Sem Acordo

Não haverá cessar-fogo sem a recuperação de territórios, afirma Zelensky

O líder alertou que um acordo que permita que a Rússia mantenha territórios ucranianos tomados desde a invasão em fevereiro vai apenas incentivar um conflito ainda maior.

Não haverá cessar-fogo sem a recuperação de territórios, afirma Zelensky
O conflito completará 5 meses neste domingo (24) (Crédito: Sean Gallup/Getty Images)

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que um acordo de cessar-fogo com a Rússia sem a retomada de territórios perdidos apenas prolongará a guerra, de acordo com uma entrevista para o Wall Street Journal nesta sexta-feira (22).

Publicidade

O líder alertou que um acordo que permita que a Rússia mantenha territórios ucranianos tomados desde a invasão em fevereiro vai apenas incentivar um conflito ainda maior, dando a Moscou uma oportunidade de se reabastecer e se armar para o próximo assalto.

Zelensky também falou sobre os sistemas de foguetes de artilharia de alta mobilidade (HIMARS), dizendo que “o fornecimento de Himars pelo Ocidente, embora façam uma grande diferença material, é muito menos do que a Ucrânia precisa para virar o jogo.”

“O congelamento do conflito com a Federação Russa significa uma pausa que dá à Rússia uma pausa para o descanso”, reportou o Wall Street Journal, citando comentários de Zelensky.

Ele disse que “a sociedade acredita que todos os territórios precisam ser liberados primeiro, e depois podemos negociar sobre o que fazer e como podemos viver nos próximos séculos.”

Publicidade

“Uma necessidade mais urgente é pelos sistemas de defesa antiaérea, que podem prevenir que os mísseis de longo-alcance chovam em cidades que eram pacíficas e estão a centenas de milhas das linhas de frente”, acrescentou Zelensky.

Em referência ao acordo assinado com a Rússia para reabrir as exportações de grãos, Zelensky disse que “as concessões diplomáticas a Moscou podem estabilizar de certa forma os mercados, mas apenas oferecem uma trégua temporária, e um bumerangue no futuro.”

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Publicidade

(Agência Brasil)