando erroneamente que ela havia relatado que os americanos haviam lançado um ataque anfíbio, embora Biden tenha dito repetidamente que nenhuma tropa americana seria enviada. A Sra. Ingraham teve que corrigi-lo.

“Kremlin: Encontro com representantes dos círculos empresariais russos”

*Por – Shane Goldmacher — The New York Times

*Contribuição — Maggie Astor.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil