Vítimas das chuvas

Buscas por vítimas são retomadas em Pernambuco, mesmo com chuvas

A chuva atrapalhou parte das operações de busca, devido ao risco de novos desabamentos em alguns pontos.

buscas-por-vitimas-sao-retomadas-em-pernambuco-mesmo-com-chuvas
De acordo com o balanço mais recente do governo estadual, ainda há ao menos 26 desaparecidos (Créditos: Divulgação/ Exército Brasileiro)

Pernambuco chega ao quarto dia de buscas por vítimas das chuvas nesta terça-feira (31). Os temporais provocaram alagamentos e deslizamentos de barreiras no Grande Recife e na Zona da Mata. Entre a madrugada a e manhã, a chuva atrapalhou parte das operações de busca, que foram temporariamente interrompidas devido ao risco de novos desabamentos em alguns pontos.

Publicidade

Segundo dados mais recentes divulgados pelo governo estadual no final da manhã desta segunda-feira (30), foram contabilizadas 91 mortes, além de 26 desaparecidos. A tragédia deixou 6.170 pessoas desabrigadas, de acordo com o tenente-coronel Leonardo Rodrigues, além de deixar, ao menos, 14 cidades em situação de emergência.

Durante a tarde, mais outros dois corpos, que ainda não estavam incluídos nas estatísticas oficiais foram encontrados, aumentando o total de mortes para 93.

No limite entre Recife e Jaboatão, o ponto mais crítico é Jardim Monte Verde, onde mais 20 pessoas morreram. De acordo com o portal g1, por volta das 3h da madrugada desta terça-feira (31), os bombeiros e o Exército suspenderam as buscas por causa da chuva. Às 6h, o trabalho foi retomado pelas equipes.

Na comunidade Vila dos Milagres, as operações também foram suspensas, por questão de segurança das equipes. “Temos um risco de novos deslizamentos, novos soterramentos e da equipe ser coberta pelo barro que é muito denso e muito forte. […] As buscas seguem gradualmente. Ela tem que ser lenta, não pode ser tão rápido, porque o trabalho de remoção de barro é um trabalho pesado e contamos com os riscos de novos deslizamentos e a chuva que não para e deixa o ambiente todo encharcado”, disse o major Everton Marinho, que comanda a operação nesse local.

Publicidade

Publicidade