investigações

Corpo de recém-nascido é encontrado em lixeira de banheiro em Canoas

Principal suspeita da morte da criança é a mãe de 33 anos que foi presa pela polícia sob acusação de homicídio qualificado e ocultação de cadáver

Um bebê recém-nascido de apenas um dia de vida foi encontrado morto nesta segunda-feira (24), dentro de uma lixeira de um prédio comercial.
Corpo de bebê é encontrado em lixeira de banheiro feminino – Crédito: Reprodução

Um bebê recém-nascido de apenas um dia de vida foi encontrado morto nesta segunda-feira (24), dentro de uma lixeira de um prédio comercial. Segundo relatos, um funcionário do estabelecimento em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre (RS), encontrou o corpo e notificou as autoridades.

Publicidade

Publicidade

Durante as investigações, foi descoberto que a mãe do bebê, uma mulher de 33 anos que trabalha nas proximidades do local do ocorrido, está relacionada com o caso. Ela foi presa nesta terça-feira (25) e confrontada pela polícia civil, sob acusação de homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Nas imagens das gravações de câmeras de segurança do local é possível ver a suspeita chegando com uma bolsa e, após um intervalo, saindo do mesmo local sem a bolsa.

O detetive Arthur Reguse, que lidera a investigação do caso, relatou à CNN que a análise das imagens foi essencial para ligar a mulher ao ocorrido. As gravações demonstram claramente o momento em que ela descarta algo — no caso, o próprio recém-nascido — na lixeira do prédio.

Publicidade

“A descrição das imagens bate com a funcionária de uma cafeteria deste prédio. Ela entrou com uma bolsa preta de volume e saiu sem o volume na bolsa. Ela andou por diversos quilômetros com essa bolsa”, disse Reguse.

Recém-nascido foi asfixiado após nascimento

De acordo com as informações coletadas pela polícia, tudo indica que a criança foi asfixiada logo após seu nascimento. Foi reportado que o bebê teve a boca e o nariz obstruídos por fita adesiva, causando asfixia. A motivação por trás do ato ainda é investigada, uma vez que a suspeita preferiu manter silêncio durante o depoimento formal, embora tenha expressado informalmente que não desejava manter a criança.

Buscas adicionais foram realizadas na residência da mulher. Lá, as autoridades encontraram roupas sujas de sangue e traços de sangue que foram confirmados por testes com luminol.

Publicidade

Siga a gente no Google Notícias

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.