Segundo Datafolha, 81% dos brasileiros apoiam passaporte vacinal para locais fechados

Outros 18% são contrários à cobrança do passaporte e 1% não soube responder

segundo-datafolha-81-dos-brasileiros-apoiam-passaporte-vacinal-para-locais-fechados
(Crédito: Tomaz Silva/Agência Brasil)

O Datafolha divulgou nesta segunda-feira (17) que 81% da população brasileira é a favor da apresentação de comprovante de vacinação contra Covid para a entrada em locais fechados como bares, escritórios e restaurantes. Outros 18% são contrários à cobrança do “passaporte” vacinal, e 1% não soube responder.

Publicidade

A pesquisa foi realizada por telefone nos dias 12 e 13 de janeiro, com 2.023 pessoas de 16 anos ou mais em todos os estados do Brasil. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O chamado “passaporte vacinal” é o comprovante de que o cidadão já concluiu o esquema de vacinação contra a Covid-19. No Brasil, o documento é emitido pelo ConecteSUS ou por sites estaduais.

A medida já foi adotada por diversos estados, municípios e setores econômicos. No entanto, a oposição ao passaporte vacinal é uma bandeira da gestão Jair Bolsonaro (PL).

De acordo com a pesquisa, os mais favoráveis á medida são mulheres (87%), pessoas com mais de 60 anos (87%), com ensino fundamental completo (86%) e aqueles que ganham até dois salários mínimos por mês (85%).

Publicidade

Já os grupos contrários ao passaporte são os homens (24%), pessoas de 25 a 34 anos (22%) e aqueles que têm renda mensal de mais de 10 salários mínimos (28%).

O apoio à exigência do comprovante é maior no Sudeste (84%) e menor na região Sul (75%). Também há maior apoio entre espíritas (87%) e católicos (85%) do que entre evangélicos (76%).

Outra percepção apontada pelo Datafolha é que houve um aumento na quantidade de pessoas preocupadas com o atual momento da pandemia da Covid-19: somente 4% dos entrevistados acreditam que a pandemia esteja totalmente controlada.

Publicidade

Além disso, a quantidade de pessoas que sentem a situação da pandemia como “fora de controle” subiu de 20 para 45%. Para outros 48% ela está controlada em partes.