Estado grave

Famílias pedem para adotar bebê internada no MS

A bebê recém-nascida perdeu a mãe durante o parto, em Corumbá e não foi acolhida por seus familiares.

familias-pedem-para-adotar-bebe-internada-no-ms
A bebê nasceu com graves problemas de saúde (Crédito: Canva)

Uma bebê, internada em estado grave após a morte da mãe no parto, continua com inúmeras famílias com interesse para adoção. De acordo com o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), nas últimas 24 horas, houve o recebimento de 400 e-mails e 37 pedidos de famílias e ligações de todo o país.

Publicidade

A diretora da Coordenadoria da Infância e da Juventude do TJ-MS, Célia Wolfring informou ao Jornal Midiamax que a triagem está sendo feita com todos os interessados. “Quando a pessoa liga, por exemplo, nós já informamos que o estado de saúde do bebê é grave e ele necessita de cuidados intensivos, até para saber se este pretendente realmente está ou vai se manter interessado. Essa pessoa precisa ser preparada para este momento e vai passar por um curso antes da adoção”.

Célia afirma que as pessoas envolvidas no processo estão muito agradecidas com a sensibilidade. Ela também conta que existem famílias interessadas do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Mato Grosso, entre outras regiões. “Estamos pegando os dados e encaminhando tudo para a equipe técnica, da comarca de Corumbá, onde está sendo feita uma análise minuciosa”.

Após a análise dos dados, o magistrado irá decidir o caso. As 37 famílias estão cadastradas e o contato esta sendo feita com todas. Para adoção é necessário saber alguns critério como. por exemplo, condições emocionais e financeiras. O telefone direto da comarca é (67) 3907-2740, além do (67) 98462-8245 e o e-mail [email protected]

A bebê recém-nascida perdeu a mãe durante o parto, em Corumbá, cidade a 427 quilômetros de Campo Grande. Como a mãe não passou pelo pré-natal, a menina nasceu com diversos problemas de saúde e está internada em um hospital da Capital. Nenhum familiar quis assumir a criança.

Publicidade

O Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul, compartilhou sobre o caso nas redes sociais.

Publicidade