Já são 16 países que registram casos da variante Ômicron

Autoridades do mundo inteiro estão em alerta, a fim de se precaverem de qualquer gravidade

ja-sao-16-paises-que-registram-casos-da-variante-omicron
Teste de Covid-19 (Crédito: Photo by Alex Grimm/Getty Images)

A nova variante Ômicron que foi identificada pela primeira vez na África do Sul, vem se espalhando rapidamente em diversos países. As autoridades no mundo inteiro já estão tomando algumas medidas, afim de se precaver de qualquer gravidade, visto que ainda não existem muitas informações sobre. Até agora, são 16 países que registram casos da variante Ômicron.

Publicidade

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) é uma variante de preocupação. Essa decisão foi tomada devido a sua quantidade de mutações da variante, sendo que algumas delas possuem características preocupantes. Pela variante ser um alerta para o mundo, as autoridades devem estar em observação e a postos para a realização de de investigações de campo e de análises laboratoriais para melhor compreender os impactos e como ela pode reagir na população.

A variante já foi detectada em países como: Botsuana, África do Sul, Hong Kong, Israel, Bélgica, Inglaterra, Escócia, Alemanha, Itália, Holanda, Dinamarca, Portugal, Espanha, Suécia, Austrália, Canadá. Para conter o avanço, vários países fecharam as fronteiras e voltaram algumas medidas sanitárias. Nesse momento, o mundo implora por uma aceleração na vacinação de todo o planeta.

“Essa nova Variante de Preocupação Omicron ressalta da necessidade de acelerar a equidade vacinal e de fazer imunizar contra a covid-19 profissionais de saúde, pessoas idosas e outros em risco e que ainda não receberam a primeira e a segunda dose”, destacou e OMS, por meio de sua conta no Twitter.

Os cuidados com essa nova variante devem ser mantidos. O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga também afirmou que a nossa maior arma é a vacinação. “Gostaria de tranquilizar todos os brasileiros, porque os cuidados com essa variante são os mesmos cuidados com as outras variantes. A principal arma que nós temos para enfrentar essas situações é a nossa campanha de imunização”, afirmou. Além disso, Queiroga destacou que é uma variante de preocupação, mas não de desespero.

Publicidade